Fernando Namora e o Novo cancioneiro: uns palmos de terra no meio do paul

Fernando Teixeira Batista

Resumo


Em Portugal, o Neorrealismo, depois de um intenso período de teorização sobre conceções de arte e literatura, no qual de digladiou com o Segundo Modernismo, afirmou-se, conquanto já tivessem sido publicadas algumas obras na segunda metade da década anterior, no início dos anos 40 do século XX. Para essa afirmação contribuiu a organização de coleções paradigmáticas do novo realismo que se defendia. O Novo Cancioneiro foi a primeira coleção, constituída por dez livros de poesia de diferentes poetas, sendo o livro de abertura, Terra, de Fernando Namora. Nestes poemas, compreende-se a conceção literária defendida pelos jovens neorrealistas e pode também reconhecer-se o exemplo humano e literário que Fernando Namora deu a toda a sua geração. Terra foi, no fundo, um livro necessário, uma pedrada no charco da revista Presença, uma porta de entrada no Neorrealismo e um cartão de visita da obra literária do seu autor.


Palavras-chave


Fernando Namora; Novo Cancioneiro; Neorrealismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, João Pedro. A Poesia da Moderníssima Geração – génese duma atitude poética, Porto, Liv. Latina, 1943.

BACELAR, Armando. “A arte e o público”, 2ª parte. Vértice, vol III, nº 44, 1947.

BELCHIOR, Maria de Lurdes. “Poesia portuguesa contemporânea: a geração de 40”. Os Homens e os Livros II, Lisboa, Verbo, 1980.

CARLOS, Luís Adriano. “A poesia portuguesa no século XX e o problema do seu ensino”. Incidências, nº 1, Lisboa, Colibri, 1997.

CHALENDAR, Pierrette & Gérard. Temas e Estruturas na Obra de Fernando Namora, Lisboa, Moraes, 1979.

DIONÍSIO, Mário. “Antiprefácio”. Poesia Incompleta, 2ª ed., Lisboa, Europa-América, s/d.

DIONÍSIO, Mário. “Ficha 11”. Seara Nova, nº 813, Lisboa, p. 263, 1943.

DIONÍSIO, Mário. Autobiografia. Lisboa, O Jornal, 1987.

FERREIRA, Ana Paula. Alves Redol e o Neo-Realismo Português, Lisboa, Caminho, 1992.

FERREIRA, Armando Ventura. “A poesia de Manuel da Fonseca”. Seara Nova, nº 984, Lisboa, 1946.

FERREIRA, José Gomes. A Memória das Palavras. Lisboa, Portugália, 1966.

FILIPE, Manuel. “Algumas notas para uma nova poética”. Sol Nascente, nº 10, Porto, 1937.

GOLDMANN. Pour une Sociologie du Roman, Paris, Gallimard, 1964.

GUIMARÃES, Fernando. A Poesia da Presença e o Aparecimento do Neo-Realismo, Porto, Brasília Editora, 1981.

HEGEL. Estética VII – Poesia, Lisboa, Guimarães Editores, 1964.

LIMA, Manuel Campos. “O processo subjetivo no romance”. O Diabo, nº 179, 1938.

LIMA, Manuel Campos. “Das criaturas na vida quotidiana aos tipos na ficção literária”. Vértice, nº 166, Coimbra, pp. 353-355, 1957.

LOURENÇO, Eduardo. Sentido e Forma da Poesia Neo-Realista, Lisboa, Dom Quixote, 1983.

LOURENÇO, Eduardo. “Presença ou a contra-revolução do modernismo português”. O Tempo e a Poesia, Lisboa, Relógio d`Água, 1987.

LUKÁCS. Introdução a uma Estética Marxista. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1978.

MARTELO, Rosa Maria. A Construção do Mundo na Poesia de Carlos de Oliveira, Tese de Doutoramento, Porto, FLUP, 1996.

MONTEIRO, Adolfo Casais. O Romance e os Seus Problemas. Lisboa, Biblioteca de Cultura portuguesa, 1950.

MOURÃO-FERREIRA, David “Homenagem a Fernando Namora, cinquenta anos de literatura vivida”. Colóquio/Letras, nº 103, p. 16, 1988.

NAMORA, Fernando. “Fernando Namora e os novos pouco sérios”. Seara Nova, nº 734, 1941.

NAMORA, Fernando. Fogo na Noite Escura, Mem Martins, Europa-América, 1988.

NAMORA, Fernando. “Terra”. Torres, A. Pinheiro (org). Novo Cancioneiro, Lisboa, Caminho, 1989.

NAMORA, Fernando, As Frias Madrugadas, Mem Martins, Europa-América, 1990a.

NAMORA, Fernando. “Prefácio”. Casa da Malta, Mem Martins, Europa-América, 1990b.

NAMORA, Fernando. Um Sino na Montanha. Mem Martins, Europa-América, 1991.

NAMORADO, Joaquim. “Fernando Namora, escritor ainda vivo”. Obras, Ensaios e Críticas – Poética da Cultura, Lisboa, Caminho, 1994.

PETROV, Petar. O Realismo na Ficção de José Cardoso Pires e Ruben Fonseca, Tese de Doutoramento, FLUL, Lisboa, 1996.

PITA, António Pedro. Conflito e Unidade no Neo-Realismo Português, Porto, Campo das Letras, 2002.

REIS, Carlos. O Discurso Ideológico do Neo-Realismo Português, Coimbra, Almedina, 1983.

RÉGIO, José. “Classicismo e modernismo”. Presença, nº 2, Coimbra, pp. 1-2, 1927.

RODRIGUES, Urbano Tavares. “Expressões do humanismo de Fernando Namora”. Colóquio/Letras, nº 103, p. 9, 1988.

SACRAMENTO, Mário. Há Uma Estética Neo-Realista?, Lisboa, Dom Quixote, 1968.

SALEMA, Álvaro. “Três reflexões sobre a obra de Fernando Namora”. Tempo de Leitura, Lisboa, Moraes, pp. 149-154, 1981.

SIMÕES, João Gaspar. “Modernismo”. Presença, nº 14-15, Coimbra, p. 3, 1928.

SIMÕES, João Gaspar. “Fernando Namora”. Crítica II, INCM, 1960.

SOARES, Rodrigo. Por um Novo Humanismo. Porto, Portugália, 1947.

TORRES, Alexandre Pinheiro (org.). Novo Cancioneiro, Lisboa, Caminho, 1989.

TORRES, Alexandre Pinheiro. O Movimento Neo-Realista em Portugal na Sua Primeira Fase, Lisboa, ICP, 1977.

VASCONCELOS, Taborda de. Fernando Namora, Lisboa, Arcádia, 1972.




DOI: https://doi.org/10.35520/metamorfoses.2019.v16n1a27830

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Metamorfoses - Revista de Estudos Literários Luso-Afro-Brasileiros


Licença Creative Commons
A Revista Metamorfoses utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Indexadores e bases bibliográficas:

Google Acadêmico EZBSudoc  Base DRJI WorldCat  Diadorim