O grotesto em Baudelaire

Valerio Medeiros

Resumo


O ensaio procura identificar, a partir da obra poética e de algumas reflexões estéticas de Charles Baudelaire (1821-1867), ocorrências do grotesco, recurso estilístico de grande força imagética que revela um olhar moderno sobre o mundo e o próprio fazer poético.

Palavra-chave: Grotesco, Baudelaire, Modernidade


Texto completo:

PDF

Referências


BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Trad. Jamil Almansur Haddad. São Paulo: Círculo do Livro, s/d.

____________________ . As flores do mal. Trad. Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

____________________. Meu coração desnudado. Trad. Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.

____________________. Pequenos poemas em prosa. Trad. Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 3 ed., 1976.

HUGO, Victor. Do grotesco e do sublime. Prefácio de Cromwell. Trad. Célia Berrettini. São Paulo: Perspectiva, 2 ed., 2002.

KAYSER, Wolfgang. O grotesco. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 1986.

LINS, Vera. Crítica e utopia nos escritos de Gonzaga Duque: uma terceira margem do moderno. Publicado em Qfwfq/Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Vol. 2,

n. 1, 1996. Rio de Janeiro: UERJ, 1996, pp. 78-88.

PROUST, Marcel. A propósito de Baudelaire. in: Nas trilhas da crítica. Trad. Plínio Augusto Coelho. São Paulo: Edusp, 1994.

ROSENFELD, Anatol. A visão grotesca. in: Texto/contexto. São Paulo: Perspectiva, 1976.

VALÉRY, Paul. Situação de Baudelaire. in: Variedades. Trad. Maiza Martins de Siqueira. São Paulo: Iluminuras, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.