Imagem para capa

O indizível e a linguagem-testemunha em “Fluxo”, de Hilda Hilst

Dheyne de Souza Santos

Resumo


Este ensaio objetiva analisar o texto “Fluxo”, do livro Fluxo-floema, de Hilda Hilst (1970), considerando o contexto sociopolítico em que a obra foi escrita e publicada no país e o peso das barbáries do século XX, tendo como subsídio teórico-metodológico o testemunho. Para esta leitura, observamos a fragmentação, a fusão de gêneros, o caráter dialógico-dramático, a opressão sistêmica, a metalinguagem, o paradoxo, o ritmo, o silêncio, o silenciamento, entre outras marcas testemunhais. Nesta análise, o indizível é investigado a partir da chave do trauma, considerando a importância da necessidade de dizer em tensão com a impossibilidade de se expressar, o que se liga ao desejo de comunicação com o outro. Como conclusão, identificamos uma linguagem que sobreviveu às catástrofes, por isso uma linguagem-testemunha, e que diz, nas marcas de suas imagens poéticas, o indizível.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. “Crítica cultural e sociedade”. In: ______. Prismas: crítica cultural e sociedade. Tradução de Augustin Wernet e Jorge Mattos Brito de Almeida. São Paulo: Ática, 1998.

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. Tradução de Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

ANDRADE, Ludmilla Zago. O vermelho da vida na escrita de Hilda Hilst. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos Literários. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Belo Horizonte, 2011.

CARUTH, Cathy. “Modalidades do despertar traumático”. In: NESTROVSKI, Arthur & SELIGMANN-SILVA, Márcio (orgs.). Catástrofe e representação. Traduções de Cláudia Valladão de Matos. São Paulo: Escuta, 2000, pp. 111-36.

CAVALCANTI, José Antônio. Palavra desmedida: a prosa ficcional de Hilda Hilst. São Paulo: Annablume, 2014.

COLLOT, Michel. “O sujeito lírico fora de si”. Signótica, Goiânia, v. 25, no 1, pp. 221-44, jan./jun. 2013.

CYTRYNOWICZ, Roney. “O silêncio do sobrevivente: diálogo e rupturas entre memória e história do Holocausto”. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da Unicamp, 2003, pp. 123-38.

DIAS, Juarez Guimarães. O fluxo metanarrativo de Hilda Hilst em Fluxo-floema. São Paulo: Annablume, 2010.

FELMAN, Shoshana. “Educação e crise ou as vicissitudes do ensinar”. In: NESTROVSKI, Arthur & SELIGMANN-SILVA, Márcio (orgs.). Catástrofe e representação. Traduções de Cláudia Valladão de Matos. São Paulo: Escuta, 2000, pp. 13-71.

FRANCO, Renato. “Literatura e catástrofe no Brasil: anos 70”. In: SELIGMANN-SILVA, Marcio (org.). História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da Unicamp, 2003, pp. 351-69.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. “Palavras para Hurbinek”. In: NESTROVSKI, Arthur & SELIGMANN-SILVA, Márcio (orgs.). Catástrofe e representação. Traduções de Cláudia Valladão de Matos. São Paulo: Escuta, 2000, pp. 99-110.

GINZBURG, Jaime. Crítica em tempos de violência. São Paulo: Edusp, 2017.

HARTMAN, Geoffrey. “Holocausto, testemunho, arte e trauma”. In: NESTROVSKI, Arthur & SELIGMANN-SILVA, Márcio (orgs.). Catástrofe e representação. Traduções de Cláudia Valladão de Matos. São Paulo: Escuta, 2000, pp. 207-36.

HELENA, Regina. “Hilda Hilst: suas peças vão acontecer”. In: DINIZ, Cristiano (org.). Fico besta quando me entendem: entrevistas com Hilda Hilst. Rio de Janeiro: Biblioteca Azul, 2013, pp. 25-7.

HILST, Hilda. Fluxo-floema. São Paulo: Globo, 2003.

HOBSBAWM, Eric John. Era dos extremos -- o breve século XX: 1914-1991. Tradução de Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

KEHL, Maria Rita. “O sexo, a morte, a mãe e o mal”. In: NESTROVSKI, Arthur & SELIGMANN-SILVA, Márcio (orgs.). Catástrofe e representação. Traduções de Cláudia Valladão de Matos. São Paulo: Escuta, 2000, pp. 137-48.

LEAL, Cristyane Batista. Configurações líricas do teatro de Hilda Hilst. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística. Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiânia, 2012.

NESTROVSKI, Arthur. “Vozes de crianças”. In: ______ & SELIGMANN-SILVA, Márcio (orgs.). Catástrofe e representação. Traduções de Cláudia Valladão de Matos. São Paulo: Escuta, 2000, pp. 185-205.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Tradução de Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

PÉCORA, Alcir. “Nota do organizador”. In: HILST, Hilda. Fluxo-floema. São Paulo: Globo, 2003, pp. 9-13.

ROSENFELD, Anatol. “Hilda Hilst: poeta, narradora, dramaturga. In: HILST, Hilda. Fluxo-floema. São Paulo: Perspectiva, 1970, pp. 10-7.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. “A história como trauma”. In: NESTROVSKI, Arthur & SELIGMANN-SILVA, Márcio (orgs.). Catástrofe e representação. Traduções de Cláudia Valladão de Matos. São Paulo: Escuta, 2000, pp. 73-98.

______. (org.). História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

______. “Testemunho e a política da memória: o tempo depois das catástrofes”. Projeto História, São Paulo, 2005, pp. 71-98.




DOI: https://doi.org/10.35520/flbc.2017.v9n18a18041

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 A revista Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea utiliza Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


INDEXADORES E BASES DE DADOS

Google Scholar  Diadroim Base   DRJI  Livre     PKP Index ErihPlus Latindex