A importância da atuação do profissional da informação junto a equipe de Práticas Integrativas Complementares (PICs): um protocolo de revisão de escopo na área de Estética

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47681/rca.v7i2.53456

Palavras-chave:

Bibliotecário.Terapias Complementares. Estética. Revisão de Escopo. Protocolo.

Resumo

Aborda a participação do profissional da informação na realização de protocolo de revisão de escopo sobre a atuação do profissional da estética por meio das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde. O protocolo seguiu o método proposto pelo Joanna Briggs Institute, que estabelece cinco etapas:1) identificação da questão de pesquisa; 2) identificação dos estudos  relevantes;  3) seleção dos estudos; 4) análise dos dados; e, 5) agrupamento, síntese e apresentação dos dados. Na elaboração do protocolo a participação do Bibliotecário é essencial, sendo recomendada por manuais de revisões de literatura. A elaboração do protocolo é importante para melhor a condução da revisão e sua publicação é necessária para avaliação pelos pares e assim obter uma revisão assertiva. Entre as limitações na elaboração do protocolo cita-se a ausência de vocabulários controlados para várias práticas integrativas. Concluímos que a capacitação do Bibliotecário nas bases de dados em saúde é fundamental, além do aprofundamento sobre metodologias de revisão de escopo para sua contribuição nas estratégias de busca de informação em bases de dados para a elaboração do protocolo de revisão de escopo

Biografia do Autor

Amanda Damasceno de Souza, Universidade FUMEC Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento (PPGSIGC)

Doutora em Gestão e Organização do Conhecimento e Mestre em Ciência da Informação pela Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (ECI/UFMG). Especialista em Gestão Estratégica da Informação pela ECI/UFMG. Graduada em Biblioteconomia pela ECI/UFMG. Vice-Coordenadora do Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Felício Rocho. É membro do Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Recursos, Serviços e Práxis Informacionais (NERSI), do grupo de pesquisa Representação do Conhecimento, Ontologias e Linguagem (ReCOL) e Membro da Comissão de Pesquisa e Iniciação Científica (CoPIC), Universidade FUMEC.

Participa como Professora convidada do Curso de Especialização em Estratégia do cuidar em Enfermagem-CEECE/UFMG, nas áreas de Enfermagem em Cardiologia e Hemodinâmica, Gestão da Qualidade em Saúde e Enfermagem. É docente do Bacharelado em Estética da Universidade FUMEC e do Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento (PPGSIGC) da Universidade FUMEC

Edcleyton Bruno Fernandes da Silva, Instituto Federal de Alagoas

Doutor em Gestão e Organização do Conhecimento pelo Programa de Pós-Graduação em Gestão & Organização do Conhecimento da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGGOC/UFMG) na área de concentração Ciência da Informação (2022). Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (2017). Graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal da Paraíba (2011). Integrante do Grupo de Pesquisa: Informação, Aprendizagem e Conhecimento: GIACO. Editor Ad Hoc da Revista Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia (PBCIB). Tem experiência na Ciência da Informação, com ênfase em Biblioteconomia, atuando principalmente nos seguintes temas: Organização do Conhecimento, Produção Científica, Produção Colaborativa, Metodologia da Pesquisa Científica, Gestão da Informação e do Conhecimento, Políticas de Informação, Competência Profissional do Bibliotecário.

Fernanda Falci Ribeiro Tunes, Universidade FUMEC

Possui graduação em Estética e Cosmética pelo Centro Universitário Newton Paiva (2009) e graduação em História pelo Centro Universitário Newton Paiva (1995) Pós graduada em Práticas Integrativas Complementares (2021) Pós graduada em Metodologia do Ensino Superior pela Uninter(2013). Coordenadora e Docente no curso superior de Estética e Cosmética Universidade FUMEC

Guilherme Henrique de Assis, Universidade FUMEC Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento (PPGSIGC)

Aluno do curso de Doutorado em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento na Universidade FUMEC. Mestre em Ciências da Computação pela UFMG e Bacharel em Sistemas de Informação também pela UFMG. Trabalho com desenvolvimento de software desde 2009.

Armando Sérgio de Aguiar Filho, Universidade FUMEC Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento (PPGSIGC)

Armando Sérgio de Aguiar Filho possui Doutorado em Gestão da Informação e do Conhecimento pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFMG. É Mestre em Administração, ênfase em Gestão da Informação, pela Fundação João Pinheiro/MG. Fez MBA em Gestão de Negócios pelo IBMEC/MG e Especialização em Marketing pela Fundação João Pinheiro/MG. É Graduado em Comunicação Social/Habilitação Publicidade & Propaganda pelo UNIBH/MG. Tem experiência em projetos de pesquisa e desenvolvimento nas temáticas de marketing, empreendedorismo, inovação, aprendizagem e compartilhamento. Na carreira acadêmica tem mais de 20 anos de experiência, tendo produzido considerável número de trabalhos completos publicados em periódicos e anais de congressos nacionais e internacionais. Na sua trajetória vem desenvolvendo atividades de coordenação, docência, pesquisa e extensão em instituições de destaque como FUMEC, Promove, UNIBH e PUC Minas. Desde 2017 é professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento da Universidade FUMEC, sendo designado como Coordenador do Programa a partir de fevereiro de 2022. No âmbito de mercado possui sólida atuação como gestor de comunicação e marketing no comércio, indústria e consultoria. Desde 2015 atua fortemente com atividades relacionadas ao estudo, desenvolvimento e acompanhamento de indicadores de performance acadêmica. É Avaliador do INEP/MEC para atos de autorização, reconhecimento e renovação de cursos de graduação presencial e EaD e colaborador do BNI para elaboração e revisão de itens.

Referências

ARKSEY, H.; O'MALLEY, L. Scoping studies: towards a methodological framework. International Journal of Social Research Methodology, London, v.8, n.1, p.19-32, 2005.

AROMATARIS, E.; MUNN, Z. (Ed.). JBI Manual for Evidence Synthesis.Sidney: JBI, 2020. Disponível em: https://synthesismanual.jbi.global.Acesso em 21 maio 2022.

AZEVEDO, E.; PELICIONI, M.C.F. Práticas integrativas e complementares de desafios para a educação. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 361-378, nov. 2012.

BARROS, N.F; SIEGEL, P.; OTANI, M.A.P. (Orgs.). O ensino das Práticas Integrativas e Complementares: experiências e percepções. São Paulo: Hucitec, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de implantação de serviços de práticas integrativas e complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. 56 p. http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/manual_implantacao_servicos_pics.pdf.Acesso em 21 maio 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. PNPIC-SUS. Brasília DF: Ministério da Saúde, 2006.

COELHO, T. P.; et al. Comparação e análise do uso de revisão sistemática e scoping review na área de assistência ao paciente em Farmácia. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e08101219915, 2021. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/19915. Acesso em: 22 abr. 2022.

FERREIRA, S. M. R. F.; RETONDARIO, A.; TANIKAWA, L. Protocolo de revisão de escopo e revisão sistemática na área de alimentos. Visão Acadêmica, Curitiba, v.22 n.2, Abr. - Jun. 2021. Disponível em:https://revistas.ufpr.br/academica/article/view/79568. Acesso em: 20 abr. 2022.

GALVÃO, M. C. B.; RICARTE, I. L. M. Revisão sistemática da literatura: conceituação, produção e publicação. Logeion: filosofia da informação, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 57-73, 2019.

GIUSTINI, D.; et al. Health sciences librarians' engagement in open science: a scoping review. Journal of the Medical Library Association : JMLA, Chicago, v.109, n.4, p.540-560, 2021.

HIGGINS, J. P. T.; et al. (Eds). Cochrane Handbook for Systematic Reviews of Interventions versão 6.3. Cochrane, 2022. Disponível em: www.training.cochrane.org/handbook.Acesso em jul 2022.

JOANNA BRIGGS INSTITUTE (JBI). Reviewer’ manual 2015: Methodology for JBI Scoping Reviews. Adelaide: The University of Adelaide, 2015 Disponível em: https://nursing.lsuhsc.edu/JBI/docs/ReviewersManuals/Scoping-.pdf.Acesso em: 20 abr. 2022.

JOANNA BRIGGS INSTITUTE (JBI). About JBI: Who Are We?2021. Adelaide: The University of Adelaide, 2021. Disponível em https://jbi.global/about-jbi. Acesso em 07 dez 2021.

LEFEBVRE, C.; et al (Ed). Cochrane Handbook for Systematic Reviews of Interventions version 6.3.updated February 2022. Cochrane, 2022. Disponível em: www.training.cochrane.org/handbook.Acesso em maio 2022.

MORRIS, M.; BORUFF, J.T.; GORE, G.C. Scoping reviews: establishing the role of the librarian.Journal of the Medical Library Association : JMLA. Chicago, v.104, n.4, p.346-354, 2016.

MUNN, Z.; et al. Systematic review or scoping review? Guidance for authors when choosing between a systematic or scoping review approach. BMC medical research methodology. London, v.18, p.143, 2018.

OUZZANI, M.; et al. Rayyan—a web and mobile app for systematic reviews. Systematic reviews, v. 5, n.210,2016.

RAYYAN SYSTEMS INC. About Rayyan.2022. Disponível em: https://www.rayyan.ai/. Acesso em 01 abril 2022.

SPENCER, A.J.; ELDREDGE, J.D. Roles for librarians in systematic reviews: a scoping review. Journal of the Medical Library Association: JMLA.Chicago, v.106, n.1,p.46-56. 2018.

SECRETARIA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE (SAPS). Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: https://aps.saude.gov.br/ape/pics. Acesso em 24 abril 2022.

SINGH, A.Medicina moderna: rumo à prevenção, à cura, ao bem-estar e à longevidade. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental,São Paulo, v. 13, n. 2, p. 265-282, 2020.

SOUZA, E.F. A.A.; LUZ, M.T. Bases socioculturais das práticas terapêuticas alternativas. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2,p. 393-405, 2009.

TESSER, C.D. Práticas complementares, racionalidades médicas e promoção da saúde: contribuições poucos exploradas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 8, pp. 1732-1742,2009.

TEIXEIRA, M.Z.; LIN, C.A. Educação médica em terapêuticas não convencionais. Revista de Medicina, São Paulo, v. 92, n. 4, p. 224-35, 2013.

TRICCO, A.C.; et al. PRISMA extension for scoping reviews (PRISMA-ScR): checklist and explanation. Annals of Internal Medicine, Philadelphia, v.169, n.7, p.467-73, 2018.

WEBINÁRIO Medicinas Tradicionais e PICS no DeCS. A Rede MTCI Américas elaborou uma proposta de atualização do tesauro Descritores em Ciências da Saúde (DeCS) que incorpora novos termos de buscas considerando as medicinas tradicionais e as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS).Youtube, 2022. Disponível em:https://www.youtube.com/watch?v=SCjlF_WHH0Y. Acesso em maio de 2022.

Publicado

2022-12-21

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa