Decomposição estrutural da variação do emprego nos setores industriais no Brasil entre os anos de 2000 e 2009

Carina Diane Nakatani-Macedo, Flávio Kauê Fiuza-Moura, Marcia Regina Gabardo da Câmara, Umberto Antonio Sesso Filho

Resumo


O objetivo do presente artigo é analisar a variação de emprego nos setores industriais nos anos 2000-2009 para o Brasil. Utiliza-se a metodologia de insumo-produto, através da decomposição estrutural da variação do emprego em efeitos de intensidade, de tecnologia, da demanda, do crescimento e total. Os principais resultados mostraram que entre os dois períodos estudados, houve um acréscimo de 4,39 milhões de vagas para o setor industrial que isoladamente foi responsável por, aproximadamente, 25% do resultado nacional. Dentre os efeitos estudados pode-se destacar o efeito crescimento e intensidade como principal responsável pelos resultados. Ao considerar o efeito total, os setores que apresentaram maior crescimento relativo no número de empregos foram os de alimentos e bebidas, artigos do vestuário e acessórios e construção civil. Os resultados obtidos permitiram concluir que houve um aumento do número de postos de trabalho para a indústria no Brasil no período analisado, onde a tecnologia, apesar de não explicar unicamente o efeito crescimento, mostra impactos positivos na geração de emprego no efeito total.

Palavras-chave


tecnologia; emprego; insumo-produto; indústria; decomposição estrutural

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Carina Diane Nakatani-Macedo, Flávio Kauê Fiuza-Moura, Marcia Regina Gabardo da Câmara, Umberto Antonio Sesso Filho

Instituto de Economia da UFRJ

Avenida Pasteur, 250, Palácio Universitário, sl 114 
Urca, Rio de Janeiro, RJ, CEP 22290-240, Rio de Janeiro - RJ Brasil
Tel.: 55 21 3873-5242
e-mail: rec@ie.ufrj.br