NARRATIVA ORAL E PROSÓDIA

Waldemar Ferreira Netto

Resumo


Vansina propôs que as formas orais da transmissão tradicional do conhecimento estabelecessem distinção entre forma e conteúdo de um lado, e liberdade e fixidez de outro: a narrativa compreendendo o improviso prosódico e lexical, e o poema, rejeitando o improviso.  Poema e narrativa, segundo Jakobson, diferem exclusivamente quanto à mensagem, deixando referências fregianas e interpretantes peircianos além de seu escopo. Na medida em que variações prosódicas e lexicais não atingem referências, a narrativa se caracteriza como uma sucessão de eventos representados simbolicamente. Na fala, a produção da voz e as representações lexicais estabelecem dois sistemas que se integram no ritmo tonal:  a sustentação da voz condiciona-se com as condições do falante e a distribuição lexical decorre do acordo entre as necessidades expressivas do falante e as possibilidades de construção sintática que a língua apresenta.  Em narrativas orais, a integração desses sistemas permite-nos associar a entoação na fala com a entoação musical: finalizações autênticas visam a um tom descendente finalizador, enquanto que finalizações plagais não buscam esse mesmo tom, reproduzindo na fala a mesma tendência que se verificou para a música ocidental.

Palavras-chave


prosódia; entoação; narrativa oral; língua portuguesa

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, P. A. “Estrutura rítmica da frase revelada por aspectos de produção e percepção de fala”. SEMINÁRIO DO GEL, 43, 1995.

BAZ, D. G. M. As relações entre entoação frasal e melodia de músicas populares paraguaias. 2011. 161 f. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) -- Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/T.8.2011.tde-23052012-161248. Acesso em 7 nov. 2017.

BAZ, D. G. M. et al. « Tonal variation in the finalization of Brazilian Portuguese sentences”. In: LABORATORY APPROACHES TO ROMANCE PHONOLOGY-LARP. Aix-en-Provence 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.13140/2.1.4249.0242. Acesso em: 7 nov. 2017.

BRUNER, J. “Narrative construction of reality” In: Critical Inquiry, v. 18, n. 1, p. 1-21, 1991.

BYBEE, J. Língua, uso e cognição. São Paulo: Cortez Editora, 2016.

CONCEIÇÃO, G. D. et al. “Avaliação do tom médio em manchetes telejornalísticas apresentadas por mulheres” In: AUTOR (Org.). ExProsodia: resultados preliminares. São Paulo: Editora Paulistana, 39-41 p. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.4322/978-85-99829-84-4-6. Acesso em: 07 nov. 2017.

CONSONI, F. Aspectos da percepção da proeminência tonal em português brasileiro. 2011. 119 f. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/d.8.2006.tde-22082007-152238. Acesso em: 07 nov. 2017.

CONSONI, F.; AUTOR “A percepção de variação em semitons ascendentes em palavras isoladas no Português Brasileiro”. In: AUTOR (Org.). ExProsodia: resultados preliminares. São Paulo: Paulistana: 19-23 p. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4322/978-85-99829-84-4-2. Acesso em: 07 nov. 2017.

COSTA, N. S. A. Variações entoacionais na língua portuguesa falada por mulheres guatós. 2010. Tese. (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) -- Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/t.8.2011.tde-23052011-162134. Acesso em: 07 nov. 2017.

COSTA, N. S. A. “Variações entoacionais na língua portuguesa falada por idosos Guatós e não indios” In: AUTOR (Org.). ExProsodia: resultados preliminares. São Paulo: Paulistana, 2016. p. 82-90. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4322/978-85-99829-84-4-13. Acesso em: 07 nov. 2017.

CRISTÓFARO-SILVA, T.; GOMES, C. “Representações múltiplas e organização do componente linguístico” In: Forum Linguístico, v. 4, n. 1, p. 147-177, 2004.

AUTOR Variação de Frequência e Constituição da Prosódia da Língua Portuguesa. 2006. 89 f. Livre docência (Livre-Docência em Fonética). Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: http://dx.doi.org/10.13140/RG.2.1.4204.1682. Acesso em: 07 nov. 2017.

AUTOR “Decomposição da entoação frasal em componentes estruturadoras e em componentes semântico-funcionais”. In: CONGRESSO NACIONAL DE FONÉTICA E FONOLOGIA 2008. Disponível em: https://www.academia.edu/2272651/Decomposi%C3%A7%C3%A3o_da_entoa%C3%A7%C3%A3o_frasal_em_componentes_estruturadoras_e_sem%C3%A2ntico-funcionais. Acesso em: 07 nov. 2017.

AUTOR “ExProsodia”. In: Revista de Propriedade Industrial. SÃO PAULO, U. D. S. Brasil. RS 08992-2 2010.

AUTOR “Finalização de frases na música e na fala”. SIMPÓSIO EM NEUROCIÊNCIA E COGNIÇÃO MUSICAL. São Bernardo 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.13140/RG.2.1.1232.8407. Acesso em: 07 nov. 2017.

AUTOR Tradição Oral, Narrativa e Sociedade. São Paulo: Paulistana, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4322/85-99829-94-3. Acesso em: 7 nov. 2017.

AUTOR; CONSONI, F. “Estratégias prosódicas na leitura em voz alta e da fala espontânea”. In: Alfa. Revista de Linguística, v. 52, n. 2, p. 521-534, 2008. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/alfa/article/view/1531/1239. Acesso em: 07 nov. 2017.

AUTOR; CONSONI, F.; PERES, D. O. “Finalizações de frases em leituras e frases espontâneas no PB”. In: SEMINÁRIO DO GEL, 57. Ribeirão Preto: Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo 2009.

AUTOR et al. “Brazilian Portuguese intonation: A comparison between automatic and perceptual analyses”. In: The Journal of the Acoustical Society of America, v. 132, n. 3, 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1121/1.4755423. Acesso em: 7 nov. 2017.

FLOWE, W. C. The form and function of prosodic stylization in spoken discourse. 2002. (Doutorado em Philology) -- Universitat Konstanz, Konstanz, 2001. Disponível em: http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:bsz:352-opus-7484. Acesso em: 7 nov. 2017.

FREGE, G. Sobre o sentido e a referência. In: FREGE, G. (Ed.). Lógica e filosofia da linguagem. São Paulo: Cultrix, 1978. p. 59-86.

GARCIA, R. R. A entoação do dialeto caipira do Médio Tietê: reconhecimento, características e formação 2015. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa). Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/t.8.2015.tde-15102015-134727. Acesso em: 7 nov. 2017.

HENRIQUE, L. L. Acústica musical. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2002.

HUCKVALE, M. A. Speech Filing System v.4.7/Windows SFSWin Version 1.7, em 17/02/2008. Disponível em: http://www.phon.ucl.ac.uk/resource/sfs/. Acesso em: 22 jan. 2013.

HUME, J. Tratado da natureza humana. Uma tentativa de introduzir o método experimental nos assuntos morais. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

JAKOBSON, R. “Metalanguage as a linguistic problem”. In: JAKOBSON, R. (Ed.). The framework of language. Michigan: University of Michigan, 1980. p. 81-92.

LABOV, W. “Some further steps in narrative analysis”. In: The Journal of Narrative and Life History, v. 7, n. 1-4, p. 395-415, 1997.

LABOV, W.; WALETZKY, J. “Narrative Analysis: oral versions of personal experience”. In: HELM, J. (Ed.). Essays on the Verbal and Visual Arts. Proceedings of the 1966 Annual Spring Meeting of the American Ethnological Society. Seatle: American Ethnological Society; University of Washington Press, 1967. p. 12-44.

MARTINET, A. Elementos de Linguística Geral. 8 ed. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1978.

MARTINS, M. V. M.; AUTOR “Prosódia e escalas de frequência: um estudo em torno da escala de semitons”. Revista Virtual de Estudos da Linguagem, v. 8, n. 15, p. 286-296, 2010. ISSN 1678-8931. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/artigos/revel_15_prosodia_e_escalas_de_frequencia.pdf. Acesso em: 7 nov. 2017.

MARTINS, M. V. M.; AUTOR “Speech intonation and perception: A study of frequency scales for Brazilian Portuguese”. In: The Journal of the Acoustical Society of America, v. 129, 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1121/1.3588871. Acesso em: 7 nov. 2017.

MORAIS, J. A. D. “Intonational Phonology of Brazilian Portuguese” In: WORKSHOP ON INTONATIONAL PHONOLOGY: UNDERSTUDIED OR FIELDWORK LANGUAGES, ICPHS 2007 SATELLITE MEETING. Saarbrucken 2007. Disponível em: http://http://linguistics.ucla.edu/people/jun/Workshop2007ICPhS/Moraes-BP.pdf. Acesso em: 7 nov. 2017.

OHALA, J. J. “An ethological perspective on common cross-language utilization of F0 of voice”. In: Phonetica, v. 41, n. 1, p. 1-16, 1984. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1159/000261706. Acesso em: 7 nov. 2017.

PEIRCE, C. S. Escritos coligidos. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

PEIRCE, C. S. “O ícone, o indicador e o símbolo”. In: MOTA, O. S. D. e HEGENBERG, L. (Ed.). Semiótica e filosofia. São Paulo: Cultrix; Editora da Universidade de São Paulo, 1975. p.115-134.

PERES, D. O.; CONSONI, F.; AUTOR “Decomposição da entoação frasal em componentes estruturais e semântico-funcionais: um teste com análise da variação de gênero”. In: OSUCHIL - THE OHIO STATE UNIVERSITY CONGRESS ON HISPANIC AND LUSOPHONE LINGUISTICS. Ohio 2009.

PERES, D. O.; CONSONI, F.; AUTOR “A influência da cadeia segmental na percepção de variações tonais”. In: LLJournal, v. 6, n. 1, 2011.

PIERREHUMBERT, J. B. “Probabilistic phonology: Discrimination and robustness”. Probabilistic Linguistics, p. 177-228, 2003 2003.

POPPER, K. A lógica da pesquisa científica. 2. São Paulo: Cultrix, 1974.

ROEDERER, J. G. Introdução à física e psicofísica da música. São Paulo: Edusp, 2002. ISBN 85-314-0457-6.

ROSA, R.; CONSONI, F.; AUTOR “A questão da correlação entre a análise automática das finalizações prosódicas e a separação intuitiva de frases em textos longos.” In: AUTOR (Org.). ExProsodia: resultados preliminares. São Paulo: Paulistana, 2016. p. 61-63. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4322/978-85-99829-84-4-10., Acesso em: 7 nov. 2017.

SAUSSURE, F. D. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 1972.

SETTI, K.” Os índios Guarani-Mbyá do Brasil: notas sobre sua história, cultura e sistema musical.” In: BISPO, A. A. (Ed.). Jarbuch die musikkulturen der indianer brasiliens. K¶ln, v.1, 1997. p. 73-145.

SHANNON, C. E.; WEAVER, W. A teoria matemática da comunicação. Rio de Janeiro: Difel, 1975.

TRUBETZKOY, N. S. Principios de fonologia. Madrid: Editorial Cincel, 1973.

VANSINA, J. “A tradição oral e sua metodologia”. In: KI-ZERBO, J. (Ed.). História geral da África. Metologia e pré-história da África. São Paulo: Ática, v.1, 1982. p.157-179.

WENNERSTROM, A. “Intonation an evaluation in oral narratives”. In: Journal of Pragmatics, v. 33, p. 1183-1206, 2001a.

WENNERSTROM, A. The music of everyday speech. Prosody and discourse analysis. Oxford: Oxford University Press, 2001b.

WERTHEIMER, M. “Laws of organization in perceptual forms”. In: GREEN, C. D. (Org.) Classics in the History of Psychology. Toronto: York University 1938.

XU, Y. “Speech melody as articulatorily implemented communicative functions”. Speech Communication, v. 46, n. 3-4, p. 220-251, Jul 2005. Disponível em: http://www.haskins.yale.edu/Reprints/HL1417.pdf. Acesso em: 7 nov. 2017.

XU, Y.; WANG, Q. E. Components of intonation: what are linguistic, what are mechanical/physiological? , INTERNATIONAL CONFERENCE ON VOICE PHYSIOLOGY AND BIOMECHANICS, 1997, Evanston. Disponível em: http://www.homepages.ucl.ac.uk/~uclyyix/voice.html. Acesso em: 7 nov. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ).

              

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.