Aspirações Etnográficas sobre o Futebol de Base no Brasil

Júlio César Jatobá Palmiéri

Resumo


Os jogadores de futebol são possuidores de talentos variáveis, o que os distingue numa escala mercadológica que dinamiza sua circulação pelo mundo do futebol, por assim dizer. A noção de fabricação do dom futebolístico, ou capacidade para se jogar futebol, relacionada à fabricação da “pessoa futebolista”, é construída aos poucos, de modo que devemos estar atentos aos momentos em que os atletas se encontram nas carreiras. Assim, o dom futebolístico, como uma representação, é acionado por diferentes atores, de diferentes formas, em diferentes momentos, a depender da configuração que se apresenta no percurso da carreira, estando sujeito continuamente às alterações e interpretações variadas. Este trabalho apresenta uma breve discussão com o intuito de aprofundar a compreensão da lógica pela qual se dá tal processo de produção e circulação de jogadores e entender como valores são gerados a partir deste processo, debatendo alguns conceitos utilizados, como técnica, linhas e trajetória.

Palavras-chave


Jovens futebolistas; Produção; Circulação; Valorização

Texto completo:

PDF

Referências


BATESON, Gregory. Naven: um exame dos problemas sugeridos por um retrato compósito da cultura de uma tribo da Nova Guiné, desenhado a partir de três perspectivas. Trad. Magda Lopes. São Paulo: Edusp, 2008.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, M.M. & AMADO, J. (coord.) Usos e Abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1996. p. 183-191.

DAMO, Arlei. Do dom à profissão: a formação de futebolistas no Brasil e na França. São Paulo: Aderaldo & Rothschild Ed. Anpocs, 2007.

DELEUZE & GUATTARI. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Trad. Ana Lúcia de Oliveira et alli. v. 1, 2, 3, 4, 5. São Paulo: Editora 34, 1995.

GELL, Alfred. Art and agency: an anthropological theory. New York: Oxford University Press, 1998.

GRAEBER, David. Toward an anthropological Theory of Value: the false coin of our dreams. New York: Palgrave, 2001.

INGOLD, Tim. The Perception of the Environment: essays on livelihood, dwelling and skill. New York: Routledge, 2002.

______. Lines: a brief history. New York: Routledge, 2007.

______. Being Alive: essays on movement, knowledge and description. New York: Routledge, 2011.

______. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Trad. Letícia Cesarino. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 18, n. 37, p. 25-44, jan/jun, 2012.

LÉVI-STRAUSS, Claude. A antropologia diante dos problemas do mundo moderno. Trad. Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MARCUS, George. Identidades passadas, presentes e emergentes: requisitos para etnografias sobre a modernidade no final no século XX ao nível mundial. Revista de Antropologia. USP, v. 34, p. 197-221, 1991.

______. Ethnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnography. Annual Review of Anthropology, Palo Alto, California, v. 24, p. 95-117, 1995.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. Trad. Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

PALMIERI, Júlio C. J. Quanto vale um talento? Uma análise antropológica sobre a valorização e circulação dos jogadores de futebol profissional no mercado esportivo. Dissertação de mestrado apresentada junto ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS-UFSCar), 2009.

PEIRANO, Mariza. Antropologia no Brasil (Alteridade Contextualizada). In: Miceli, Sérgio (org.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995), v. 1, Antropologia. São Paulo: Editora Sumaré (Anpocs), 1999. p. 225-266.

TARDE, Gabriel. Monadologia e Sociologia. Trad. Tiago Themudo. Petrópolis: Vozes, 2003.

TOLEDO, Luiz Henrique. Lógicas no futebol. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2002.

WACQUANT, Loïc. Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Trad. Angela Ramalho. Rio de Janeiro: RelumeDumará, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 interFACES