Imagem para capa

Dois tipos de fotografia para ler a poesia de Adriano Espínola

Filipe Manzoni

Resumo


Nosso trabalho se propõe a uma análise de duas figurações para a relação entre visualidade e trauma na produção poética de Adriano Espínola, observadas a partir de uma analogia com a fotografia. A poesia de Adriano se pautaria, em um primeiro contexto, por uma tentativa de redimir uma experiência urbana anestesiada pelo excesso de estímulos visuais (isto é, buscaria gerar imagens “mais genuínas” da cidade). Em contrapartida, em seus últimos volumes a produção do poeta se voltaria para um conceito de trauma que aponta para (mas também que esbarra em) um limite intransponível para a simbolização, jogando, portanto, com a própria irrepresentabilidade das imagens. Essa dupla articulação nos levará, assim, a um percurso teórico que, partindo de um contexto benjaminiano-baudelairiano do trauma, se direcionará para alguns conceitos de estudiosos como Giorgio Agamben, Jacques Lacan e Roland Barthes, na medida em que a questão central se desloca da produção de imagens para a sinalização de um limite para estas.

Palavras-chave


Adriano Espínola; poesia brasileira contemporânea; fotografia; trauma

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. “O fim do poema”. Cacto. Tradução de Sérgio Alcides. Agosto de 2002, pp. 142-9.

______. “Ideia da prosa”. In: ______. Ideia da prosa. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Antologia poética. Rio de Janeiro: Record, 2010.

BARTHES, Roland. A câmara clara. Tradução de Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire – um lírico no auge do capitalismo. Tradução de José Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989.

ESPÍNOLA, Adriano. Em trânsito: Táxi/Metrô. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996.

______. Beira-sol. Rio de Janeiro: Topbooks, 2001.

______. Praia provisória. Rio de Janeiro: Topbooks, 2006.

______. Escritos ao sol. Rio de Janeiro: Record, 2015.

FOSTER, Hal. O retorno do real: A vanguarda no final do século XX. Tradução de Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

MORICONI, Italo. “Pós-modernismo e volta do sublime na poesia brasileira”. In: PEDROSA, Celia; MATOS, Cláudia & NASCIMENTO, Evando (orgs.). Poesia hoje. Niterói: EdUFF, 1998.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Tradução de M. D. Magno. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 A revista Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea utiliza Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


INDEXADORES

Google Scholar  Diadroim Base   DRJI  Livre