As relações de trabalho no processo de desenvolvimento da Coreia do Sul: os limites da abordagem desenvolvimentista

Daniel Nogueira Silva, Ronaldo Herrlein Junior

Resumo


A análise heterodoxa sobre o desenvolvimento econômico nos países do Leste Asiático oferece importantes contribuições acerca dos elementos que levaram a superação do subdesenvolvimento nesses países. Contudo, o foco central dessas análises é dado principalmente ao Estado, visto como o principal responsável pelo desenvolvimento. A pouca ênfase que é colocada sobre os demais atores sociais, especialmente os trabalhadores e suas organizações, é justificada por dois motivos principais: a autonomia do Estado e a fraqueza da sociedade civil. Diante disso, o artigo analisa esses dois argumentos com base na experiência histórica da Coreia do Sul, apresentando os seus principais fundamentos e limites. Para isso, além de uma breve revisão da literatura desenvolvimentista, também são apresentadas algumas evidências históricas com base na evolução das relações de trabalho nesse país no período que vai do início do século XX até a década de 1980.

Palavras-chave


Desenvolvimentismo; Relações de Trabalho; Coreia do Sul

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Oikos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: