Visconti e suas primeiras encenações operísticas

Mauro Porru

Resumo


As três primeiras óperas líricas encenadas por Luchino Visconti no teatro Scala de Milão, através de sua força representativa, constituem um espaço privilegiado para a análise do itinerário criativo do diretor milanês que, em continua busca de sensações e experiências novas, é responsável por um sem-número de inovações introduzidas no melodrama. O exercício artístico de Visconti no campo da lírica raramente foi aceito pela crítica tradicional, incapaz de aceitar a concepção viscontiana de melodrama visto não mais simplesmente como um drama musicado, mas como uma experiência sensitiva total através da sugestão de imagens, cores, movimentos e palavras.

Palavras-chave


Visconti; Melodrama; Crítica.

Texto completo:

PDF

Referências


CALLEGARI, Giuliana & LODATO, Nuccio. Leggere Visconti. Pavia: Amministrazione provinciale, 1976.

COELHO MACHADO, Lauro. Ópera clássica italiana. São Paulo: Perspectiva, 2003.

COSTANTINI, Costanzo. L’ultimo Visconti. Milano: Sugarco, 1976.

D’AMICO, Fedele. I casi della musica. Milano: Il Saggiatore, 1962.

D’AMICO DE CARVALHO, Caterina. Luchino Visconti e il suo tempo. Milano: Electa, 2006.

_____. Luchino Visconti e il melodramma verdiano. Milano: Mazzotta, 2001.

FERRERO, M. et al. Storia dell’opera italiana, parte II. Torino: EDT, 1988.

RENZI, Renzo. Visconti segreto. Bari: Laterza, 1994.

RONCAGLIA, Gino. Invito all’opera. Milano: Tarantola, 1954.

RONDOLINO, Gianni. Visconti. Torino: UTET, 1981.

SCHIFANO, Laurence. I fuochi della passione. Milano: Longanesi, 1988.

VISCONTI, Luchino. Il mio teatro, vol. II. Bologna: Cappelli Editore, 1979.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 interFACES