O TRAJE DE BAIANA DO CARNAVAL: UM CADINHO CULTURAL

Fausto Viana, Maria Eduarda Andreazzi Borges

Resumo


O artigo investiga e analisa as inúmeras influências que compõem o traje da ala das baianas de uma escola de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro ou de São Paulo, que é composta por cinquenta a oitenta pessoas. Todos os trajes devem ser iguais e a sua confecção perfeita em todos os detalhes. Neste traje que vai para a avenida se encontram influências africanas, muçulmanas, francesas e portuguesas, além de ser um produto resultante das ligações sociais, políticas e econômicas estabelecidas no Brasil por comunidades negras desde o século XVI, mas principalmente no século XIX. As principais referências teóricas são LODY (2015) e BOUCHER (2010).


Palavras-chave


Traje de baiana; carnaval; Grupo Especial; Fantasia; Traje de cena

Texto completo:

PDF

Referências


BOUCHER, François. História do vestuário no ocidente. Trad. André Telles. São Paulo: Cosac Naif, 2010.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. São Paulo: Ediouro, 1972.

CUNHA, Laura. Joias de crioula. São Paulo: Terceiro Nome, 2011.

ECHEVERRIA, Regina. A história da Princesa Isabel: amor, liberdade e exílio. Rio de Janeiro: Versal Editores, 2014.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da música popular brasileira. Volume II. 2a. ed. Rio de Janeiro: Funarte, 2007.

______. Figuras e coisas do carnaval carioca. 2a. ed. Rio de Janeiro: Funarte, 2007.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. São Paulo: Global Editora, 2014.

GODOY. Solange de Sampaio. Círculo das Contas: joias de crioulas baianas. Salvador: Fundação Museu Carlos Costa Pinto, 2006.

HAAG, Carlos. Uma “Redentora” em busca de redenção: a polêmica “política de coração” da princesa Isabel. Revista FAPESP História. São Paulo, ed. 152, p. 84-89, outubro 2008. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/ 2008/10/01/uma-redentora-em-busca-de-redencao/. Acesso em 13 Jun. 2020.

IPAC (org.). Cadernos do IPAC: o pano da costa. Salvador: Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia, 2009.

LAVER, James. A Roupa e a Moda. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

LODY, Raul. Moda e história: as indumentárias das mulheres de fé. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2015.

MEIRELES, Cecília. Batuque, samba e macumba: estudos de gesto e de ritmo, 1926-1934. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1983.

MOURA, Roberto. Tia Ciata e a pequena África no Rio de Janeiro. 2a. ed. Rio de Janeiro: Coleção Biblioteca Carioca, 1995.

OLIVEIRA. Madson. As fantasias para escola de samba. In: VIANA, Fausto ; BASSI, Carolina (Orgs.). Traje de cena, traje de folguedo. São Paulo: Estação das Letras e Cores Editora, 2014, p. 320-331.

PEIXOTO, Ana Lúcia Uchoa et al. Catálogo do Museu do Traje e do Têxtil. Salvador: Fundação Instituto Feminino da Bahia, 2003.

SILVA, Rosyane Maria da. Iqhiya: um olhar sobre o significado e a simbologia do uso de turbantes por mulheres negras. Artigo de conclusão de curso no Centro de Estudos Latino Americanos sobre Cultura e Comunicação da Escola de Comunicações e Artes. São Paulo, junho 2017. Disponível em: https://paineira.usp.br/celacc/sites/default/files/media/tcc/iqhiyaversaartigo_0.pdf. Acesso em 12 Jun. 2020.

VENTOSA, Sílvia (org.). Dressing the body- silhouettes and fashion - 1550-2015. Barcelona: Museo Del Disseny, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 interFACES