A LUA MORTA JÁ NÃO MEXIA MAIS OU SOBRE QUANDO JOÃO CABRAL DE MELO NETO RESGATA A EDUCAÇÃO PELA NOITE.

Flávia Alves Figueirêdo Souza, Alexandre Graça Faria

Resumo


Este artigo analisa o conceito “educação pela noite”, do crítico Antonio Candido, aplicado na percepção dos poemas de João Cabral de Melo Neto, especialmente nos livros Pedra do Sono (1943) e O engenheiro (1943). Esse estudo será vislumbrado tanto na estruturação morfossintática, estrófica e vérsica dos poemas, quanto no sentido discursivo que é alcançado.

 

 


Palavras-chave


João Cabral de Melo Neto, Pedra do Sono, O engenheiro

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Revendo o surrealismo. In. Notas de Literatura I. Trad. Newton Ramos de Oliveira. São Paulo: Duas Cidades, 2003 [1956].

ANDRADE, Janilto. Da beleza à poética. Rio de Janeiro: IMAGO, 2001.

ARISTÓTELES. Poética e Tópicos I, II, III e IV. Trad. Marcos Ribeiro de Lima. São Paulo: Hunter Books, 2013 [335 a.C. e 323 a.C.].

ATHAYDE, Félix de. Ideias fixas de João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Nova Fronteira, 1998.

BALAKIAN, Anna. Surrealism: the road to the absolute. Chicago: Chicago University Press, 1986.

BARBOSA, João Alexandre. A imitação da forma: uma leitura de João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Duas Cidades, 1975.

BARBOSA, João Alexandre. A lição de João Cabral. In. Cadernos de literatura brasileira: João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Instituto Moreira Salles. n.1, março, 1998.

BARBOSA, João Alexandre. A metáfora crítica. São Paulo: Perspectiva, 1974.

BARBOSA, João Alexandre. Balanço de João Cabral. In. As ilusões da modernidade. São Paulo: Perspectiva, 1986.

BARBOSA, João Alexandre. Literatura nunca é apenas literatura. Depoimento apresentado no Seminário Linguagem e Linguagens: a fala, a escrita, a imagem, 1994.

BARTHES, Roland. Elementos da semiologia. 16. ed. Trad. Izidoro Blikstein. São Paulo, Cultrix, 2006 [1964].

CAMPOS, Haroldo de. O Geômetra engajado. In. Metalinguagem e outras metas: ensaios de teoria e crítica literária. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1970.

CANDIDO, Antonio. A educação pela noite. In. A Educação Pela Noite & Outros Ensaios, São Paulo: Ática, 1989.

CANDIDO, Antonio. O estudo analítico do poema. 3. ed. São Paulo: FFLCH-USP, 1993.

CANDIDO, Antonio. Poesia ao norte. Disponível em: file:///C:/Users/SUB/Downloads/3551-11489-1-PB.pdf. Acessado em 19 de dezembro de 2015.

CASTELLO, José. João Cabral de Melo Neto: o homem sem alma & o diário de tudo. Rio de Janeiro: Rocco: 2006.

CHALLUB, Samira. A metalinguagem. São Paulo: Ática, 2005.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

Conversas com o poeta João Cabral de Melo Neto. In. SIBILA: Revista de poesia e cultura. Entrevista, ano 9, n. 13. 2009.

COSTA LIMA, Luiz. Lira e antilira: Mário, Drummond, Cabral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

CUNHA, Fausto. Aproximações estéticas do onírico -- estudos sobre a expressão poética. Rio de Janeiro: Orfeu, 1967.

ESCOREL, Lauro. A pedra e o rio: uma interpretação da poesia de João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Duas Cidades, 1973.

FREIXEIRO, Fábio. Da razão à emoção II: ensaios rosianos, outros ensaios e documentos. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1971.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna (da metade do século XIX a meados do século XX). 2. ed. São Paulo: Duas Cidades, 1991.

GLEDSON, John. Influências e impasses: Drummond e alguns contemporâneos. Trad. Frederico Dentello. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

HOUAISS, Antônio. Seis poetas e um problema. Rio de Janeiro: Edições de Ouro Culturais, 1966.

LE CORBUSIER. Depois do cubismo. Trad. Célia Euvaldo: São Paulo, Cosac Naify, 2005 [1918].

LEXIKON, Herder. Dicionário de Símbolos. Trad. Erlon José Paschoal. São Paulo: Cultrix, 1990.

LINS, Álvaro. Os mortos de sobrecasaca: obras, autores e problemas da literatura brasileira: Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1963.

MANIFESTO CUBISTA. In. TELES, Mendonça Gilberto. Vanguarda europeia e modernismo brasileiro: apresentação e crítica dos principais manifestos vanguardistas. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1977.

MELO NETO, João Cabral de. Considerações sobre o poeta dormindo. Tese apresentada no Congresso de Poesia do Recife, 1941.

MELO NETO, João Cabral de. Da função da poesia moderna. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1954.

MELO NETO, João Cabral de. O cão sem plumas e outros poemas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

MELO NETO, João Cabral de. Poesia e Composição, Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1954.

MELO NETO, João Cabral de. Prosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

MELO NETO, João Cabral de. Serial e antes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

MERQUIOR, José Guilherme. A astúcia da mimese: ensaios sobre lírica. Rio de Janeiro: José Olympio, 1972.

MERQUIOR, José Guilherme. Razão do poema: ensaios de crítica e de estética. 3. ed. São Paulo: É Realizações, 2013.

NETTO, Modesto Carone. Metáfora e montagem. São Paulo: Perspectiva, 1974.

PEIXOTO, Marta. Poesia com coisas (uma leitura de João Cabral de Melo Neto).São Paulo: Perspectiva, 1983.

SECCHIN, Antonio Carlos. João Cabral: a poesia do menos. São Paulo: Duas cidades, 1985.

SOARES, Angélica Maria Santos. O poema -- construção às avessas: uma leitura de João Cabral de Melo Neto. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; Brasília: INL, 1978.

SPITZER, Leo, La enumeración caótica en la poesía moderna. In. ALONSO, Amado. Coleção de estudos estilísticos. Trad. Raimundo Lida. Buenos Aires: Imprenta y Casa Editora Coni, 1945.

TODOROV, Tzvetan. Poética. Lisboa: Teorema, 1986.

VILLAÇA, Alcides. Expansão e limite da poesia de João Cabral In. BOSI, Alfredo. Leitura de poesia. São Paulo: Ática, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ).

              

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.