Morte, GeÌ‚nero e o conto “Desalento”

Fernanda Fadigas

Resumo


Para quem acredita em literatura feminina o conto “Desalento”, de Tatiana Levy, com certeza pode apresentar um conjunto de elementos constitutivos do geÌ‚nero, inscrito no aÌ‚mbito do “universo da mulher”, da maternidade, da solidão peculiar das pequenas famiÌlias modernas em que novos papeÌis destinados ao feminino são chamados a dar testemunho. Neste caso, poreÌm, para aleÌm da desventura singular, do desalento vivido pela personagem, o texto trata de um assunto tão universal quanto absoluto: trata da morte, inerente a todo ser vivo independente a que sexo pertença, a que classe, reino, sociedade, etnia, ou qualquer outra marca que o limite. Sendo assim, se cada criatura deve viver e experienciar os eventos proÌprios da existeÌ‚ncia que lhes forem cabiÌveis, histoÌricos e psicoloÌgicos, poliÌticos e culturais, reais e imaginaÌrios, felizes e funestos, bem-aventurados ou interrompidos pela fatalidade - como ocorre com a personagem do conto -- e, principalmente, se o horizonte uÌltimo, inevitaÌvel, da obra de ficção remeteria ao humano, indistintamente humano, poderiÌamos nos perguntar se haveria, realmente, (e qual, e por que seria?) a grande dessemelhança, a disparidade cabal, evidente, comprobatoÌria, no modo de sentir, de ver, de reagir, de ler e de escrever entre homens e mulheres, capaz de restringir e fechar os contornos de uma literatura de autoria feminina hoje. 


Texto completo:

PDF

Referências


FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8a.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ISER, Wolfgang. O fictiÌcio e o imaginaÌrio. Rio de Janeiro: Eduerj, 1996.

LEVY, Tatiana Salem. Desalento in: 25 Mulheres que estão fazendo a Nova Literatura

Brasileira. Org. Luiz Ruffato, Ed. Record, RJ/SP 2004.

NIETZSCHE, Friedrich. Sobre Verdade e Mentira no sentido Extra-moral, 1873 in: Os Pensadores São Paulo: Victor Civita, 1983.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.