Caminhos cruzados x Atitudes opostas Imagens eróticas em Lucíola e Tereza Batista cansada de guerra

Viviane Arena Figueiredo

Resumo


Meretriz, rameira, mulherdama, cortesã, prostituta ... São muitos os nomes que designam um dos mais antigos ofícios do mundo. Como centro das atenções, mulheres. Mulheres que fazem de seus corpos instrumento de trabalho, demonstrando tratar o sexo com naturalidade. Ao oferecer prazer e realizar fantasias, a figura dessas mulheres mexe com o nosso imaginário erótico. Sempre disponíveis ao prazer, elas exercem uma espécie de fascínio que torna o mundo da prostituição envolto em mistérios.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBERONI, Francesco. Enamoramento e amor. Trad. De Ary Gonzalez Galvão, Rio de Janeiro:

Rocco, 1990;

____. O erotismo. Trad. de Élia Edel, Rio de Janeiro: Rocco, 1997;

ALENCAR, José de. Lucíola. 27ª ed. Rio de Janeiro: Ática, 2002;

AMADO, Jorge. Tereza Batista cansada de guerra. 15ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1981;

BATAILLE, Georges. O erotismo. Trad. de Antônio Carlos Viana, Porto Alegre: L&PM, 1987;

BRECHT, Bertold. Antologia poética de Bertold Brecht. Trad. de Edmundo Moniz, 3ª ed. Rio de

Janeiro, 1982;

FILHO, Deneval Siqueira de Azevedo. Holocausto das fadas: a trilogia obscena e o Carmelo bufólico

de Hilda Hilst. São Paulo: Anablume: Edufes, 2002;

MARCUSE, Herbert. Eros e civilização. Trad. de Álvaro Cabral, 8ª ed. Rio de Janeiro: LTC editora.

ROSSIAUD, Jacques. A prostituição na Idade Média. Trad. de Cláudia Schilling, Rio de Janeiro: Paz e

Terra, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.