Limites para institucionalização de uma estratégia nacional de desenvolvimento no Brasil: uma análise das propostas “novo” e “social” desenvolvimentistas

Herton Castiglione Lopes, Octávio Camargo Conceição, Adriano José Pereira

Resumo


O trabalho objetiva discutir a dificuldade de institucionalização de uma estratégia nacional de desenvolvimento no Brasil. A partir do conceito de instituições presente nas abordagens institucionalistas, observa-se que
a institucionalização de uma estratégia novo ou social desenvolvimentista foi comprometida pelos problemas macroeconômicos que vêm prejudicando a indústria, principalmente a de maior conteúdo tecnológico. Sugere-se que
os governos do Partido dos Trabalhadores (PT) procuraram estabelecer uma estratégia social desenvolvimentista, mas não conseguiram superar os problemas estruturais, de regulação e da indústria nacional, que vem sofrendo graves prejuízos ao longo dos últimos anos.


Palavras-chave


Institucionalismo; Estratégia Nacional de Desenvolvimento; Novo desenvolvimentismo; Social Desenvolvimentismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGLIETTA, M. Régulation et crises du Capitalisme: l’expérience des États-Unis. Paris: Calmann-Lévy, 1976.

AREND, M. A industrialização do Brasil ante a nova divisão internacional do trabalho. Texto para discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.- Brasília : Rio de Janeiro: Ipea, 2015.

BASTOS, P.P.Z. Social desenvolvimentismo. E-mail ao professor Bresser-Pereira, 2012. Disponível em: https://bit.ly/31TZNE8. Acesso em: 15 Jan. 2016.

BASTOS, P.P.Z. A economia política do novo-desenvolvimentismo e do social desenvolvimentismo. Revista Economia e Sociedade. Campinas, v. 21, Número Especial, 2012, p. 779-810.

BHADURI. A.; MARGLIN, S. Unemployment and the real wage: the economic basis for contesting political ideologies. Cambridge Journal of Economics, n. 14, p. 375-393, 1990.

BIANCARELLI, A. M. Por Uma Agenda Social-Desenvolvimentista para o Brasil. SP: Fundação Perseu Abramo, 2013.

BIELCHOWSKY, R. (org). Cinqüenta Anos de Pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento Econômico Brasileiro: o Ciclo Ideológico do Desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: IPA/INPES, 1988.

BIELSCHOWSKY, R. Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. Revista Economia e Sociedade. Campinas, v. 21, Número Especial. p. 729-

, 2012.

BOYER. R. A teoria da regulação: uma análise crítica. São Paulo: Nobel, 1990.

BRESSER-PEREIRA, L.C. Taxa de câmbio, doença holandesa, e industrialização. Cadernos FGV Projetos, v. 5 , n. 14, p. 68‐73, 2010.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Estratégia nacional e desenvolvimento. Revista de Economia Política, v. 26, n.2, p. 102, abr./jun. 2006.

BRESSER-PEREIRA, L.C (2007a). Globalização e Estado-Nação. Textos para Discussão n. 17, Fundação Getúlio Vargas. FGV, 2007a.

BRESSER-PEREIRA, L.C. Macroéconomie développementiste. Palestra no Institut des Amériques, Paris, 2014a.

BRESSER-PEREIRA, L.C. Reflecting on New Developmentalism. São Paulo: EESP/FGV, 2014b.

BRESSER-PEREIRA, L.C. A taxa de câmbio no centro da teoria do desenvolvimento. Revista Estudos Avançados, v. .26, n. 75, p. 5-28, 201a.

BRESSER-PEREIRA, L.C. Social desenvolvimentismo. E-mail ao professor Pedro Paulo Zahuth Bastos, 2012b. Disponível em: https://bit.ly/2OVY8bP. Acesso: 15 Jan. 2016.

BRESSER-PEREIRA, L.C. National development strategy: the key economic growth institution. Textos para discussão da Escola de Economia de São Paulo, 2007b.

BRESSER-PEREIRA, L.C. The access to demand. Working Paper n. 366 da Fundação Getúlio Vargas, 2014c.

BRESSER-PEREIRA, L. C; ARAÚJO, E. GALA, P. An empirical study of the substitution of foreign for domestic savings in Brazil. Revista de Economia da ANPEC, v. 15, n. 54–67, 2014.

BRESSER-PEREIRA, L. C; GALA, P (2010). Macroeconomia estruturalista do desenvolvimento. Revista de Economia Política, v. 30, n. 4, pp. 663-686, 2010.

BRESSER-PEREIRA, L. C; THEUER, D. Um estado novo desenvolvimentista na América Latina? Revista Economia e Sociedade, v. 21, número especial, p. 811 -829, 2012.

BRUNO, M. A. P. Crescimento econômico, mudanças estruturais e distribuição as transformações do regime de acumulação no Brasil: uma análise regulacionista. Tese (Doutorado em Economia)

- Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

CANO, W. Desindustrialização no Brasil é real e estrutural. CEDE, 2015. Disponível em: https://bit.ly/2Sr2AS4. Acesso: 1 Dez. 2019.

CARNEIRO, R. M. Velhos e novos desenvolvimentismos. Economia e Sociedade. Campinas, v. 21, Número Especial, p. 749-768, 2012.

CARNEIRO, R. M (2012). (Des)industrialização e desenvolvimento. Teoria e Debate, 2012.

Disponível em: https://bit.ly/2uR7mzh. Acesso em: 10 Dez. 2019.

CARNEIRO, R. Impasses do desenvolvimento brasileiro: a questão produtiva. Texto para discussão, n. 153. Campinas: IE/UNICAMP, 2008.

CEMAP. Centro de Estudos em Macroeconomia Aplicada. SP: FGV, 2015.

CEPAL (1990). Transformacion Productiva com Equidad. Santiago: CEPAL.

CHANG, H-J. Chutando a escada: a estratégia de desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: Editora da UNESP, 2004

CIMOLI, M.; PORCILE, G.; MARTINS NETO, A.; SOSSDORF, F. Productivity, social expenditure and income distribution in Latin America. Revista de Economia Política, v. 37, n. 4 (149), p. 660-679, 2017.

COASE, R. The nature of the firm: origins, evolution, and development. New York/Oxford: Oxford University, 1937 [1993].

CONCEIÇÃO, O.A.C. Instituições, crescimento e mudança na ótica institucionalista. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser (FEE), 2001.

CORIAT, B; DOSI, G. The institutional embeddedness of economic change: an appraisal of the ‘evolutionary’ and `regulationist’ research programmes, 2007. Disponível em http://esnie.org/

pdf/textes_2007/Dosi-chap-12.pdf. Acesso 17 Jul. 2013.

COSTA, F.N. Desenvolvimento do desenvolvimentismo: do socialismo utópico ao socialdesenvolvimentismo. Texto para discussão. IE/UNICAMP. Campinas, n. 205, 2012.

COSTA, F.N. Qualificação do Desenvo.lvimentismo. Brasil Debate, 2015. Disponível em https://bit.ly/2wsKAhE. Acesso: 23 Fev. 2015.

CURADO, M. Por que o governo Dilma não pode ser classificado como novodesenvolvimentista?. Revista de Economia Política, v. 37, n. 1, p.130-146, 2017.

DENZAU, A.; NORTH, D (1994). Shared mental models: ideologies and institutions. Kylos, v. 47, n.1, p. 3-31. Disponível em: https://bit.ly/2VLKJHE. Acesso: 19 Dez. 2011.

FAJNZYLBER, F (2000). Industrialização na América Latina: da “caixa-preta” ao “conjunto vazio”. In: BIELSCHOWSKY, R. (org.), Cinquenta anos da CEPAL, Santiago de Chile: CEPAL.

FERRARI FILHO, F.; PAULA, L.F (2015). Padrões de crescimento e desenvolvimentismo: uma perspectiva keynesiano-institucionalista. Nova Economia, v. 26, n. 3, p. 775-807. Disponível em:

https://bit.ly/38timBn. Acesso: 14 Mar. 2016.

FONSECA, P. C. D. Desenvolvimentismo: a construção do conceito. In CALIXTRE, A. B.; BIANCARELLI, A. M., CINTRA, M. A. M. (eds). Presente e Futuro do Desenvolvimento Brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA, p. 29-78, 2014.

FREEMAN, C; PÉREZ, C. Structural Crises of Adjustment, Business Cycles and Investment Behaviour. In: G. Dosi et al. (eds.). Technical Change and Economic Theory. London: Francis Pinter,

FURTADO, C. Os Desafios da Nova Geração. Revista de Economia Política, v. 24, n. 4 (96), outubrodezembro, 2004.

GONÇALVES, R (2012). Governo Lula e o Nacional Desenvolvimentismo às Avessas. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, n. 31.

GONÇALVES. R. Novo Desenvolvimentismo e Liberalismo Enraizado. Revista Serviço Social & Sociedade, n. 112, p. 637-671, 2012.

GENTIL, D.L.; ARAÚJO, V. L. Dívida Pública e Passivo Externo. Onde Está a Ameaça? Texto para discussão, n. 1768. Rio de Janeiro: IPEA, 2012.

HODGSON. G. M. Choice, Habit and Evolution. Journal of Evolutionary Economics, v. 20, n. 1, p. 1-18, January 2010.

_________. What Are Institutions? Journal of economic issues, v. XL, n; 1, p. 1-25, 2006.

IANONI, M (2014). Qual desenvolvimentismo? Jornal do Brasil. Disponível em https://bit.ly/2HnAocm. Acesso: 23 Fev. 2016.

KERSTENETZKY, C. L. Consumo e Crescimento Redistributivo: Notas para se pensar um modelo de crescimento para o Brasil. Texto para discussão, n. 106, junho de 2015. Center for Studies on

Inequality and Development. CEDE.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

KREIN, J. D. As mudanças institucionais e as relações de trabalho no Brasil após o Plano Real, 2001. Campinas. Disponível em: https://bit.ly/39BOovu. Acesso em: 07 nov. 2010.

MANTEGA, G. Entrevista Roda Viva. 03.12.2007. Disponível em: https://bit.ly/38FphaI. 2007b.

MAZZUCATO, M. O Estado empreendedor: desmascarando o mito do setor público vs. setor privado. São Paulo: Portfolio-Penguin, 2014.

MOLLO, M.L.R.; AMADO, A.M. O debate desenvolvimentista no Brasil: tomando partido. Revista Economia e Sociedade, v. 24, n. 1(53), p. 1-28. Campinas, Jan./Apr. 2015.

NELSON, R. R. Economic Development from the perspective of evolutionary economic theory. Working paper series: Globelics, 2007.

NELSON, R. R.; SAMPAT, B.N. Las instituiciones como factor que regula el desempeño econômico. Revista de economia institucional, Bogotá, v. 2 n. 5, 9 17-51, 2001.

NORTH, D.C. Custos de transação, instituições e desempenho econômico. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1994.

_______. Desempeño económico en el transcurso de los años. Estocolmo, 1998. Disponível em: https://bit.ly/2VJVwlN. Acesso em: 17 Fev. 2009.

_______. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

_______. Understanding the process of economic change. Princeton/Oxford: Princeton University Press, 2005.

NORTH, D., WALLIS, J.; WEINGAST, B. Violence and Social Orders: A Conceptual Framework for Interpreting Recorded Human History. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

OREIRO, J.L. FEIJÓ, C.A (2010). Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, v. 30, n. 2 (118), p. 219-232, abril-junho 2010.

OREIRO, J. L. Estagnação com pleno emprego. Valor Econômico. Publicado em 27 Dez. 2012.

OREIRO, J, L.; MARCONI, N. O Novo-Desenvolvimentismo e Seus Críticos. Cadernos do Desenvolvimento. Rio de Janeiro, v. 11, n. 19, p.167-179, jul.-dez, 2016.

PEREIRA, A. J.; DATHEIN, R. Política industrial como instituição desenvolvimentista: uma crítica ao “novo desenvolvimentismo” baseada nas experiências de brasil e coreia do sul. Revista de

economia contemporânea, v. 20, n.1, p.28-57, 2016.

PEREZ, C. Cambio técnico, restructuración competitiva y reforma institucional en los países en desarrollo. El trimestre económico, México, v. 1, n. 233, p. 23-64, enero/marzo, 1992.

________. Cambio tecnológico y oportunidades de desarollo como Blanco móvil. Revista de la CEPAL, Santiago de Chile, n. 75, p. 115-136, 2001.

POCHMANN, M. Do neoliberalismo ao social-desenvolvimentismo. Revista Fórum, 2012.

Disponível em: https://bit.ly/38tDJTl. Acesso: 07 Mar. 2016.

TEN THESES ON NEW DEVELOPMENTALISM. Disponível em

http://www.tenthesesonnewdevelopmentalism.org. Acesso: 30 Jun. 2014.

PROTEC. Pró-inovação tecnológica. Monitor do Déficit Tecnológico, 2011. Disponível em https://bit.ly/38vmFfD. Acesso: 01 Dez. 2015.

THIRLWALL (2005). A. P. A Natureza do Crescimento Econômico: um referencial alternativo para compreender o desempenho das nações. Brasília, IPEA, 2005.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo socialismo e democracia. Rio de janeiro: Fundo de Cultura, 1942 [1984].

SCHUMPETER, J. A (A Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1911 [1985].

UNIDO. United Nations Industrial Development Organization, 2016. Disponível em http://www.unido.org/. Acesso 05 Jan. 2017.

VEBLEN, T. Why is economics not an evolutionary science?. Quarterly Journal of Economics. V. 12, n. 4, p. 373-397, 1898.

__________. The place of science in modern civilization and other essays. New York : Huebsch, 1919.

WILLIAMSON, O. E. The economics and transaction costs. New York: Free Press, 1999.

YANO, N. M.; MONTEIRO, S. M. M. Mudanças institucionais na década de 1990 e seus efeitos sobre a produtividade total de fatores. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 36., 2008,

Salvador. Anais do XXXVI Encontro Nacional de Economia. Disponível em: https://bit.ly/38ukf0U. Acesso em: 10 Jan. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.