Obras autobiográficas indígenas colaborativas: o relato de vida indígena

Juliana Salles

Resumo


Partindo dos estudos da escrita autobiográfica, percebe-se a predominância de narrativas de homens brancos pertencentes às mais altas classes sociais. Com a abertura da concepção tradicional do autobiográfico, pode-se ter acesso a narrativas bastante diversificadas, inclusive as indígenas. Um tipo de narrativa autobiográfica indígena é o relato de vida que, mesmo encenando por si só alguns paradoxos, é uma maneira de os nativos conseguirem que suas vozes alcancem o maior público possível. Os relatos de vida são narrativas contadas oralmente por um indivíduo, o chamado modelo, e ouvidas, transcritas e editadas pelo redator. Esta forma de escrita autobiográfica em colaboração é uma prática que possui registros datados dos séculos XIX e XX, quando religiosos, antropólogos e/ou escritores trabalharam para relatar a experiência de vida dos sujeitos indígenas junto aos seus.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBERT, Bruce; KOPENAWA, Davi. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ASHCROFT, Bill, et al. Post-colonial studies: the key concepts. Nova Iorque: Routledge, 2007.

ALMEIDA, Maria Inês de; QUEIROZ, Sônia. Na captura da voz: as edições da narrativa oral no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica; FALE/UFMG, 2004.

BARNETT, Don. Bobbi Lee Indian Rebel: Struggles of a Native Canadian Woman. Richmond: LSM Press, 1975.

BURGOS, Elizabeth. Meu nome é Rigoberta Menchú e assim nasceu minha consciência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

KRUPAT, Arnold (ed.). Native American Autobiography: an Anthology. Wisconsin: The University of Wisconsin Press, 1994.

LEJEUNE, Philippe. O Pacto Autobiográfico: De Rousseau à Internet. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MARACLE, Lee. Bobbi Lee Indian Rebel. Toronto: Women’s Press, 1990.

PATROCÍNIO, Paulo Roberto Tonani. “Literatura Marginal, uma literatura feita por minorias”. Em: Escritos à Margem. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2013. p. 23-64.

ROSA, Francis Mary Soares Correa da. “A literatura indígena brasileira: um movimento de afirmação política e identitária”. Em: Brasiliana – Journal for Brazilian Studies. Vol. 5, n. 1. Novembro, 2016.

SANDS, Kathleen Mullen. “Collaboration or Colonialism: Text and Process in Native American Women’s Autobiographies”. Em: MELLUS. Vol. 22, n. 4. p. 39-58. Inverno, 1997.

___________. “Narrative Resistance: Native American Collaborative Autobiography”. Em: Studies in American Indian Literatures. Series 2. Vol. 10, n. 1. p. 1-18. Primavera, 1998.

SANTIAGO, Silviano. Uma Literatura nos Trópicos: ensaios sobre dependência cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SMITH, Sidonie; WATSON, Julia. Reading Autobiography: A Guide for Interpreting Life Narratives. Minneapolis: The University of Minnesota Press, 2010.

THIÉL, Janice. Pele silenciosa, pele sonora: a literatura indígena em destaque. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

WONG, Hertha D. Sending my Heart Back Across the Years: Tradition and Innovation in Native American Autobiography. Nova Iorque: Oxford University Press, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.