Memória musical e arquivos

Vanda Bellard Freire

Resumo


O presente artigo, a partir de observações sobre memória musical brasileira e sobre arquivos e acervos de música, dá especial destaque ao Arquivo de Manuscritos Musicais da Biblioteca Alberto Nepomuceno da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ufrj). As observações derivam em grande parte da experiência da autora em seu trabalho junto ao arquivo da ufrj e expressam uma valorização da dimensão social dos arquivos, entendidos como aspectos importantes na memória coletiva, ultrapassando os limites físicos de seus acervos. O artigo aborda aspectos relativos à metodologia da pesquisa no tratamento de acervos, segundo uma perspectiva da musicologia histórica, e descreve aspectos diversos ligados ao acervo do Arquivo de Manuscritos da Biblioteca Alberto Nepomuceno. Finalmente, são incluídas observações quanto às possibilidades dos arquivos musicais brasileiros, a partir do aprimoramento de suas condições de armazenamento e organização, contribuírem para a difusão da informação e para a historiografia da área de música brasileira.

Palavras-chave


Arquivos; Memória; Música brasileira; História cultural

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, Maria Manuel. De Alexandria a Xanadu. Coimbra: Quarteto, 2002.

BURKE, Peter (org.). A escrita da história. São Paulo: USP, 1992.

CATROGA, Fernando. Memória, história e historiografia. Coimbra: Quarteto, 2001.

COTTA, André Guerra. Descrição e recuperação de fontes para a pesquisa musicológica no Brasil. In: I Colóquio Brasileiro de Arquivologia e Edição Musical, 2003, Mariana. Mariana: Fundação Cultural e Educacional da Arquidiocese de Mariana, 2004, p. 105-120.

ENCICLOPÉDIA DA MÚSICA BRASILEIRA. 2ª. Ed. São Paulo: Art, 1998.

FRANQUEIRA, Ana. Uma questão de tempo. Páginas: Arquivos e Bibliotecas, n. 12. Lisboa: Gabinete de Estudos Arquivos e Bibliotecas, p. 79-90, 2003.

FREIRE, Vanda L. Bellard. A história da Música em questão – uma reflexão metodológica. Fundamentos da Educação Musical. Porto Alegre. ABEM/ UFRGS, 1994, v. 2, p.113-135.

______. A Ópera no Rio de Janeiro Oitocentista e o Nacionalismo Musical Brasileiro. Interfaces, n. 2, p. 105-112, 1996.

______. Um Resgaste da Memória Musical Brasileira – O projeto registro patrimonial de manuscritos do Arquivo de Obras Raras da Escola de Música da UFRJ. Opus (Revista da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música). Ano 9, n. 8. São Paulo: ANPPOM, 2002. Disponível em: www.anppom.iar.unicamp.br.

______. Óperas em português: ideologias e contradições em cena. In: VOLPE, Maria Alice (org.). Atualidade da Ópera. (Série Simpósio Internacional de Musicologia da UFRJ, vol, 1). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Música, Programa de Pós-graduação em Música, 2012, p. 303-315.

MATTOS, Ilmar R. O Tempo Saquarema. São Paulo: Hucitec / MINC, 1987.

NEVES, José Maria. Arquivos de Manuscritos Musicais Brasileiros: breve panorama – Recuperação e propostas para uma sistematização latino-americana. In: Anais do I Simpósio Latino-Americano de Musicologia, Curitiba, 1997. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1998, p. 137-163.

ROEGIERS, Jan. Integrated resource discovery and access of manuscript materials – the user perspective. Páginas: Arquivos e Bibliotecas, n. 1. Lisboa: Gabinete de Estudos Arquivos e Bibliotecas, p. 67-78, 2003.

ROSSATO, Janine Inez. In: Magalhães, Aline Montenegro & Bezerra, Rafael Amorano (org.). Museus Nacionais e os desafios contemporâneos. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2011.

SILVA, Armando Malheiro da. Arquivos de Família e Pessoais. Bases teórico-Metodológicas para uma abordagem científica. In: 1º. Seminário Arquivos de Família e Pessoais 1 1997, Vila Real (Portugal). Arquivos de Família e Pessoais. Bases teórico-Metodológicas para uma abordagem científica. Vila Real (Portugal): Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, 1997, p. 51-106.

VOVELLE, Michel. Ideologias e mentalidades. São Paulo: Brasiliense, 1978.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 interFACES