Potencialidades e limites da Cooperação Sul-Sul no plano contrahegemônico: O caso da agricultura familiar na Argentina e no Brasil

Marina Bolfarine Caixeta, Carla María Morasso

Resumo


A Conferência de Bandung e a crítica pós-colonial tornaram-se dois movimentos de alcance global que, a partir da política e do ambiente acadêmico-científico, contribuíram para a formação de alianças entre países que questionavam o status quo do sistema-mundo moderno capitalista. Já a partir do início do século XXI, os debates em torno da Cooperação Sul-Sul (CSS), em sintonia com as epistemologias do Sul, foram fundamentais para a compreensão do questionamento da hegemonia global pelos países do Sul. Contudo, nem sempre a CSS opera com base na lógica contra-hegemônica. Considerando a relevância da produção agrícola para o desenvolvimento dos países latino-americanos e africanos, neste artigo analisamos as iniciativas de cooperação técnica Sul-Sul do Brasil e da Argentina com a África em termos de segurança alimentar e nutricional no período 2003-2015. A partir de uma extensa revisão bibliográfica, são abordados dois estudos de caso que expõem o papel de atores subalternos e a construção de narrativas e práticas alternativas ao modelo agroexportador hegemônico e dão conta das potencialidades e limites da CSS para promover modelos alternativos de desenvolvimento.

Palavras-chave


Cooperação Sul-Sul; Contra-hegemonia; Agricultura familiar; Brasil; Argentina

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Oikos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: