As veias, as vinhas da Lavoura

Sheila Machado

Resumo


Muitas foram as razões que nos fizeram parecer especialmente destacável o vinho, entre os variados e ricos recursos representativos do romance Lavoura Arcaica. A força simbólica deste elemento abre caminhos para múltiplas interpretações e leituras acerca dos personagens, das relações que guardam entre si, dos espaços que preenchem, dos discursos que interiorizam. Lavoura Arcaica, como o vinho, promove um trajeto rumo ao entorpecimento. Gera prazer, inquietação, fascínio, êxtase. Embebidos nesta ambiência, desenvolvemos nosso trabalho.


Texto completo:

PDF

Referências


CERQUEIRA, Ana Lúcia Silveira. O vinho no amor e no campo. In: BASTIAN, Vera

Regina Figueiredo & PESSANHA, Nely Maria (Orgs) Vinho e Pensamento, Rio de

Janeiro, Tempo brasileiro, 1991, pp 131-141.

CHEVALIER, Jean & GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos (Mitos, Sonhos,

Costumes, Gestos, Formas, Figuras, Cores, Números). Rio de janeiro: José Olympio

Editora , 1990.

NASSAR, Raduan. Lavoura Arcaica. 3ª ed . São Paulo: Companhia das letras, 2001.

MELLO, Suzanna Teixeira Mendes de. A presença dionisíaca na tragédia grega: os

diversos níveis da expressão do mito em Eurípedes. In : BASTIAN, Vera Regina

Figueiredo & PESSANHA, Nely Maria (Orgs) Vinho e Pensamento, Rio de Janeiro,

Tempo brasileiro, 1991, pp 41-46.

MOLLO, Helena Miranda. Vinho e Metamorfose. In: BASTIAN, Vera Regina Figueiredo

& PESSANHA, Nely Maria (Orgs) Vinho e Pensamento, Rio de Janeiro, Tempo brasileiro, 1991, pp 262-267.

STARLING, Maria Adília Pestana de Aguiar. Dioniso, deus das representações dramáticas. In: BASTIAN, Vera Regina Figueiredo & PESSANHA, Nely Maria (Orgs) Vinho e

Pensamento, Rio de Janeiro, Tempo brasileiro, 1991, pp 17-21.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.