Entre pênis de plástico e dildos de pele: subjetividades ciborgue em uma plataforma de sexcam

Eduardo Espíndola Braud Martins

Resumo


Neste trabalho, investigo a produção coletiva de prazer sexual realizada por agentes diversos em uma plataforma de sexcam, o Chaturbate. Nesse site, pessoas realizam shows eróticos a um grande público, em um agenciamento (Deleuze; Guattari, 1995[1987]) bastante peculiar envolvendo usuários, recursos tecnológicos, dinheiro e objetos interativos. Partindo da noção de que sexo e gênero são sistemas de escritura (Derrida, 1973[1967]) desempenhados performativamente (Butler, 1997, 1999), analiso a emergência de subjetividades ciborgue (Haraway, (2002[1991]) na plataforma em questão, observando como toda uma coletividade de atores-em-rede (Latour, 2012) trabalha em conjunto para gerar o prazer e intimidade que emergem durante as exibições. A fim de observar o desenvolvimento daquilo que se entende por “prática sexual”, tomo como base o uso de vibradores remotos nessas plataformas e interpreto a forma como tais aparelhos são “manuseados” sociodiscursivamente (Moita Lopes, 2006) na produção do prazer carnal. Ao engendrarem e pressuporem um corpo natural e intrinsecamente orgânico mesmo em um ambiente prioritariamente digital, a análise das interações eróticas possibilitou a verificação de como a ideia de “natureza humana” é uma construção semiótica e performática (Pennycook, 2007), a qual se une aos construtos de de gênero e sexualidade na elaboração de subjetividades que, mesmo na tentativa de serem autênticas, são ciborgue em “essência”.


Palavras-chave


ciborgue, performance, sexcam, teoria ator-rede.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSTIN, J. L. 1990[1962]. Quando dizer é fazer. Porto Alegre: Artes Médicas.

BARAD, K. 2003. Posthumanist Performativity: Toward an Understanding of How Matter Comes to Matter. Signs, 28(3), Gender and Science: New Issues: 801-831.

BATESON, G. 1987. Steps to an ecology of mind. Londres: Jason Aronson Inc.

BAUMAN, R. & BRIGGS, C. 2003. Voices of modernity. Language ideologies and the politics of inequality. Cambridge: Cambridge University Press.

BENNETT, J. 2010. Vibrant Matter. A Political Ecology of Things. Durham, England: Duke University Press.

BUTLER, J. 1997. Excitable Speech. A Politics of the Performative. Nova Iorque: Routledge.

BUTLER, J. 1999. Gender Trouble - Feminism and the Subversion of Identity. Nova Iorque: Routledge.

COMELLA, L. 2017. Vibrator Nation. How Feminist Sex-Toy Stores Changed the Business of Pleasure. Durham, England: Duke University Press.

DELEUZE, G. & GUATTARI, F. 1995[1987]. Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. São Paulo: Editora 34.

DERRIDA, J. 1973[1967]. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva.

FOUCAULT, M. 1972. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

FOUCAULT, M. 1988. História da Sexualidade I. A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal.

HARAWAY, D. 2009[1991]. Manifesto Ciborgue. In: TADEU, T. (Org.). Antropologia do ciborgue. As vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

HOFER, K. P. 2014. Pornographic Domesticity: Amateur Couple Porn, Straight Subjectivities, and Sexual Labour. Porn Studies, 1(4). Routledge: 334-345.

GUATTARI, F. & ROLNIK, S. 1999. Micropolítica: Cartografias do Desejo. Petrópolis: Vozes

LATOUR, B. 1994. Jamais fomos modernos. Ensaio de Antropologia Simétrica. Rio de janeiro: Nova Fronteira.

LATOUR, B. 2012. Reagregando o social. Salvador: Edufba.

MAINES, R. P. 1999. The “hysteria”, the vibrator, and the technology: women's sexual satisfaction of orgasm. Baltimore: The John Hopkins University Press.

MARKHAM, A. (2012) Fabrication as ethical practice. Information, Communication & Society, v. 15, n. 3, 334-353

MOITA LOPES, L. P. (Org.). 2006. Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial.

PAASONEN, S. 2018. Infrastructures of Intimacy. In: ANDREASSEN, R. et al (Orgs). Mediated Intimacies: Connectivities, Relationalities and Proximities. New York, NY: Routledge.

PENNYCOOK, A. 2007. Performance and Performativity. In: Pennycook, A. Global Englishes and Transcultural Flows. New York: Routledge.

PENNYCOOK, A. 2018. Posthumanist Applied Linguistics. Nova Iorque: Routledge.

PRECIADO, B. 2014. Manifesto Contrassexual. São Paulo: n-1 edições.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Indisciplina em Linguística Aplicada

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

A Revista Indisciplina em Linguística Aplicada e os textos aqui publicados estão licenciados com uma  Licença Creative Commons CC - By 4.0. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.ufrj.br/index.php/rila/index. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.ufrj.br/index.php/rila/about/editorialPolicies#openAccessPolicy.

Agradecimento de Imagem do Site da Revista Indisciplina em Linguística Aplicada pela Pexels por Pixabay