A “Significação do Insignificante” em Benjamin e em Freud

Maria Síliva Antunes Furtado

Resumo


O artigo tem por objetivo analisar a correlação do pensamento benjaminiano com o pensamento freudiano, no que concerne à importância dada aos restos, aos resquícios em ambos. Tomando como base deste trabalho o estudo do fragmento “Armários”, um dos textos centrais de Infância berlinense por volta de 1900, vamos recorrer apenas aos aspectos da obra de Benjamin e Freud que corroborem com essa investigação.

Texto completo:

PDF

Referências


Benjamin, Walter. Armários. In: Rua de mão única. Obras Escolhidas III. 5ª reimpressão. São Paulo: Editora Brasiliense, 2011.

_______________. A imagem de Proust. In: Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas I. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

BENVENSTE, Émile. Comunicação animal e linguagem humana. In:

Problemas de Lingüística Geral I. São Paulo: Editora Pontes, 1991.

FREUD, Sigmund. Edição standart das obras completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1987.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Por que um mundo todo nos detalhes do cotidiano? In: História e cotidiano em Walter Benjamin. Revista USP, set/out, 1992. Dossiê Walter Benjamin.

LACAN, Jaques. A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

________________ .De um Outro ao outro. Trad. Vera Ribeiro. Rio de janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

ROUANET, Sérgio Paulo. Origem do drama barroco alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

_______________. Édipo e o anjo: itinerários freudianos em Walter Benjamin. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.