As Relações Cubano-Americanas (1895-2018): continuidades e reconfigurações estratégicas

Bruna Jaeger Coelho, Caroline Rocha Travassos Colbert, Letícia Figueiredo Ferreira, Daniel de Pinho Barreiros

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar as relações entre EUA e Cuba a partir do final do século XIX até a atual administração Trump. A hipótese apresentada é de que devido à importante posição estratégica de Cuba como principal ponto de controle no Caribe e como acesso ao baixo ventre americano, a política externa dos EUA para a ilha tem sido marcada pela percepção de Cuba como extensão da territorialidade estadunidense. A primeira seção analisa as origens históricas dessa relação, ressaltando a importância geopolítica da ilha e a formação da política externa americana com objetivos imperiais. A seguir, o período da Guerra Fria, com destaque para a revolução cubana e o significado da perda de Cuba em termos geoestratégicos e não meramente ideológicos. Por fim, analisa-se o período pós-Guerra Fria e as variações que ocorrem na política externa estadunidense em relação à ilha, especialmente nas gestões de Obama e Trump.

Palavras-chave


Cuba; Política externa norte-americana; Geopolítica

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Oikos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: