O DISCURSO LITERÁRIO EM OPOSIÇÃO AO DISCURSO JURÍDICO COMO VIA LEGÍTIMA DE TEMATIZAÇÃO DAS TENSÕES SOCIAIS

Amanda Letícia Firmino de Lima, Thiago Ferrare

Resumo


Este artigo objetiva posicionar o discurso literário em contraposição ao discurso jurídico, como um caminho válido para a tematização de tensões sociais. Nesse enlace, compreende a Estética – lugar próprio do desenvolvimento da literatura – numa acepção crítica, aproximando-a do âmbito da razão e do conhecimento. O caminho empreendido afirma-se em desacordo com um pensamento tradicional, que em um primeiro momento assenta-se em Kant, no percurso da razão prática; e, depois, nas formulações da razão comunicativa propostas por Jurgen Habermas. Entende-se que as teorias precedentes excluíram a Estética da linha de legitimidade e da disputa nos conflitos do mundo, do qual o presente projeto pretende defender o caminho oposto. Isto, através de um percurso interdisciplinar que engloba apontamentos sobre o direito, a linguística e a literatura.

Palavras-chave


Estética; Direito; Teoria Crítica

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, C. N. Americanah. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

ALVES, L. Mulheres migrantes na literatura contemporânea. Anais do IX Colóquio de Linguística, Literatura e Escrita Criativa. [Des]limiares da linguagem. Porto Alegre: PUCRS, 2016. Disponível em: . Acesso em: 02.10.2017.

BARBOSA, J. F. Formas e políticas da vida. Kínesis, Vol. I, n° 02, Outubro-2009, p. 105 - 123. Disponível em: Acesso em: 02.10.2017.

BARROS, T. H. B. Por uma teoria do discurso: reconsiderações histórico-conceituais. In: Uma trajetória da Arquivística a partir da Análise do Discurso: inflexões histórico-conceituais [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015, pp. 27-71. Disponível em: . Acesso em 01.10.2017.

BENJAMIN, W. O narrador. In.: Obras Escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política. 3º ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7º ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DUSSEL, E. El encubrimiento del Otro. Hacia el origen del mito de la modernidad. La Paz: plural editores - UMSA, 1994.

EAGLETON, T. A ideologia da Estética. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

EL PAIS. Literatura: Chimamanda Ngozi Adichie: “Nossa época obriga a tomar partido”. Disponível em: . Acesso em: 01.10.2017.

FERRARE, T. Caminhos do discurso contra-hegemônico: Direito e emancipação. Revista Direito e Práxis. v. 7, nº 4. Rio de Janeiro; 2016. Disponível em: . Acesso em 02.10.2017.

FLORES, O. C. (Meta)Linguagem. Linguagem & Ensino, Pelotas, v.14, n.1, p. 243-261, jan./jun. 2011. Disponível em: . Acesso em 02.10.2017.

GILROY, P. O atlântico negro: modernidade e dupla consciência. 1º ed. São Paulo: Editora 34, 2001.

HABERMAS, J. Direito e Democracia. Entre facticidade e validade. 2º ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

HAMEL, M. R. Da ética kantiana à ética habermasiana: implicações sociojurídicas da reconfiguração discursiva do imperativo categórico. R. Katál., Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 164-171, jul./dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 02.10.2017.

HAHN, A. Como são possíveis deveres e virtudes em Kant?. Trans/Form/Ação, São Paulo, 29(2): 115-121, 2006. Disponível em: . Acesso em: 02.10.2017.

HONNETH, A. Uma patologia social da razão: Sobre o legado intelectual da Teoria Crítica. In.: Teoria Crítica.Fred Rush, Org. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2008.

MEZZAROBA, O.; STRAPAZZON, C. L.. Direitos fundamentais e a dogmática do bem comum constitucional.Sequência (Florianópolis) [online]. 2012, n.64, pp.335-372. Disponível em: Acesso em 01.10.2017.

REGO, Pedro Costa. Universalidade estética e universalidade lógica: notas sobre o §8 da Crítica do Juízo de Kant. Trans/Form/Ação[online]. 2011, vol.34, n.spe2, pp.03-20. Disponível em: . Acesso em 01.10.2017.

RICCA, Jorge Junior. O lugar da fala na cidade. IDE São Paulo, 26 [57]. Janeiro; 2014. Disponível em: . Acesso em 01.10.2017.

SILVA, M. Memória, mulher e política. In: Ismara Tasso; Pedro Navarro. (Org.). Produção de identidades e processos de subjetivação em práticas discursivas. 1ed.Maringá: Eduem, 2012, v. 1, p. 183-208. Disponível em: . Acesso em 01.10.2017.

SOUZA, R. F. N.; BARZOTTO, L. A. As faces de Ifemelu em Americanah (2013) de Chimamanda Ngozi Adichie. Raído, Dourados, MS, v.10, n.21, jan./jun. 2016. Disponível em: . Acesso em 30.09.2017.

SOUZA, H. J. S. Os princípios da razão prática. In.: O problema da motivação moral em Kant [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. 141 p. ISBN 978-85-7983-016-7. Disponível em: . Acesso em 03.10.2017.

WEEDWOOD, B. História concisa da linguística. 1 ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ).

         

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.