O Twitter como lócus de performances dissidentes de feminilidade

Luciana Lins Rocha

Resumo


A partir da participação na rede social Twitter, analisam-se as performances discursivas dissidentes de gênero e sexualidade ali encenadas por adolescentes e jovens mulheres. Este estudo, portanto, caracteriza-se como uma etnografia na internet, situada no campo da linguística queer. Entendendo que a linguagem é social e política, analisa-se como essas meninas e jovens adentram disputas discursivas sobre o conceito de feminilidade naturalizado pela matriz heterossexual, conforme definida por Butler. As maneiras dissidentes como performam seus desejos e afetos colocam em xeque o limite para elas imposto dentro dessa matriz de inteligibilidade humana, indicando que a internet pode ser um lugar de desafiar normas regulatórias e (re)desenhar quem somos ou podemos ser.


Palavras-chave


etnografia na internet, linguística queer, twitter, performances.

Texto completo:

PDF

Referências


BORBA, R. (2015) Linguística queer: uma perspectiva pós-identitária para os estudos da linguagem. Revista Entrelinhas – Vol. 9, n. 1 (jan./jun.)

BUTLER, J. (1997) Excitable speech: a politics of the performative. Nova Iorque: Routledge.

------. (2007 [1990]) Gender Trouble. Londres: Routledge.

------. (2009) Frames of War. When is life grievable? Nova Iorque: Verso.

DA SILVA ESPÍNDOLA, H. (2017) Quem pode "dar um rolé" no shopping? - a performatividade das falas do rolezinho na cidade do Rio de Janeiro. Tese de doutorado defendida no Programa Interdisciplinar de Linguística Aplicada da Faculdade de Letras da UFRJ.

GUIMARÃES, T. F. (2014) Embates entre Performances Corpóreo-Discursivas em trajetórias textuais: uma etnografia multissituada. Tese de Doutorado defendida no Programa Interdisciplinar de Linguística Aplicada da Faculdade de Letras da UFRJ.

HINE, C. (2015) Etnography for the internet: Embedded, embodied, everyday. Londres: Bloomsbury Academic.

JAGOSE, A.M. (1996). Queer. In: ---. Queer Theory: an introduction. Nova Iorque: New York University Press. pp. 72-100.

LOURO, G. L. (2004). Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica.

MOITA LOPES, L. P. da (2006a) Queering Literacy Teaching: Analyzing Gay-Themed Discourses in a Fifth-Grade Class in Brazil. In: Journal of Language, Identity, and Education. 5(1), pp. 32-50. Lawrence Erlbaum Associates, Inc.

------. (2006b) On being white, heterosexual and male in a Brazilian school: multiple positionings in oral narratives. In: DE FINNA, A.; SHIFFRIN, D.; BAMBERG, M. (eds.) Discourse and Identity. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 288-313.

------. (2006c) “Falta homem até para homem”: a construção da masculinidade hegemônica no discurso midiático. In: HERBELE, V. M.; OSTERMANN, A. C.; FIGUEIREDO, D. de C. (orgs.) Linguagem e gênero no trabalho, na mídia e em outros contextos. Florianópolis: Editora da UFSC. pp. 131-157.

------. (2008) Gêneros e sexualidades nas práticas discursivas contemporâneas: desafios em tempos queer In: SILVA, A. de P. D. da. (org.) Identidades de Gênero e práticas discursivas. Campina Grande: EDUEP. pp. 13-19.

------. (2009) Linguística Aplicada como lugar de construir verdades contingentes: sexualidades, ética e política. Revista Gragoatá. Niterói, n. 27, p. 33-50, sem. 2009.

PENNYCOOK, A. (2007) Global Englishes and Transcultural Flows. Nova Iorque: Routledge.

SILVA, J. P. de L.; Silveira, E. L.; Costa, L. C. S. (2016). A teoria Queer e os muros da escola: tessituras entre práticas e (des)normalizações. Textura, v. 18 n.38, set./dez.

SULLIVAN, N. (2003). A critical introduction to queer theory. Nova Iorque: New York University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Indisciplina em Linguística Aplicada

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

A Revista Indisciplina em Linguística Aplicada e os textos aqui publicados estão licenciados com uma  Licença Creative Commons CC - By 4.0. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.ufrj.br/index.php/rila/index. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.ufrj.br/index.php/rila/about/editorialPolicies#openAccessPolicy.

Agradecimento de Imagem do Site da Revista Indisciplina em Linguística Aplicada pela Pexels por Pixabay