v. 1, n. 1 (2018)

Paisagem e Morte

O número de abertura da Revista Paisagens Híbridas  formulou um dossiê cuja abordagem temática parece pouco convencional, na medida em que, afinal, demarcamos simbolicamente o nascimento de uma revista abordando uma temática antagônica ao advento do nascimento, relacionada à ideia de finitude, perecimento, extinção, perda, aniquilamento. Portanto, a morte foi o tema selecionado para que os ensaístas convidados pensassem inúmeras possibilidades capazes de refletir as relações, no cotidiano, de uma paisagem onde o fluxo e o pulsar da vida são alterados pela instalação do fim, enunciado pelo espectro da morte, de todas as coisas. Portanto, o leitor perceberá, no mosaico de textos que formam o número de abertura da nossa Revista, como as visões sobre vida e morte são amplamente moldadas pela trans-historicidade e trans-culturalidade, que operam um desenho dos cotidianos da paisagem marcado pela transversalidade que referenciam os olhares de um corpo social que ainda rejeita ou, no mínimo, têm limitações de compreender e elaborar o fim da existência da vida no mundo.

Edição completa

Ver ou baixar a edição completa PDF

Sumário

Editorial

Editorial - Paisagens Híbridas V.1, N.1 de 2018
Rubens Laplace de Andrade, Jackeline de Macedo
PDF
6 a 13

Artigos

Eliana Kuster
PDF
14 a 45
Jacques Leenhardt
PDF
46 a 69
Gabriela Torres Ramos
PDF
70 a 89
Clarissa Grassi
PDF
90 a 113
Paula Andrea Parada
PDF
114 a 131
Andrea Lessa, Reinaldo Bernardes Tavares, Claudia Rodrigues Carvalho
PDF
132 a 161
Óscar Molina Palestina
PDF
162 a 177
William Seba Mallmann Bittar
PDF
178 a 205
Guilherme Araujo de Figueiredo
PDF
204 a 223
Jofre Silva
PDF
222 a 237

Autores

Autores
 
PDF
238 a 241