Pesquisa qualitativa ou qualidade em pesquisa? Um exemplo de contribuição sócio-humanista em pesquisa contábil

Sandra Maria Cerqueira da Silva, Silvia Pereira de Castro Casa Nova

Resumo


Flick (2009) afirma que abordagens qualitativas de pesquisa têm vivido um período de crescimento e diversificação inéditos, tornando-se uma proposta de pesquisa consolidada e respeitada em diversas disciplinas e contextos. Um dos paradigmas de pesquisa alinhado com as abordagens qualitativas é o pós-estruturalismo, que entende a realidade como uma construção social e subjetiva, propondo uma desconstrução de textos entendidos como uma decomposição dos elementos da escrita, para descobrir as partes que estejam dissimuladas e que impeçam a alteração de condutas. Haynes (2010) aponta a história oral, apoiadas em entrevistas em profundidade, como uma excelente fonte para construção de evidências, sendo particularmente rica e poderosa para explorar a experiência daquelas que foram marginalizadas, silenciadas ou ignoradas no contexto contábil. Para reposicionar a relevância que abordagens qualitativas de pesquisa têm ganhado na contabilidade apresentaremos um exemplo de uma pesquisa desenvolvida a partir de histórias orais de acadêmicas brasileiras. A pesquisa em tela busca auxiliar na tarefa de identificar se existe alguma diferença na forma como as mulheres contabilistas exercem sua profissão e performam seu gênero diante da perspectiva da maternidade, analisando a relação entre o corpo, a autoimagem e os requisitos de apresentação para as mulheres profissionais de contabilidade. Haynes (2008) argumenta como o corpo se torna um veículo para a exibição de conformidade -- ou, na verdade, não-conformidade -- às normas sociais, o que afeta as práticas incorporadas, emoções e identidades. Para Lehman (2012), políticas econômicas e sociais estão intimamente atadas, portanto, a necessidade de modificar a condição da mulher -- e similarmente, de mudar as perspectivas sobre sua contribuição para a contabilidade, como o desenvolvimento de métodos que deem visibilidade, adotando novos conceitos que revelem aspectos que têm sido silenciados como conceitos de valor, valorização ou valoração do trabalho, risco e poder. [...]

Palavras-chave


Pesquisa qualitativa, História oral, Corpo em organizações, Questões de gênero, Gestação e contabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


Alvarenga, C. F. (2008). Relações de gênero e trabalho docente: jornadas e ritmos no cotidiano de professoras e professores. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, Brasil.

Bourdieu, P. (1984). Distinction: A social critique of the judgement of taste. London: Routledge.

Bourdieu, P. (1981). Men and machines in Advances. In K. Knorr-Cetina& A. Cicourel (Eds.), Social theory and methodology. London: RKP.

Butler, Judith. (2008). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Casa Nova, Silvia P. C. (2014) Contabilidade das mulheres na universidade brasileira: lucros e perdas, ingresso e permanência. Tese de Livre-Docência. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, Brasil.

Casa Nova, Silvia P. C. (2016). With a Little Help from my Friends: Barreiras e Impulsionadores para a Inserção de Mulheres na Academia Brasileira de Contabilidade. Trabalho apresentado no X Congresso ANPCONT, Ribeirão Preto.

Dale, K. (2001). Anatomising embodiment and organization theory. New York: Palgrave.

Deepika Nath (2000). Gently shattering the glass ceiling: experiences of Indian women managers. Women in Management Review, 15(1), 44-52, https://doi.org/10.1108/09649420010310191

Dale, K. (2001). Anatomising embodiment and organization theory. New York: Palgrave.

Giddens, A. (1991). Modernidade e identidade própria. Cambridge: Polity Press.

Haynes, K. (2016). Accounting as gendering and gendered: A review of 25 years of critical accounting research on gender. Critical Perspectives on Accounting 43, 110-124. Recuperado em 24 de abril de 2017, de: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1045235416300272

Haynes, K. (2008). (Re)figuring Accounting and Maternal Bodies: The Gendered Embodiment of Accounting Professionals. Accounting, Organizations and Society, 33(4-5): 328 - 348. Recuperado em 04 de março de 2015, de: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0361368207000396.

Kerfoot, D. (1999). Body work: Estrangement, disembodiment and the organisational ‘other'. In J. Hassard, R. Holliday, & H. Willmott (Eds.), Body and organization. London: Sage. Lehman, C. R. (2012). We've come a long way! Maybe! Re-imagining gender and accounting. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 25, 256-294.

Lehman, C. R. (2016). Qualitative Accounting Research as Remedy in an Era of ‘Big Data'. Working paper apresentado no 2º Congresso UnB de Contabilidade e Governança, Brasília, novembro 23- 25.

Lester, J. (2008). Performing gender in the workplace: Gender socialization, power, and identity among women faculty members. Community College Review, 35(4), 277-305.

Lupu, I. (2012). Approved routes and alternative paths: The construction of women's careers in large accounting firms. Evidence from the French Big Four. Critical Perspectives on Accounting, 23(4), 351-369.

Sauerbronn, F. F. (2009). Co-determinação e não-ação em estratégia de responsabilidade social. Tese de Doutorado, Centro de Formação Acadêmica e de Pesquisa, Escola Brasileira De Administração Pública e de Empresas (EBAPE), Rio de Janeiro.

Shilling, C. (1993). O corpo e a teoria social. London: Sage.

Silva, S. M. C. (2016). Tetos de vitrais: gênero e raça na contabilidade no Brasil. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado em 20 de jan. de 2017. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-03082016-111152/

Silverman, D. (2009). Interpretação de dados qualitativos: métodos para análise de entrevistas, texto e interações (M. F. Lopes, trad.) Porto Alegre: Artmed.

Stolke, V. (2006). O enigma das interseções: classe, “raça”, sexo, sexualidade. A formação dos impérios transatlânticos do século XVI ao XIX. Estudos feministas, 14(1), 15-42.

Turner, B. (1991). Recent developments in the theory of the body. In M. Featherstone, M. Hepworth, & B. Turner. In: M. Featherstone, M. Hepworth, e B. Turner (Eds.). (Eds.), The body: Social process and cultural theory. London: Sage.




DOI: https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v13i1.15860

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Sandra Maria Cerqueira da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores: 

Directory of Open Access Journals Scholar  EBSCO   

 
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vínculo Institucional:

Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis 
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) 
Av. Pasteur, 250 - Urca - Rio de Janeiro - 22.290-240 
Tel./Fax: (21) 3938-5119

Ficha Catalográfica:

Sociedade, Contabilidade e Gestão [recurso eletrônico]/ Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro. -- v. 1, n. 1, 2° semestre de 2006 -- Rio de Janeiro: UFRJ, 2006-.v. 
Quadrimestral 
Semestral 2006-2012
ISSN 1982-7342

1. Contabilidade e Gestão. I. Universidade Federal do Rio de Janeiro -- Faculdade de Administração e Ciências Contábeis.