Para memória futura do neo-realismo

Carina Infante Carmo

Resumo


Fernando Namora foi pioneiro na narração da história do neo-realismo, de que foi protagonista desde a primeira hora. Desde 1956, o escritor empenhou-se em valorizar a evolução e o lugar daquele movimento literário na literatura portuguesa de novecentos. Por meio da escrita ensaística, Namora responde ao ocaso neo-realista mas também à hostilidade crescente do campo literário português àquele movimento, pondo em causa muitos lugares comuns da crítica e um conceito linear e monológico de tempo histórico em literatura.


Palavras-chave


Neo-Realismo; história literária dos escritores; campo literário e cultural; consciência de classe do escritor; tempo histórico-literário (conceito de).

Texto completo:

PDF

Referências


COELHO, Eduardo Prado. Mário Sacramento perante a teorização do neo-realismo (plano para um trabalho). In No Reino Flutuante. Exercícios sobre a Razão e o Discurso. Lisboa: Edições 70, 1972 [1969], pp. 139-147.

DIAS, Luís Augusto Costa. Contribuição preliminar para o conceito de «geração de 1937». Vértice. Série II, nº. 75, p. 52-58, Dez. 1996a.

---. Alguns contextos de um texto de Namora [apresentação crítica de Fernando Namora, A Nova Geração Literária Portuguesa]. Algar, nº. 1, p. 17-19, Jan. 1996b.

LISBOA, Irene. Apontamentos. Org. e pref. Paula Morão. Lisboa: Presença,1998 [1943].

LOPES, Óscar. Fernando Namora - Uma personalidade. Lusíada. Vol. 3, nº. 10, p. 184-189, Out. 1957.

LOSA, Margarida. O herói. Vértice. Série II, n°. 75, p. 32-37, Dez. 1996.

LOURENÇO, Eduardo. Uma literatura desenvolta ou os filhos de Álvaro de Campos. In O Canto do Signo. Existência e Literatura. 1957-1993. Lisboa: Presença, 1994 [1966], p. 255-267.

MONTEIRO, Adolfo Casais. A Poesia da presença. Estudo e Antologia. Lisboa: Cotovia, 2003 [1959].

NAMORA, Fernando. Prefácio a Casa da Malta. 15ª. ed. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1991a [1961], p. 11-34.

---. Em torno do neo-realismo. In Um Sino na Montanha. Cadernos de um Escritor. 6ª. ed. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1991b [1968], p. 195-220.

OLIVEIRA, Carlos de. O que é o povo?. In O Aprendiz de Feiticeiro. 3ª. ed. corrigida. Lisboa: Sá da Costa, 1979 [1970], p. 177-180.

PITA, António Pedro. A palavra no espaço da sombra e da luz. In MENDES, José Manuel. Fernando Namora, Nome para uma Vida. Castelo Branco: Câmara Municipal de Castelo Branco, 1998, p. 15-17.

---. Inventar o sentido do tempo. Eduardo Lourenço e o «neo-realismo» como problema. In LOURENÇO, Eduardo, Sentido e Forma da Poesia Neo-Realista e Outros Ensaios. Obras Completas II. Coord. António Pedro Pita. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2014, p. 9-38.

SACRAMENTO, Mário. Fernando Namora. Lisboa: Arcádia, [1967].

---. Há uma Estética Neo-Realista?. Lisboa: Dom Quixote, 1968.

SEIXO, Maria Alzira. Fernando Namora fala a Maria Alzira Seixo. ICALP. Revista Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, nº.1, p. 33-51, Mar. 1985.

TORRES, Alexandre Pinheiro. O Movimento Neo-Realista em Portugal na sua Primeira Fase. 2ª. ed. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa-Ministério da Educação, 1983 [1977].




DOI: https://doi.org/10.35520/metamorfoses.2019.v16n1a27548

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Metamorfoses - Revista de Estudos Literários Luso-Afro-Brasileiros


Licença Creative Commons
A Revista Metamorfoses utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Indexadores e bases bibliográficas:

Google Acadêmico EZBSudoc  Base DRJI WorldCat  Diadorim