“Lembranças de morrer”: representações da morte e dos mortos na estética romântica

Fabíola Santana

Resumo


No século XIX, os epitáfios eram utilizados como gênero do discurso literário. Chama-nos atenção, nesse caso, o deslocamento do lugar de enunciação desse tipo de prática para um outro domínio de discurso. O escapismo, a evasão da realidade foi uma atitude característica do discurso romântico, e vários foram os recursos dos quais se valeram os artistas desse período. Dentre eles, apresentamos o que interessa ao propósito desta pesquisa: a fuga na morte.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Castro. Poesias completas. Rio de Janeiro: Ediouro, 1995

AZEVEDO, Álvares de. Lira dos vinte anos. São Paulo:Melhoramentos, 1999.

BAZERMAN, Charles. Gêneros textuais, tipificação e interação. São Paulo: Cortez, 2005.

BILAC, Olavo et PASSOS, Guimaraens.1905.Tratado de versificação. Rio de Janeiro: Editoração eletrônica Ana Luiza Nunes, Paula Mendes Abelaira.

DEVITT, Amy. Writing genre. Carbondale, USA: Southern Illinois University Press, 2004.

D'ONOFRIO, Salvatore. Teoria do texto 2: teoria da lírica e do drama. São Paulo: Ática, 1995.

FEATHERSTONE, Mike. O desmanche da cultura: globalização, modernismo e identidade. Trad. Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Studio Nobel, 1997.

ISER, Wolfgang. O fictício e o imaginário. Trad. Bluma Waddington Vilar. In: ROCHA, João Cezar de Castro (org.). Teoria da ficção: indagações à obra de Wolfgang Iser. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1999.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. 6. ed. São Paulo: Cultrix, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.