Narrativa contemporânea e representação do trabalho em "Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos", de Ana Paula Maia

Gustavo Abílio Galeno Arnt, Karina da Silva Leandro

Resumo


Este artigo apresenta uma investigação acerca da representação do trabalho na literatura contemporânea, especificamente, no romance Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos, de Ana Paula Maia (2009). Tal investigação analisa a construção estético-literária do romance e discute os processos de socialização no Brasil segundo o metabolismo de mediação capitalista na sociedade moderna a partir do contexto ficcional de suas narrativas.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. “Tempo livre”. In: Palavras e Sinais: modelos críticos. Rio de janeiro: ed. Vozes, 1995.

_____. Teoria Estética. Lisboa: Edições 70, 2008.

ALMEIDA, Fábio Portela Lopes de. As origens evolutivas da cooperação humana e suas implicações para a teoria do direito. Rev. Direito GV vol.9 n. 1 São Paulo Jan./June, 2013.

ANDERSON, Perry. O Brasil de Lula. Novos Estudos. Cebrap. N. 91, 2011, p. 23-52.

ANTUNES, Ricardo. A crise, o desemprego e alguns desafios atuais. Serviço Social & Sociedade. N.104, 2010, p. 632-636.

_____. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 3ª ed. São Paulo: Boitempo, 2000.

ANTUNES e SILVA. O avesso do trabalho. São Paulo: ed. Expressão Popular, 2004

BOSI, Alfredo.“Tendências contemporâneas”. In: História concisa da literatura. São Paulo: ed. Cultrix, 1994.

CANDIDO, Antonio. “A nova narrativa”; in: Educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989.

_____. “De cortiço a cortiço”. O discurso e a cidade. 5ª ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2015.

CARDOSO, Adalberto. Uma utopia brasileira: Vargas e a Construção do Estado de Bem-Estar Numa Sociedade Estruturalmente Desigual. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 53, n o 4, 2010, pp. 775 a 819.

CHIARA, Ana Cristina de Rezende. “A origem do mundo: o Naturalismo de Courbet e de Aluízio de Azevedo Vistos a Contrapelo”. In: As partes da maçã: Visões prismáticas do real. Rio de Janeiro: 7Letras, 2011.

DIAS, Ângela Maria. Escrever, escavar: formas da violência na literatura brasileira contemporânea. Revista TB, Rio de Janeiro. 150: 7/20, jul.-set., 2002.

GIL, Fernando. O caráter pendular do herói brasileiro. Literatura e Sociedade, v. 13, São Paulo, p. 132-151, 2010.

_____. Os homens livres pobres e o processo da violência. Revista Olho d’água, v. 3, São Paulo, p. 170-176, 2011b.

HORKHEIMER, Max.“Indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas” in: Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

LUKÁCS, George. “Narrar ou descrever?” in: Marxismo e teoria da literatura. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1968.

MAIA, Ana Paula. Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos. Rio de Janeiro:

Record, 2009.

MELLO, J.M. de; NOVAIS, F. Capitalismo tardio e sociabilidade moderna. São Paulo: Unesp; Facamp, 2009.

MANDEL, Ernest. O capitalismo tardio. São Paulo: Abril cultural, 1982.

MARX, Karl. “A chamada acumulação primitiva” e “Trabalho assalariado e capital”. In: Obras escolhidas de Marx e Engels. Lisboa: ed. Avante, 1982.

MÉSZÁROS, István. Para Além do Capital: rumo a uma teoria da transição. 1ª ed. revista. São Paulo: Boitempo, 2011.

PALMIERO, Martine. Socialização, Trabalho e Cidadania. Politéia: Hist. Soc. Vitória da Conquista, V. 5 n.:1, p225-233.2005.

PELEGRINI, Tânia. As vozes da violência na cultura brasileira contemporânea. Crítica Marxista (São Paulo), Rio de Janeiro, V00, p. 132-153, 2005.

REIS, Carlos. “Espaços da Língua Portuguesa ou os Perigos da Imaginautica”. In: Pelos Mares da Língua Portuguesa 2. 1ª ed. Porto: ed. UA Universidade de Aveiro, 2015.

SANTANA, Marco Aurélio. RAMALHO, José. Sociologia do trabalho no mundo contemporâneo. 3ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

SANTOS, Boaventura de Souza. Direitos humanos: o desafio da interculturalidade. Revista Direitos Humanos; Coimbra, julho de 2009.

ŽIŽEK, SLAVOJ. O ano em que sonhamos perigosamente. Tradução: Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.