E SE ESSA FANTASIA FOSSE ETERNA? UM ESTUDO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AS DATAS DO CARNAVAL E A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO DA FESTA

Tiago Luiz Santos Ribeiro

Resumo


A partir da proposta da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro de estabelecer “50 dias de carnaval” em 2020, este artigo visa observar a relação entre a delimitação dos dias festivos e o sentido dado ao carnaval. Serão observadas as motivações e os desdobramentos de propostas visando antecipar, postergar ou prolongar a folia, assim como os chamados carnavais “fora de época”, tanto as iniciativas oriundas de órgãos oficiais quanto de ações populares, visando entender a construção dos sentidos coletivos e individuais da festa. Para tanto, propomos um diálogo entre a data estabelecida do carnaval e a noção de anarquia atribuída à folia, observando as possibilidades de ressignificação festiva, através da sua construção coletiva.


Palavras-chave


carnaval, micareta; anarquia

Texto completo:

PDF

Referências


A CIDADE JÁ EMPOLGADA PELO CARNAVAL. O Globo, Rio de Janeiro, p. 1, 23 fev. 1952.

ALVES, José Eustáquio, CAVENAGHI, Suzana, BARROS, Luiz Felipe, CARVALHO, Angelita A. de. Distribuição espacial da transição religiosa no Brasil. Tempo Social, revista de sociologia da USP, 2017: 215-242.

ARAÚJO, Hiram. Carnaval: seis milênios de história. Rio de Janeiro: Gryphus, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. Carnival and the Carnivalesque. In: STORY, John (Ed.). Cultural Theory and Popular Culture: A Reader. 2. ed. London: Prentice Hall, 1998, p. 250-259.

BARROSO, Flávia Magalhães, GONÇALVES, Juliana. Subversão e purpurina: um estudo sobre o carnaval de rua não-oficial do Rio de Janeiro. Intercom, XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo, set 2016.

BEY, Hakim. TAZ: Zona Autônoma Temporária. São Paulo: Conrad do Brasil, 2011.

CARDOSO, L. Blocos levam multidões às ruas. O Dia, Rio de Janeiro, p. 10, 11 fev. 2018.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro, Rocco, 1997.

DANDARA, Luana. 50 dias de folia. O Dia, Rio de Janeiro, p. 3, 2 jan. 2020.

EM 2020, O CARNAVAL BAIANO PODE NÃO SER IGUAL ÀQUELE QUE PASSOU. O Globo, Rio de Janeiro, p. 9, 13 set. 2019.

FERNANDES, Francisco, LUFT, Celso Pedro, GUIMARÃES, F. Marques. Dicionário Brasileiro Globo. São Paulo: Globo, 1999.

FERREIRA, Felipe. O livro de ouro do carnaval brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

LEAL, Arthur, PONTES, Camilla. Abertura do carnaval oficial acaba em confusão. O Globo, Rio de Janeiro, p. 13, 13 jan. 2020.

NA AV. RIO BRANCO, ÊSTE ANO, OS GRANDES DESFILES DO CARNAVAL. O Globo, Rio de Janeiro, p. 6, 2 mar. 1957.

O CARNAVAL OFICIAL DE 1934. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 25, 23 nov. 1933.

O GLOBO, Rio de Janeiro, p. 1, 23 fev. 1952.

O GLOBO, Rio de Janeiro, 2 mar. 1957.

O MALHO, Rio de Janeiro, p. 23, 24 fev. 1912.

O MALHO, Rio de Janeiro, p. 15, 17 fev. 1912.

O PAIZ, Rio de Janeiro, p. 2, 29 fev. 1892.

O PAIZ, Rio de Janeiro, p. 6, 14 fev. 1912.

O PAIZ, Rio de Janeiro, p. 1, 16 fev. 1912.

O PAIZ, Rio de Janeiro, p. 7, 15 fev. 1912.

O TEMPO, 29 de janeiro de 1892, p. 2

RODRIGUES, Renan. Carnaval deverá ser com mais blocos, turistas e dinheiro. O Globo, Rio de Janeiro, p. 13, 9 jan. 2020.

SCHECHNER, Richard. The future of the ritual. In: LIGIÉRO, Zeca (Org.). Performance e Antropologia de Richard Schechner. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

SILVA, Augusto Neves da. “Fazendo mesura na ponta dos pés”: carnaval e políticas públicas de cultura no Recife das décadas de 1970 e 1980. Tese (doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2017.

SIMAS, Luiz Antônio. O corpo encantado das ruas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

STOREY, John. Teoria cultural e cultura popular: uma Introdução. São Paulo: Edições Sesc, 2015.

SÓ A PREFEITURA COMPARECEU, O Globo, Rio de Janeiro, p. 2. 18 fev. 1953.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 interFACES