REPRESENTAÇÃO DE PRATICANTES DE MAGIA NA LITERATURA ROMANA E GREGA

Sarah Silva Tolfo

Resumo


Este trabalho pretende apresentar um panorama geral de como foram representadas as mulheres praticantes de magia na literatura grega e romana. A questão de gênero se torna importante na medida em que é possível notar, nas obras literárias, a recorrência da ideia de sua subversão. A mulher que pratica magia, principalmente quando tem como alvo um homem, o emascula. Ela se torna figura viril, incorporando valores tidos como “masculinos”. Em contrapartida, o homem que pratica magia é visto como efeminado. A literatura reflete alguns dos maiores estereótipos associados a mulheres praticantes de magia. Um exemplo é Ericto, personagem da peça Farsalia, do dramaturgo Lucano. Ericto é uma estrangeira, vinda da Tessália, retratada na obra como local de incivilização 
e barbárie, ou seja, o total oposto dos valores romanos. Representadas como mulheres com o poder de controlar cobras, as estrangeiras serão por muitos anos as principais suspeitas de praticar magia. Juntamente com Ericto está Canídia2, personagem de Epodos, de Horácio. Canídia representa outro estereótipo: a mulher cheia de luxúria que sequestra crianças para usar partes de seus corpos em feitiços e poções eróticas. 


Palavras-chave


Literatura Greco-Romana; Magia; Mulheres

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.