O primitivismo em Manoel de Barros

Ricardo Mendes Mattos

Resumo


Manoel de Barros encontra a originalidade de sua poesia num retorno às origens: as fontes “primitivas” do ser. Essa sua vanguarda primitiva é analisada em O livro das ignorãças, especialmente nos personagens da criança, do louco, do índio, do caboclo e do próprio poeta. Verifica-se que todos esses personagens não possuem uma identidade definida, mas são assemelhados em três traços marcantes: a “ignorãça” ou o desconhecimento das representações convencionais sobre o mundo e a linguagem; o devir em diversas outras formas de vida animal, vegetal ou astral; e a criação poética, com um uso espontâneo das palavras. Conclui-se que Manoel de Barros projeta a si próprio nesses múltiplos personagens, expediente comum entre artistas modernos, segundo teóricos que analisam o primitivismo artístico.


Palavras-chave


primitivismo; alteridade; poesia brasileira contemporânea; Manoel de Barros.

Texto completo:

PDF

Referências


AMIN, Raquel. “O mês das crianças e dos loucos de 1933”. In: Flávio de Carvalho: revolução modernista no Brasil. São Paulo: Ministério da Cultura e Banco do Brasil, 2012. pp. 161-169.

ANDRADE, Mário de. Curso de filosofia e história da arte. São Paulo: Centro de Estudos Folclóricos; GFAU, 1955.

ANDRADE, Oswald de. “Manifesto da poesia pau-brasil”. Em: ______. A utopia antropofágica: antropofagia ao alcance de todos (vol. 6, Obras Completas). 3ª. ed. São Paulo: Globo Livros, 1990.

ANDRIOLO, Arley. Traços primitivos: histórias do outro lado da arte do século XX. Tese (Doutorado), Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

______. “A questão da alteridade no ‘primitivismo artístico’”. II Encontro de História da Arte. IFCH-Unicamp, Campinas, março de 2006.

BARONIAN, Jean-Baptist. Rimbaud. Tradução de Joana Canêdo. Porto Alegre: L&PM, 2011.

BARROS, Manoel de. O livro das ignorãças. 12ª. ed. Rio de Janeiro: Record: 2006.

______. Vanguarda primitiva. Entrevista com Manoel de Barros concedida a Cláudia Trimarco e Bosco Martins. Disponível em: http://www.overmundo.com.br/overblog/manoel-de-barros-se-considera-um-songo-parte-ii. Acesso em: 16 de jan. de 2016.

BOAS, George. Primitivism and Related Ideas in the Middle Ages. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press, 1997.

CHAUI, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Perseu Abramo, 2000.

DELÉCLUZE, Etienne-Jean. Louis David: son école & et son temps. Paris: Editions Macula, 1983.

GOMBRICH, Ernst Hans. The Preference for the Primitive: Episodes in the History of Western Taste and Art. London: Phaidon Press, 2002.

HILLER, Susan. “Editor’s foreword”. In: ______. (org.). The Myth of Primitivism: Perspectives on Art. London and New York: Routledge, Chapman and Hall, 1991. pp. 01-04.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. 6ª. ed. São Paulo: Brasiliense, 1996.

LÉVY-BRUHL, Lucien. La mentalité primitive. Paris: Librairie Félix Alcan, 1922.

LOVEJOY, Arthur O.; BOAS, George. Primitivism and Related Ideas in Antiquity. 2ª. ed. London: The Johns Hopkins Press, 1997.

PLATÃO. Fedro ou da beleza. 6ª. ed. Tradução de Pinharanda Gomes. Lisboa: Guimarães, 2000.

RHODES, Colin. Primitivism and Modern Art. London: Thames and Hudson, 1994.

RIMBAUD, Arthur. Prosa poética. 2ª. ed. Tradução de Ivo Barroso. Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

SILVA, Vicente Ferreira da. “A experiência do divino nos povos aurorais”. ______. Dialéctica das consciências e outros ensaios. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 2002, pp. 362-369.




DOI: https://doi.org/10.35520/flbc.2020.v12n24a38450

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 A revista Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea utiliza Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


INDEXADORES E BASES DE DADOS

Google Scholar  Diadroim Base   DRJI  Livre     PKP Index ErihPlus Latindex