Apropriação do Fenômeno Poético

Fábio Galera Moreira

Resumo


O tema central de nossa pesquisa buscou questionar o fundamento da investigação literária, procurando dimensionar o que há de mais próprio nesta busca. Para este intento, questionamos o silêncio da linguagem, abordamos a questão da correspondência entre o ser e a linguagem e tratamos da dimensão da verdade da palavra. Essa perspectiva de investigação dialoga diretamente com o pensamento do filósofo Martin Heidegger. Os resultados que pudemos obter mostram que o próprio do fenômeno poético refere-se ao acontecimento da verdade, entendida como alétheia. A obra poética, compreendida segundo uma atitude de apropriação, provoca o obrar da obra numa dimensão em que o fazer humano perde o controle sobre o mostrar-se das palavras, instaurando a poesia num vigor mais essencial do que as categorizações do fenômeno literário.

Palavras-chave: verdade; poesia; acontecimento


Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Obra completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1964.

ARISTÓTELES. Categorias. In: Órganon. Tradução de Edson Bini. Bauru: EDIPRO, 2005.

______. Arte poética. In: Arte retórica e arte poética. 15. ed. São Paulo: Ediouro, 1998.

AZEVEDO, Álvares de. Lira dos vinte anos. São Paulo: Martin Clarete, 2002.

AZEVEDO, Francisco Ferreira dos Santos. Dicionário analógico da língua portuguesa: ideias afins/thesaurus. 2. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. 3.ed. São Paulo: Companhia das letras, 2000.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. V. 1 e V. 2. 8.ed. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: Itatiaia, 1997.

CASTRO, Manuel Antônio. A poética e as poéticas. Disponível no endereço:

otica-e-as-poticas.html>. Acesso em: 10 de outubro de

______. “Mundo, 7”. In: CASTRO, Manuel Antônio de e

outros. Dicionário de Poética e Pensamento. Internet. Disponível no endereço: . Acesso em: 10 de agosto de 2010.

______. O acontecer poético: a história literária. Rio de Janeiro: Antares, 1982.

______. Poética e poiesis: a questão da interpretação. In: Veredas 2, pp:317-340, Porto, 1999.

______. O próprio e os atributos. In: Terceira Margem do Rio, Ano XIV, n. 22, jan-jun. 2010. Rio de Janeiro: Programa de Pós-graduação em Ciência da Literatura, 2010.

COMPAGNON, Antoine. A Literatura. In: O demônio da teoria: Literatura e senso comum. Tradução Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicinoário etimológico da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

DIAS, Cintia Martins. O não-ser em ser e tempo de Heidegger. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998. (Tese de Doutorado)

FARIA, Ernesto. Dicionário escolar latino-português. 4. Ed. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1967.

FOGEL, Gilvan. O desaprendizado do símbolo (a poética do ver imediato) In: Tempo Brasileiro 171, Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: 2007.

HEIDEGGER, Martin. A caminho da linguagem. Trad. Emanuel Carneiro Leão. Petrópolis: Vozes, 2006.

______. A origem da obra de arte. Tradução de Maria da Conceição Costa. Lisboa - Portugal: Edições 70, 1999.

______. A origem da obra de arte. Tradução de Idalina Azevedo e Manuel Antônio de Castro. São Paulo: Edições 70, 2010.

______. Alétheia. In: Ensaios e Conferências. Petrópolis: Vozes, 2002.

______. Da essência da Verdade. In: Ser e verdade: a questão fundamental da filosofia. Tradução de Emmanuel Carneiro Leão. Petrópolis: Vozes, 2007.

______. Der Ursprung des Kunstwerkes. In:Gesamtausgabe: Holzwege. Band 5. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1977.

______. Sein und Zeit. Gesamtausgabe Band 2. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1976.

______. Ser e tempo. Petrópolis, Vozes, 2008.

______. Sobre o humanismo. Introdução, tradução e notas: Emmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1974.

______. Unterwegs zur Sprache. Gesamtausgabe Band 12. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1985.

INWOOD, Michael. Dicionário Heidegger. Tradução Luísa Buarque de Holanda e revisão Márcia de Sá Cavalcante Schuback. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

JARDIM, Antonio. Música: vigência do pensar poético. Rio de Janeiro: 7Letras, 2005.

______. Arte-política na margem: Entrevista com Antonio Jardim. In: Terceira Margem do Rio, Ano XIV, n. 22, jan-jun. 2010. Rio de Janeiro: Programa de Pósgraduação em Ciência da Literatura, 2010.

______. Quando a Paixão é Filosofia. In: CASTRO, Manuel Antônio (org). A construção poética do real. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2004.

LANGENSCHEIDTS. Taschen-w¶rterbuch Portugiesisch. Berlin: Langenscheidt, 1995.

LANGENSCHEIDTS. Groβw¶rterbuch Deutsch als Fremdsprache. Berlin: Langenscheidt, 2008.

LIMA, Luiz Costa. O princípio-corrosão na poesia de Carlos Drummond de Andrade. In: Lira e Antilira: Mário, Drummond, Cabral. 2. ed. Revista. Rio de Janeiro: Topbooks, 1995.

MERQUIOR, José Guilherme. Verso universo em Drummond. Tradução Marly de Oliveira. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1976.

MORA, José Ferrater. Diccionario de filosofia. Tomo I e II. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1965.

PLATÃO. A República. São Paulo: Martin Claret, 2002.

PORTELA, Eduardo. Fundamento da investigação literária. Rio de janeiro: Tempo Brsileiro, 1974.

SAMUEL, ROGEL. Manual de teoria literária. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

RUIN, Hans. O silêncio da filosofia. In: SCHUBACK, Márcia de Sá Cavalcante (Org). Por uma fenomenologia do silêncio. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1996.

SANT'ANNA, Affonso Romano de. Drummond, o gauche no tempo. Rio de Janeiro: Lia, 1972.

SANT'ANNA, Affonso Romano de. O projeto poético drummondiano. In: Seminário: Carlos Drummond de Andrade, 50 anos de alguma poesia. Belo Horizonte, 1981. (Conselho Estadual de Cultura de Minas Gerais)

ULENBROOK, Jan. Haicais: poesia do Japão. Trad. Geir Campos. Rio de Janeiro: Ediouro, 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.