A QUESTÃO DO SAGRADO NO LABIRINTO DE CRETA

Diogo dos Santos Silva

Resumo


O mito helênico do Labirinto de Creta foi explorado e pensado durante diferentes fases da história da literatura ocidental. Seu encanto e sua perplexidade foram o mote de diversos poetas e filósofos. Esta comunicação visa à investigação do mito através da análise de dois eventos: o da katábasis, a descida às zonas ínferas, e o da tauroctonia, o sacrifício do touro celestial. Estes dois eventos constituíam importantes rituais para os povos antigos. Seja no culto trazido da Pérsia, pelos soldados, a Roma - o Mitraismo -, seja na Demanda do Santo Graal, seja no Épico de Gilgamesh ou no mito de Sigurd, encontramos tais eventos nos mitos fundadores de diferentes culturas. Através da análise em fontes celta, germânica, hindu e assíria, tentaremos reconstituir estes antigos ritos e o seu valor religioso para os povos antigos, resgatando assim o valor sagrado do labirinto cretense e dos personagens envolvidos: Ariadne, Dioniso, o Minotauro, Pasífae, Talos e o grande herói ateniense, Teseu. Este texto visa a investigação deste mito através da análise de dois eventos: o da katábasis, a descida às zonas ínferas, e o da tauroctonia, o sacrifício do touro celestial.

Palavras-chave: Labirinto -- Touro Celestial -- Katábasis - Tauroctonia


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.