Vasto mar de Sargaços: a poesia, a identidade e o mar caribenhos

Viviane de Freitas

Resumo


Esse trabalho explora o espaço físico e simbólico do mar no romance Vasto Mar de Sargaços, da escritora dominicana Jean Rhys (1890 – 1979). A imagem do mar, presente desde o título, ocupa uma posição central no romance de Rhys. Esse espaço é abordado neste trabalho a partir da interlocução com reflexões e teorias de escritores que colocam em primeiro plano a especificidade geográfica, histórica e cultural das ilhas do arquipélago do Caribe e a necessidade crucial de forjar uma poética/uma linguagem que possa dar voz ao(s) discurso(s) caribenho(s). Ao dirigirem o foco da atenção para o espaço marinho, eles privilegiam o mar como constituinte da identidade caribenha, a sua linguagem e sua poesia. O diálogo entre o romance Vasto Mar de Sargaços e as elaborações desses escritores permite articular questões relacionadas à cultura e à identidade caribenhas, assim como às dimensões da experiência histórica e social caribenhas a partir de novos paradigmas, desafiando os dogmas e métodos eurocêntricos e contestando as estratégias retóricas que insistem na concepção de identidade apoiada na ideia de nação e no sentido absoluto da diferença étnica e racial. Desse modo, tanto o romance quanto os trabalhos desses escritores caribenhos acenam para outras possibilidades de conceber a identidade.

Palavras-chave


Identidade caribenha; Mar; Vasto Mar de Sargaços

Texto completo:

PDF

Referências


ANGIER, C. Jean Rhys. Londres: Penguin Books, 1992.

ASHCROFT, B; GRIFFITHS, G.; TIFFIN, H. The empire writes back: theory and practice in post-colonial literatures. 2. ed. London/New York: Routledge, 2002.

BENÍTEZ-ROJO, A. La isla que se repite: el Caribe y La perspectiva posmoderna. Hanover: Ediciones del Norte, 1989.

______. The repeating island: the Caribbean and the post-modern perspective. Trad. James Maraniss. 2. ed. London: Duke University Press, 1996.

BERNABÉ, J.; CHAMOISEAU, P.; CONFIANT, R. In praise of creoleness. Callaloo, Baltimore: The Johns Hopkins University Press, v. 13, n. 4, p. 886-909, autumn, 1990. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2017.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila, Eliana Reis e Gláucia Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BRATHWAITE, E. K. Nation language. In: ASHCROFT, B.; GRIFFITHS, G.; TIFFIN, H. The post-colonial studies reader. London: Routledge, 1995, p. 309-313.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Trad. Ana Lúcia Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. v. 1. São Paulo: Editora 34, 1995.

GENETTE, G. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Trad. Cibele Braga et al. Belo Horizonte: Edições Viva Voz, 2010.

GLISSANT, E. Caribbean discourse. Trad. J. Michael Dash. Charlottesville: University of Virginia Press, 1989.

______. Poetics of relation. Trad. Betsy Wing. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2010.

GLOSSÁRIO DE DERRIDA. Org. Departamento de Letras PUC-Rio. Supervisão geral Silviano Santiago. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora, 1976.

HARRIS, W. Wilson Harris. Literary Encyclopedia. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

_______. The womb of space: the cross-cultural imagination. Westport, Conn.: Greenwood P., 1983.

PEREIRA, J. C. M. S. À flor da terra: o cemitério dos pretos novos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2007.

PIZARRO, A. El archipiélago de fronteras externas: culturas del Caribe hoy. Santiago de Chile: Editorial de la Universidad de Santiago, p. 2002.

RHYS, J. Wide Sargasso Sea. Notas e introd. Angela Smith. London: Penguin, 1997.

______. Vasto Mar de Sargaços. Trad. Léa Viveiros de Castro. Introdução: Carla Pontílio. Rio de Janeiro: Rocco, 2012.

SELVON, S. An island is a world. London: Allan Vingate, 1993.

SHAKESPEARE, W. A tempestade. Trad. Bárbara Heliodora. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 interFACES