IMPERATRIZ NO FIM DO MUNDO: MEMÓRIAS DÚBIAS DE AMÉLIA DE LEUCHTEMBERG (1992), DE IVANIR CALADO: A TRANSIÇÃO DO DESCONSTRUCIONISMO PARA A MEDIALIDADE NA ESCRITA HÍBRIDA DE HISTÓRIA E FICÇÃO

Gislaine Gomes, Gilmei Francisco Fleck

Resumo


A obra Imperatriz no fim do mundo: memórias dúbias de Amélia de Leuchtemberg, de Ivanir Calado (1992), narrativa híbrida latino-americana publicada no pós-boom, chama a atenção, pois existem estudos que o classificam em diferentes modalidades do gênero romance histórico. De acordo com as teorias sobre esse gênero (AÍNSA (1991); HUTCHEON (1991), MENTON (1993)), até recentemente havia certa confusão na classificação de obras, especialmente aquelas publicadas a partir de 1980, pois ocorreu, por parte dos escritores, uma reação direta ao desconstrucionismo e ao experimentalismo das modalidades do novo romance produzidas na fase áurea do boom latino-americano. A escrita híbrida do pós-boom não se encontra amplamente contemplada, nem adequadamente discutida, nas produções teóricas até o início do século XXI. Nesse sentido, tomamos como objeto de discussão duas classificações da obra de Calado: Santos (2000) e Silva (2016), que procuram classificar a obra entre o novo romance histórico latino-americano e a metaficção historiográfica -- modalidades da fase crítica, experimentalista e desconstrucionista do gênero. Apoiados na produção teórica mais recente (FLECK, 2017), buscamos evidenciar que a obra de Calado (1992) revela traços de reação às modalidades desconstrucionistas mediando o tradicionalismo acrítico e a ampla desconstrução e experimentação da fase crítica instaurada por Carpentier em 1949.

Palavras-chave


Novo romance histórico latino-americano. Metaficção historiográfica. Romance histórico contemporâneo de mediação. Imperatriz no fim do mundo: memórias dúbias de Amélia de Leuchtemberg (1992).

Texto completo:

PDF

Referências


AÍNSA, F. La nueva novela histórica latinoamericana. Plural (México), n. 240, p.28-85, 1991.

CALADO, I. Imperatriz no Fim do Mundo: memórias dúbias de Amélia de Leuchtemberg. Rio de Janeiro: Rio Fundo Ed., 1992.

CARPENTIER, A. El reino de este mundo. Santiago, Chile: Orbe, 1972.

DEKKER, G. The American historical romance. Cambridge; New York; London: The Co-operative Publication Society, 1987.

FERNÁNDEZ PRIETO, C. Historia y novela: poética de la novela histórica. 2. ed. Navarra: Universidad de Navarra, 2003.

FLECK, G. F. O romance contemporâneo de mediação: entre a tradição e o desconstrucionismo -- releituras críticas da história pela ficção. Curitiba: CRV, 2017.

FLECK, G. F.A “Conquista do “entre-lugar”: a trajetória do romance histórico na América.” Gragoatá, Niterói, n. 23, p. 149-167, jul./dez. 2007.

FUENTE, J. L. de la. La nueva novela hispanoamericana -- antología (1940-1970). Valladolid: Universidad de Valladolid, 1996.

HUTCHEON, L. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Trad. Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1991.

LARIOS, M. A. Espejo de dos rostros. Modernidad y postmodernidad em tratamiento de la historia. In: KOHUT, K. (Ed.). La invención del pasado: la novela histórica en el marco de la posmodernidad. Franfurt; Madrid: Vervuert, 1997. P. 130-136.

LUKÁCS, G. La novela histórica. Tradução de Jasmin Reuter. 3. ed.México: Era, 1977.

MATA INDURÁIN, C. “Restrospectiva sobre la evolución de la novela histórica”. In: SPANG, Kurt et al. La novela histórica: teoría y comentarios. Barañáin: Universidad de Navarra, 1995. p. 13-63.

MENTON, S. La nueva novela histórica da la América Latina 1979-1992. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.

REIS, C. O conhecimento da literatura: introdução aos estudos literários. 2ª.ed. Porto Alegre: Almeida, 2003.

SANTOS, A. M. dos. “A relativização da verdade em A imperatriz do fim do mundo”. Revista Eletrônica Vidya. Centro Universitário Franciscano de Santa Maria -- RS, p. 119-127, jan./jun. 2000.

SHARPE, J. A história vista de baixo. In: BURKE, P. (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992. p. 39-62.

SCHIMIDT, M. J. A segunda imperatriz do Brasil. São Paulo, 1927.

SILVA, R. B.da. “Imperatriz no fim do mundo: memória e escrita da história.” Revista Letras Norte@mentos. Estudos Literários, Sinop, v. 9, n. 17, p. 212-228, jan./jun. 2016.

TONET, T. P. Revolução Haitiana: da história às perspectivas ficcionais -- El reino de este mundo (1949), de Carpentier, e La isla bajo el mar (2009), de Allende. 2018. 180 f. Dissertação (Mestrado em Letras) -- Universidade Estadual do Oeste do Paraná -- UNIOESTE, Cascavel.

TORERO, J. R. Galantes memórias e admiráveis aventuras do virtuoso Conselheiro Gomes, o Chalaça/ José RobertoTorero.São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

TORRES, A. Meu querido canibal. 10.ed. Rio de Janeiro: Record, 2013.

TORRES, L. L. Imperatriz Dona Amélia. São Paulo: Typ, Elvino Pocai, 1947.

TROUCHE, A. L. G. América:história e ficção. Niterói: Ed. UFF, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Policromias é a publicação do LABEDIS - Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som, coordenado pela Profa. Dra. Tania Conceição Clemente de Souza e vinculado ao Museu Nacional (UFRJ).

              

 

 

 

 


Licença Creative Commons

A Policromias utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.