Uma análise da evolução do pensamento da Cepal e da economia institucional ao longo do século xx

Carolina Miranda Cavalcante

Resumo


Este trabalho analisa duas escolas de pensamento econômico originalmente americanas: a Economia Institucional e a CEPAL. Essas escolas de pensamento evoluíram ao longo do tempo e sofreram modificações em suas concepções originais. A partir do final da década de 1930, o institucionalismo vebleniano perderia espaço para o novo institucionalismo, de raiz neoclássica. Do mesmo modo, o pensamento cepalino evoluiu ao longo do tempo, moldando seu foco de pesquisa de acordo com o momento histórico a ser investigado. Por conseguinte, este artigo aborda semelhanças e diferenças entre o pensamento da CEPAL e da Economia Institucional, considerando a evolução de suas ideias ao longo do tempo.


Palavras-chave


Economia Institucional; CEPAL; Ortodoxia Econômica; Instituições; Ontologia

Texto completo:

PDF

Referências


ARNSPERGER, Christian; VAROUFAKIS, Yanis. What is Neoclassical Economics? The three axioms responsible for its theoretical oeuvre, practical irrelevance and, thus, discursive power. Post-austisticEconomics Review, n.38, p.2-12, 2006. Disponível em: https://bit.ly/1zgJewT. Acesso em: 3 nov. 2018.

BACKHOUSE, Roger.A History of Modern Economic Analysis. Oxford: Basil Blackwell, 1985.

BHASKAR, Roy. A Realist Theory of Science. London, New York: Verso, 1997.

BIELSCHOWSKY, R. (org.) Cinqüenta anos de pensamento na CEPAL. Vol I. Rio de Janeiro: Record, 2000a.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento Econômico Brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000b.

CALDWELL, B. Beyond positivism: economic methodology in the twentieth century. Londres: George Allen &Unwin, 1982.

CARNEIRO, R. Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: UNESP, IE-Unicamp, 2002.

CAVALIERI, M. A. O surgimento do institucionalismo norte-americano de Thorstein Veblen: economia política, tempo e lugar. Economia e Sociedade, Campinas, v.22, n.1 (47), p.43-76, abr., 2013.

CAVALIERI, M. A. Thorstein Veblen entre seus pares economistas: um estudo sobre a audiência e a estrutura argumentativa de sua crítica sistemática ao pensamento econômico. Nova Economia, Belo Horizonte, v.25, n.1, p.11-34, jan.-abr., 2015.

CHANG, Ha-Joon. Chutando a Escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica.São Paulo: Editora UNESP, 2004.

CHICK, V. Theory, method and mode of thought in Keyne’s General Theory. Journal of Economic Methodology, v.10, n.3, set., p. 307-327, 2003.

COASE, R. The Nature of the Firm. Economica, New Series, v.4, n.16, p. 386-405, nov. 1937.

COASE, R. The New Institutional Economics. The American Economic Review, v.88, n.2, p. 72-74, mai., 1998.

DEQUECH, D. The Demarcation between the “Old” and the “New” Institutional Economics: recent complications. Journal of Economic Issues, vol.XXXVI, n.2, June, 2002.

DUAYER, M.; MEDEIROS, J. L.; PAINCEIRA, J. P. Desventuras Filosóficas na Ciência Econômica (Naturalização da Sociedade do Capital e Relativismo Ontológico). In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA, Fortaleza, 2000.

FILHO, N. A.; CORRÊA, V. P. A CEPAL ainda é uma escola de pensamento? Revista de Economia Contemporânea, v.15, n.1, p. 92-111, jan.-abr., 2011.

FRIEDMAN, M. A Metodologia da Economia Positiva. Edições Multiplic, v.1, n.3, p. 163-200, fev., 1981 [1953].

GALA, P. A Teoria Institucional de Douglass North. Revista de Economia Política, v.23, n.2 (90), abr.-jun., p. 89-105, 2003.

HAMILTON, W. H. The Institutional Approach to Economic Theory. American Economic Review, v. 9, n. 1, p. 309-318, mar. 1919.

HODGSON, G. O que são instituições? In: SALLES, A. O. T; PESSALI, H. F.; FERNÁNDEZ, R. G. Economia Institucional: fundamentos teóricos e históricos. São Paulo: Unesp, 2017.

KUHN, T. S. A Estrutura das Revoluções Científicas. 7. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2003.

LAWSON, T. Economics and Reality. London: Routledge, 1997.

LIMA, H. & SILVA, R. Dependência Econômica sob a Hegemonia do Capital Financeiro. Tese de Doutorado, UNICAMP, 2013.

MORGAN, L. H. Ancient Society. New Delhi: Isha Books, 2013 [1877].

NORTH, D. Structure and Change in Economic History. New York: Norton, 1981.

NORTH, D. Institutions, Institutional Change and Economic Performance. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

RUTHEFORD, M. Institutions in economics: the old and the new institutionalism. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

RUTHERFORD, M. Science and social control: the institutionalist movement in American economics, 1918-1947. Erasmus Journal for Philosophy and Economics, v.3, n.2, p.47-71, 2010.

SALLES, A. O. T; PESSALI, H. F; FERNÁNDEZ, R. G. (orgs.) Economia Institucional: fundamentos teóricos e históricos. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

SANTOS, T. dos. A Teoria da Dependência: balanço e perspectivas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

WILLAMSON, J. A Short History of the Washington Consensus. In: FROM THE WASHINGTON CONSENSUS TOWARDS A NEW GLOBAL GOVERNANCE, Barcelona, September 24-25, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.