O Recife de lama no conto "O despertar dos mocambos"

Thiago Azevedo Sá de Oliveira

Resumo


Com base na leitura do conto “O despertar dos mocambos” (1936/1937), de Josué de Castro (1908- 1973), este artigo procura interpretar o processo de significação do espaço de mocambo do Recife presente na contística josueniana. No referido texto, a paisagem assume o papel de protagonista, uma vez que evidencia a experimentação de valores culturais, discursivos e sociais, em curso na ação narrativa. Nos termos que Michel Collot (2012) enuncia o conceito de Geocrítica, isto é, estudar menos os referentes ou as referências de que o texto se nutre e mais as imagens e significações que ele produz, busca-se analisar o conto “O despertar dos mocambos” em vista de observação que acompanha a criação imaginária da “mucambópolis”. Atualmente, a obra josueniana interage tanto com a ampla consulta sociológica, quanto com a abordagem recente da teoria literária. Mais do que revelar a moldura da capital pernambucana, a apreciação do conto “O despertar dos mocambos” oferece a possibilidade de repensar a relação entre a paisagem e a escrita ficcional

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.