Fúria e exílio -- Sobre Salman Rushdie e outros imigrantes

Daniela Birman

Resumo


Análise do romance Fúria, de Salman Rushdie, a partir das noções de exilado, estrangeiro e desenraizado, tal como elas foram formuladas, respectivamente, por Said, Blanchot e Todorov. Pretende refletir sobre as subjetividades da ficção contemporânea.

Referências


Teoria:

BIRMAN, D. Escrita e simulação: Sobre a literatura em Foucault. ECO/UFRJ, 1999.

BLANCHOT, M. L'entretien infini. Paris, Gallimard, 1969.

______________ L'espace littéraire. Paris, Gallimard, 1994.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. São Paulo, Martins Fontes, 1987.

______________Dits et écrits I. Paris, Gallimard, 1994.

SAID, E. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. São Paulo, Companhia das Letras, 2003.

________Cultura e política. São Paulo, Boitempo, 2003.

TODOROV, T. O homem desenraizado. Rio de Janeiro, Record, 1999.

Literatura:

RUSHDIE, S. Fúria. São Paulo, Companhia das Letras, 2003.

___________ O chão que ela pisa. São Paulo, Companhia das Letras, 1999.

___________Os versos satânicos. São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

Periódicos:

BIRMAN, D. “O buraco da ausência de Deus”. In: O Globo, Segundo Caderno. Rio de Janeiro, 16 de maio de 2003.

COLMAN, M; GAZIER, M. “Document magazine”. In: Telérama no 2700, outubro de 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.