Volatilidade da taxa de câmbio e seus efeitos sobre o fluxo de comércio dos países da América do Sul

Fernanda Aparecida Silva, Carlos Otávio de Freitas, Leonardo Bornacki de Mattos

Resumo


Diante da importância da taxa de câmbio no comércio externo, considerando que suas flutuações podem modificar a escala de preços entre os países, a presente pesquisa buscou identificar o impacto da volatilidade da taxa de câmbio real bilateral sobre o fluxo de comércio entre os países da América do Sul. Para tal, foi estimado um modelo gravitacional utilizando uma amostra de nove países, entre 1998 e 2012. O método utilizado na estimação foi o modelo Poisson-Pseudo Maximum Likehood (PPML). Os resultados mostraram que a instabilidade cambial é prejudicial à relação de comércio entre países da América do Sul, já que maior incerteza cambial leva os agentes econômicos, a longo prazo, a reduzir suas atividades no comércio internacional, dada maior exposição ao risco. Outro resultado importante foi a constatação de que os países membros do Mercosul, de fato, têm o comércio favorecido diante das vantagens oferecidas pelo bloco, como a redução de tarifas comerciais. Quanto à variável utilizada para captar o efeito da crise do subprime em 2008, verificou-se aumento no fluxo comercializado pelos países sul-americanos nesse período.


Palavras-chave


volatilidade cambial; América do Sul; modelo gravitacional; comércio internacional

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Fernanda Aparecida Silva, Carlos Otávio de Freitas, Leonardo Bornacki de Mattos

Instituto de Economia da UFRJ

Avenida Pasteur, 250, Palácio Universitário, sl 114 
Urca, Rio de Janeiro, RJ, CEP 22290-240, Rio de Janeiro - RJ Brasil
Tel.: 55 21 3873-5242
Fax: 55 21 2541-8148
e-mail: rec@ie.ufrj.br