A curiosidade na adoção: terreno pantanoso ou saúde psíquica?

Gina Khafif Levinzon

Resumo


Resumo

Este artigo aborda o tema da curiosidade no universo da adoção. São ressaltados os aspectos que indicam saúde psíquica, assim como aqueles que denotam um bloqueio de recursos pessoais essenciais ligados à busca de conhecimento. As angústias dos pais adotivos, seu medo de perder o filho, suas dificuldades em relação a viver o luto de sua esterilidade ou de reconhecer as diferenças entre eles e a criança, entre outras, podem levá-los a desestimular o adotado a pesquisar sua história. Da mesma forma, este último pode apresentar resistências a fazê-lo em função das dores inerentes a este processo. A possibilidade de sentir e de expressar curiosidade é considerada uma medida de saúde mental, especialmente na criança ou adolescente adotados, que têm diante de si a tarefa de construir um sentimento de identidade sólido apesar das lacunas e traumas vividos. É apresentado um caso clínico, no qual havia por parte dos pais intensa dificuldade em contar à filha que ela era adotada, o que resultava em prejuízos importantes no seu desenvolvimento. O trabalho psicanalítico com a criança e o acompanhamento regular em consultas com os pais permitiram que fosse retomado o caminho para o crescimento.

Palavras-chave: curiosidade adoção, pais adotivos, psicoterapia psicanalítica, dificuldades de aprendizagem.


Texto completo:

PDF

Referências


ABADI, D.; LEMA, C. G. Adopción: del abandono al encuentro. Buenos Aires: Kargieman, 1989.

BION, W. O aprender com a experiência. In: BION, W. Os elementos da psicanálise. Tradução Jayme Salomão e Paulo Dias Corrêa. Rio de Janeiro: Zahar, 1966 (Original de 1962). p.11-117.

DINIZ, J. S. Este meu filho que eu não tive. Porto: Afrontamento, 1993.

FREUD, S. Sobre o narcisismo, uma introdução. In: FREUD, S. Obras completas. Tradução Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago,1980 (Original de 1914). v. XIV. p. 293-300.

FREUD, S. A negativa. In: FREUD, S. Obras completas. Tradução Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1980 (Original de 1925). v. XIX. p. 293-300.

GARMA, E. G., GARMA, A.; GRECO, N.; LOPEZ, C. M. M. Más allá de la adopción. Buenos Aires: Epsilon, 1985.

GIBERTI, E. La adopción. Buenos Aires: Sudamericana, 1992.

GRINBERG, R. La adopción y la cesión: dos migraciones específicas. Psicoanálisis, Buenos Aires, v. 4, n. 1, p. 28-44, 1982.

HAMAD, N. A criança adotiva e suas famílias. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2002.

KLEIN, M. O desenvolvimento de uma criança. In: KLEIN, M. Contribuições à psicanálise. Tradução Miguel Maillet. São Paulo: Mestre Jou, 1981 (Original de 1921). p.15-85.

KLEIN, M. Primeiras fases do Complexo de Édipo. In: KLEIN, M. Contribuições à psicanálise. Tradução Miguel Maillet. São Paulo: Mestre Jou, 1981 (Original de 1928). p. 253-267.

KLEIN, M. A importância da formação de símbolos no desenvolvimento do ego. In: KLEIN, M. Contribuições à Psicanálise. Tradução Miguel Maillet. São Paulo: Mestre Jou, 1981 (Original de 1930). p. 295-313.

KLEIN, M. Inveja e Gratidão. In: KLEIN, M. Inveja e gratidão e outros trabalhos (1946-1963). Tradução Belinda Mandelbaum. Rio de Janeiro: Imago, 1991 (Original de 1957). p. 205-267.

LEVINZON, G. K. A criança adotiva na psicoterapia psicanalítica. São Paulo: Escuta, 1999.

LEVINZON, G. Adoção. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

LEVINZON, G. Tornando-se pais: a adoção em todos os seus passos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2014a.

LEVINZON, G. La adopción en la clínica psicoanalítica, el trabajo con los padres adoptivos. In: ROTENBERG, E.; WAINER, B. A. (Org.). Adopciones: cambios y complejidades, nuevos aportes. Buenos Aires: Lugar Editorial, 2014b. p. 83-97.

LEVINZON, G. Adoção e transmissão psíquica. In: LEVISKY, R. B.; GOMES, I. C.; FERNANDES, M. I. A. (Org.). Diálogos psicanalíticos sobre família e casal. São Paulo: Zagodoni, 2014c, p. 109-122.

LIFTON, B. J. Journey of the adopted self: a quest for wholeness. New York: Basic Books, 1994.

MATTEI, J. F. Le chemin de l’adoption. Paris: Éditions Albin Michel, 1997.

MACDONNELL, M. I. Algunas reflexiones sobre la adopción. Revista de Psicoanálisis Argentina, v. 38, n. 1, p. 105-121, 1981.

SCHECHTER, M. D. Observations on adopted children. Archives of General Psychiatry, v. 3, n.1, p. 21-32, 1964.

TRISELIOTIS, J. In search of origins. London: Routledgee & Kegan Paul, 1973.

WIEDER, H. On being told of adoption. Psychoanalytic Quartely, v. 46, n. 1, p. 1-22, 1977.

WIEDER, H. On when and whether to disclose about adoption. Journal of the American Psychoanalytic Association, v. 26, n. 4, p. 793-811, 1978.

WINNICOTT, D. W. A adolescência das crianças adotadas. In: SHEFERD, R. D. W. Winnicott, Pensando sobre crianças. Tradução Maria Adriana V. Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997 (Original de 1955), p. 131-140.

WOILER, E. A condição afetivo-emocional da criança adotada: concessões na aprendizagem, em especial na aprendizagem escolar. São Paulo, 1987. 263 f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902