Olhos doces da burra – o animal e as animalidades n’O trigo e o joio (1954) de Fernando Namora

Magdalena Doktorska

Resumo


No presente artigo pretende-se analisar o romance O Trigo e o Joio (1954) de Fernando Namora na base do aparelho metodológico proveniente dos Estudos Animais. Conceitos ligados com esta disciplina emergente permitem investigar as (inter)relações entre os protagonistas humanos e o(s) animal(is) no romance, assinalar as relações de poder, como também indicar as possíveis saídas da realidade opressora do Alentejo retratado no romance.


Palavras-chave


Fernando Namora; Estudos Animais; zooliteratura; Alentejo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35520/metamorfoses.2019.v16n1a27982

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Metamorfoses - Revista de Estudos Literários Luso-Afro-Brasileiros


Licença Creative Commons
A Revista Metamorfoses utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Indexadores e bases bibliográficas:

Google Acadêmico EZBSudoc  Base DRJI WorldCat  Diadorim