Natureza, palavras e artefatos cerâmicos: atores construtores do presente/futuro dos índios Mbyá-Guarani

Franklin da Silva Alonso

Resumo


Como resultado de uma pesquisa feita entre os anos de 2012 a 2014 para o Mestrado em Arte, Cultura e Cognição na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, estudei a cerâmica dos índios Mbyá-Guarani em sua aldeia em Niterói, Rio de Janeiro. Observando haver certa escassez da sua arte oleira, busquei entender o porquê de tal fato para então revitalizar essa prática através de oficinas com suas crianças, valorizando aspectos endógenos importantes para fortalecer a sua etnicidade

Palavras-chave


Mbyá-Guarani; Cerâmica; Educação; Identidade

Texto completo:

PDF

Referências


BARÃO, Vanderlise Machado. O mito e o espaço nas representações artístico-culturais do Mbyá Guarani. Revista História em reflexão. Dourados, vol. 1, n. 2. p. 1-15, jul./dez., 2007.

BORGES, Luis C. O Sol no/do olhar do outro. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e ciências afins, 1995.

ELIAS, Marisa Del Cioppo. Célestin Freinet: uma pedagogia de atividade e cooperação. Petrópolis: Vozes, 1997.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos, 1989.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônios. Revista Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 15-36, jan./jun. 2005.

LADEIRA, Maria Inês. Espaço geográfico Guarani-Mbyá: significado, construção e uso. Maringá: Eduem; São Paulo: Edusp, 2008.

LAGROU, Els. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

MARQUES, Roberta Porto. Cachimbos Guarani: uma interpretação etnoarqueológica. Porto Alegre: UFRGS, 2009. (Dissertação de Mestrado).

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. Tradução Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

MELIÁ, Bartolomeu. A história de um guarani é a história de suas palavras. Entrevista concedida a Patrícia Fachin. Tradução de Moisés Sbardelotto. Revista do Instituto Humanitas Unisinos on-line, ano 10, maio 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2012.

MONTICELLI, Gislene. O céu é o limite: como extrapolar as normas rígidas da cerâmica Guarani. Boletim do Museu do Pará Emílio Goeldi. Belém, vol. 2, n. 1, p. 105-115, jan./abr. 2007.

PISSOLATO, Elisabeth. A duração da pessoa: mobilidade e xamanismo Mbya (Guarani). São Paulo: Ed. UNESP, ISA; Rio de Janeiro. NuTI, 2007.

TOCCHETTO, Fernanda Bordin. Possibilidade de interpretação do conteúdo simbólico da arte gráfica Guarani. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, n. 6, p. 33-45, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 interFACES