Os Determinantes do Cumprimento das Normas de Disclosure das Provisões e das Contingências Ativas e Passivas na B3

Antônio Lopo Martinez, Marina Magalhães de Souza, Sérgio Augusto Pereira Bastos, Fernando Dal-Ri Murcia

Resumo


Este estudo objetivou analisar o grau de cumprimento das normas de disclosure, bem como seus determinantes, em companhias abertas listadas no Brasil, Bolsa, Balcão (B3), quanto às exigências mandatórias prescritas no CPC 25 que trata das provisões, passivos contingentes e ativos contingentes. A amostra composta por 300 empresas, no período de 2010 a 2016, cujos dados foram coletados no site da B3 e na base Economática®.  Os resultados indicam que as empresas estão longe do alinhamento às normas de disclosure do CPC 25 e, sugerem que firmas maiores, empresas auditadas pelas ‘Big Four' e companhias listadas nos seguimentos de governança corporativa na B3 apresentam um maior nível de cumprimento das normas de disclosure do CPC 25. Essa pesquisa contribui na literatura sobre o disclousure de provisões e contingências ativas e passivas, demarcando o nível de cumprimento contemporâneo dessas normas e seus determinantes.


Palavras-chave


Grau de cumprimento, Disclosure mandatório, Provisões, Passivos e ativos contingentes, CPC 25.

Texto completo:

PDF

Referências


ACAR, E.; OZKAN, S. Corporate governance and provisions under IAS 37. EuroMed Journal of Business, v. 12, n. 1, p. 52-72, 2017.

ALMEIDA, J. E. F. de; ALMEIDA, J. C. G. de. Auditoria e earnings management: estudo empírico nas empresas abertas auditadas pelas big four e demais firmas de auditoria. Revista Contabilidade e Finanças, v. 20, n. 50, p. 63-74, 2009.

ARAÚJO, R. A. de M. et al. Agressividade Fiscal: uma comparação entre empresas listadas na NYSE e BM&FBOVESPA. Revista Enfoque: Reflexão Contábil, v. 37, n. 1, p. 39-54, 2018.

BALAKRISHNAN, K.; BLOUIN, J. L.; GUAY, W. R. Tax aggressiveness and corporate transparency. The Accounting Review, v. 94, n. 1, p. 45-69, 2019.

CASTRO, M. C. C. S.; VIEIRA, L. K.; PINHEIRO, L. E. T. Comparação do disclosure de contingências ativas e passivas nas empresas brasileiras com ações negociadas na BM&BOVESPA e na NYSE. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 20, n. 2, p. 52-69, 2016.

CHEN, S.; CHEN, X.; CHEN Q.; SHEVLIN, T. Are family firms more tax agressive than non-family firms? Journal of Financial Economics,v. 95, p. 41-61, 2010.

CUNHA, I. M. de A.; AVELINO, B. C. Fatores que influenciam o nível de disclosure voluntário de empresas listada na BM&Bovespa. In: XIII CONGRESSO USP INICIACÃO CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE, 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2016.

DEHKORDI, H. F.; MAKAREM, N. The effect of size and type of auditor on audit quality. International Research Journal of Finance and Economics, v. 80, n. 80, p. 121-136, 2011.

FARIAS, R. B.; HUPPES, C. M.; LOPES, A. C. V.; NORILLER, R. M. Fatores Explicativos do Índice de Disclosure das Provisões e Passivos Contingentes das Empresas Pertencentes ao Índice Bovespa. In: XIII CONGRESSO USP INICIACÃO CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE, 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2016.

FONTELES, I. V.; NASCIMENTO, C. P. S. do; PONTE, V. M. R.; REBOUÇAS, S. M. D. P. Determinantes da evidenciação de provisões e contingências por companhias listadas na BM&BOVESPA. Revista Gestão Organizacional, v. 6, n. 4, p. 85-98, 2013.

GONÇALVES, R. de S.; WEFFORT, E. F. J., PELEIAS, I. R.; GONÇALVES, A. de O. Social Disclosure das empresas brasileiras listadas na NYSE e na BOVESPA: sua relação com os níveis de governança corporativa. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 1, n. 9, p. 71-94, 2008.

GUIMARÃES, G. O. M.; MACEDO, M. A. da S.; CRUZ, C. F. da. Análise da alíquota efetiva de tributos sobre o lucro no Brasil: um estudo com foco na ETRt e na ETRc. Revista Enfoque: Reflexão Contábil, v. 35, n. 1, p. 1-16, 2016.

HANLON, M.; HEITZMAM, S.. A review of tax research. Journal of Accounting and Economics, v. 50, n. 2, p. 127-128, 2010.

HENDRIKSEN, E. S.; VAN BREDA, M. F. Teoria da contabilidade. 1ª ed. São Paulo: Atlas, 2016.

IBGC – INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Código das melhores práticas de governança corporativa. 5ª ed. São Paulo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 maio de 2017

JESUS, S. S. de; SOUZA, M. M. de. Impacto do reconhecimento dos passivos contingentes na situação econômica das empresas brasileiras auditadas pelas big four. Revista de Contabilidade da UFBA, v. 10, n. 2, p. 43-63, 2016.

LAMMERSEN, L. The measurement of effective tax rates: Common themes in business management and economics. ZEW Discussion Paper No. 02-46 – Centre for European Economic Research, jun. 2002. Disponível em: < https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=395260>. Acesso em: 18 de janeiro de 2018.

LIMA, V. S. de; LIMA, G. A. S. F. de; LIMA, I. S.; CARVALHO, L. N. G. de. Determinantes da convergência aos padrões internacionais de contabilidade no Brasil. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS, 2010, Natal, RN. Anais... Natal: ANPCONT, 2010.

LOPES, A. B.; ALENCAR, R. C. Disclosure and cost of equity capital in emerging markets: The Brazilian Case. The International Journal of Accounting, v. 45, n. 4, p. 443-464, 2010.

LOPES, A. B. IUDÍCIBUS, S. de (Coord.). Teoria avançada da contabilidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2012.

MAIA, H. A.; FORMIGONI, H.; SILVA, A. A. da. Empresas de auditoria e o compliance com o nível de evidenciação obrigatório durante o processo de convergência às normas internacionais de contabilidade no Brasil. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 44, p. 335-352, 2012.

MARTINEZ, A. L. Agressividade Tributária: um survey da literatura. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 11, Edição Especial, p. 106-124, 2017.

MARTINS, G. de A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MARTINS, V. G.; OLIVEIRA, A. S. de; NIYAMA, J. K.; DINIZ, J. A. Níveis diferenciados de governança corporativa e a qualidade da informação contábil durante o processo de convergência às normas internacionais de contabilidade. ConTexto, v. 14, n. 27, p. 23-42, 2014.

MURCIA, F. D.-R.; SANTOS, A. dos. Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário das companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 3, n. 2, p. 72-95, 2009.

NASCIMENTO, A. M.; REGINATO, L. Divulgação da informação contábil, governança corporativa e controle organizacional: uma relação necessária. Revista Universo Contábil, v. 4, n. 3, p. 25-47, 2008.

NUNES, J. G., TEIXEIRA, A. J. C.; NOSSA, V.; GALDI, F. C. Análise das variáveis que influenciam a adesão das empresas ao índice BM&F Bovespa de sustentabilidade empresarial. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 7, n. 4, p. 328-340, 2010.

OLIVEIRA, A. F. de; BENETTI, J. E.; VARELA, P. S. Disclosure das provisões e dos passivos e ativos contingentes: um estudo em empresas listadas na BM&FBovespa. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS, 2011, Vitória, ES. Anais... Vitória: ANPCONT, 2011.

PINTO, A. F.; AVELAR, B.; FONSECA, K. B. C.; SILVA, M. B. A.; COSTA, P. de S. Value relevance da evidenciação de provisões e passivos contingentes. Pensar Contábil, Rio de Janeiro, RJ, v. 16, n. 61, p. 54-65, 2014.

ROSA, P. A. da; MAGALHÃES, R. A.; FERREIRA, L. F.; PETRI, S. M. Evidenciação dos passivos contingentes tributários: comparação das informações divulgadas em notas explicativas e formulário de referência. In: XVI CONGRESSO USP CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2016.

ROVER, S.; TOMAZZIA, E. C.; MURCIA, F. D. R.; BORBA, J. A. Explicações para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando a análise de regressão em painel. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 47, n. 2, p. 217-230, 2012.

SHACKELFORD, D. A.; SHEVLIN, T. J. Empirical tax research in accounting. Journal of Accounting and Economics, v. 31, n. 1, p. 321-387, 2001.

SUAVE, R.; CODESSO, M. M.; Pinto, H. de M.; VICENTE, E. F. R.; LUNKES, R. J. Divulgação de passivos contingentes nas empresas mais líquidas da BM&FBovespa. Revista da UNIFEBE – Centro Universitário de Brusque, v. 1, n. 11, p. 1-17, 2013.

VICTOR, F. G.; CARLIN, D. O.; WRUBEL, F. Determinantes do nível de disclosure das empresas participantes do 9o Prêmio Abrasca e suas características de governança cor- porativa. Revista do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul, n. 139, p. 54- 65, 2009.




DOI: https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v0i0.20234

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 MARINA MAGALHÃES DE SOUZA, ANTONIO LOPO MARTINEZ, FERNANDO DAL-RI MURCIA, SERGIO AUGUSTO PEREIRA BASTOS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores: 

Directory of Open Access Journals SPELL Scholar EBSCO

 
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vínculo Institucional:

Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis 
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) 
Av. Pasteur, 250 - Urca - Rio de Janeiro - 22.290-240 
Tel./Fax: (21) 3938-5119

Ficha Catalográfica:

Sociedade, Contabilidade e Gestão [recurso eletrônico]/ Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro. -- v. 1, n. 1, 2° semestre de 2006 -- Rio de Janeiro: UFRJ, 2006-.v. 
Quadrimestral 
Semestral 2006-2012
ISSN 1982-7342

1. Contabilidade e Gestão. I. Universidade Federal do Rio de Janeiro -- Faculdade de Administração e Ciências Contábeis.