Nauro Machado: A Introspecção Poética E O Fluxo Da Memória

Valderi Ximenes de Meneses

Resumo


O estudo da memória é um campo recentemente explorado. Deu seus primeiros passos de investigação científica no presente século, apresentando total desvinculação de uma sustentação analítica embasada nas Ciências Sociais. O estudo da memória foi inicialmente objeto de investigação filosófica na figura de Bergson, e de investigação da psicologia-pasicanálise de Freud. Para o primeiro, sempre existe, de certa maneira, alguma coisa atrás de nós, a Vida atrás de nossa vida, o elã vital sob nossos impulsos, ou seja, nossa plenitude. Nosso passado inteiro também vela atrás de nosso presente, e é por ser antigo, profundo, rico e pleno que o eu tem uma ação verdadeiramente real. Sua originalidade vem de sua origem. Ela é lembrança, não descoberta. Em sua doutrina da interioridade substancialista, Bergson afirma que estamos ligados a nós mesmos e nossa ação presente não tem como ser descosida e gratuita; deve sempre exprimir nosso eu, assim como uma qualidade exprime uma substância

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? E outros ensaios. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos Editora, 2009.

AMORA, Antonio Soares. Introdução à Teoria da Literatura. Cultrix: São Paulo, 1999.

BENJAMIM, Walter. Sobre o conceito de História. In: magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história. São Paulo, Brasiliense, 1994.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. Trad. Paulo Neves da Silva, Martins Fontes, 1990.

BRASIL, Assis. A poesia maranhense no Século XX. Rio de Janeiro: Imago Ed. São Luís, MA: SIOGE, 1994.

CÃNDIDO, Antônio. Formação da literatura brasileira. São Paulo, Martins, 1964.

EZRA, Pound. ABC da literatura. São Paulo: Cultrix, 2002.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. Laurent Leon Schaffer, São Paulo, Vértice, 1990.

LE GOLFF, Jacques. História e memória. Trad. Bernardo Leitão. Campinas, SP: editora da UNICAMP, 1994.

LUIJPEN, W. Introdução à Fenomenologia existencial. EPU. São Paulo, 1973.

MACHADO, Nauro. Funil do Ser. São Luís: EDUFMA, 1995.

MONTEIRO FILHO, José Varão. Diário Oficial do Estado do Maranhão. Agosto, 1995.

PERALTA, Elsa. Abordagens teóricas no estado da memória social: uma resenha Crítica.

SOARES, Angélica. Transparências da memória: estórias de opressão; diálogos com a Poesia brasileira contemporânea de autoria feminina. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.