A sofisticação do neogolpismo: dos protestos de 2013 à destituição de Dilma Rousseff

Andre Luiz Coelho, Mateus Mendes

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo identificar até que ponto os modelos teóricos que discutem as distintas modalidades de golpe de Estado e, em especial, a literatura sobre neogolpismo na América Latina, são capazes de explicar a derrubada da ex-presidenta Dilma Rousseff (2016) e dos eventos que ocorreram em seguida, como a permanência de Michel Temer no poder (2016-2018). Nesse sentido, buscou-se cumprir três objetivos específicos. O primeiro deles é discutir o referido marco teórico, levando em conta que esse fenômeno resulta da interação dialética entre as instituições políticas formais e os protestos de rua. Assim, a segunda parte do artigo analisa a dimensão institucional da destituição da presidenta Dilma Rousseff e a terceira aborda as manifestações populares que concorreram para a sua saída do poder em 2016. Nossa conclusão é de que alguns aspectos particulares do processo de impeachment de Dilma Rousseff indicam que o modus operandi do neogolpismo recente na América Latina passou por transformações, mudanças essas que podem ser caracterizadas como um aprimoramento dessa estratégia de destituição. O principal aspecto dessa sofisticação remete à forma lenta pela qual se deu o neogolpe no Brasil, uma vez que a derrubada de Rousseff deita raízes em 2013.


Palavras-chave


Neogolpes, Brasil, Impeachment, Dilma Rousseff

Texto completo:

PDF Remoto

Referências


BARBÉ, Carlos. Golpe de Estado. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília: Editada Universidade de Brasília, 13ª ed., 4ª reimpr., 2010.

BIANCHI, Álvaro. Golpe de Estado: o conceito e sua história. In: PINHEIO-MACHADO, Rosana; FREIXO, Adriano (Orgs.). Brasil em transe: bolsonarismo, nova direita e desdemocratização. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2019.

CASARA, Rubens R.R. Estado Pós-Democrático: neo-obscurantismo e gestão dos indesejáveis. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

COELHO, André Luiz. Contribuições recentes sobre o estudo da instabilidade política e presidencial na América Latina. Um novo modelo de destituição de mandatários ou a releitura de velhas práticas? Reflexões sobre a instabilidade presidencial contemporânea na América Latina. Revista Brasileira de Estudos Políticos, v. 113, p. 11-50, 2017.

COELHO, André Luiz; MONTEIRO, Leonardo Valente. O retorno da direita na América Latina: estratégias institucionais e neogolpismo. Congresso Latino-americano de Ciência Política, 9º, Montevidéu, 2017.

COELHO, André Luiz. SANTOS, Vinícius. O primeiro ano da Política Externa de Temer e a desconstrução das últimas décadas. Escuta – Revista de Política e Cultura. 2017. Disponível em: https://revistaescuta.wordpress.com/2017/04/10/o-primeiro-ano-da-politica-externa-de-temer-e-a-desconstrucao-das-ultimas-decadas/#more-3510. Acesso em: 29.jan.2020.

FREIXO, Adriano de. Tudo à frente, nada à frente: protestos de rua e crise política no Brasil (2013-2016). In: FREIXO, Adriano de. Manifestações no Brasil: as ruas em disputa. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2016.

GENRO, Luciana. Sobre defender (ou não) a Lava Jato. 22.abr.2017. Disponível em: http://www.justificando.com/2017/04/22/sobre-defender-ou-nao-lava-jato/. Acesso em: 30.jan.2020.

GLOBO. 'O combate à corrupção tem que continuar, doa a quem doer’, defende Chico Alencar. 27.set.2018. Disponível em: https://oglobo.globo.com/brasil/o-combate-corrupcao-tem-que-continuar-doa-quem-doer-defende-chico-alencar-23105558. Acesso em: 30.jan.2020.

HOCHSTETLER, Kathryn. Repensando o presidencialismo: contestações e quedas de presidentes na América do Sul. Lua Nova, São Paulo, n 72, pp. 9-46, 2007.

JUSTIFICANDO. Para juristas, condução de Lula foi ilegal e espetacularizada. 04.mar.2016a. Disponível em: https://portal-justificando.jusbrasil.com.br/noticias/312331335/para-juristas-conducao-de-lula-foi-ilegal-e-espetacularizada. Acesso: 15.jan.2020.

JUSTIFICANDO. “Lawfare representa o uso indevido dos recursos jurídicos para fins de perseguição política”. 17.nov.2016b. Disponível em: http://www.justificando.com/2016/11/17/lawfare-representa-o-uso-indevido-dos-recursos-juridicos-para-fins-de-perseguicao-politica/. Acesso: 10.jan.2020.

LIGUORI, Guido. VOZA, Paquale. Dicionário Gramsciano. São Paulo: Boitempo, 2017.

LIMA, Pedro Luiz. CHALOUB, Jorge. Os juristas políticos e suas convicções: para uma anatomia do componente jurídico do golpe de 2016 no Brasil. Revista de Ciências Sociais (UFC). Fortaleza, v.49, n. 1, p.202-252, 2018.

LIMA, Venício. A direita e os meios de comunicação. In: CRUZ, Sebastião Velasco e; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo (Orgs.). Direita, volver! o retorno da direita e o ciclo político. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015.

MEDEIROS, Josué. Regressão democrática na América Latina: do ciclo político progressista ao ciclo político neoliberal e autoritário. Revista de Ciências Sociais (UFC). Fortaleza, v.49, n. 1, p.98-133, 2018.

MENDES, Mateus; LIMA, Daniel Máximo Góes de; FERNANDES, Pedro de Araújo. Lava Jato, neogolpismo e crise de hegemonia: a função geopolítica da “luta contra a corrupção”. II Jornada Discente do PPGCP – UniRio. 2019 Lava Jato, neogolpismo e crise de hegemonia: a função geopolítica da “luta contra a corrupção”

MIGUEL, Luis Felipe. O colapso da democracia no Brasil: da Constituição ao golpe de 2016. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, Expressão Popular, 2019.

PEREIRA DA SILVA, Fabrício. América Latina em seu labirinto: democracia e autoritarismo no século XXI. Rio de Janeiro: Ponteio, 2019.

PÉREZ-LIÑÁN, Aníbal. Presidential Impeachment and the New Political Instability in Latin America. Nova Iorque: Cambridge University Press, 2007

PERISSINOTO, Renato (2016). “Por que golpe?”. Manuscrito. Disponível em: https://www.academia.edu/29221192/Por_que_golpe . Acesso: 10.jan.2020.

PINTO, Céli Regina Jardim. A trajetória discursiva das manifestações de rua no Brasil (2013-2015). In: ROCHA, Camila e SOLANO, Esther (Orgs.). São Paulo: Expressão Popular, 2019.

ROCHA, Camila. “Imposto é roubo!” A formação de um contrapúblico ultraliberal e os protestos pró-impeachment de Dilma Rousseff. In: ROCHA, Camila e SOLANO, Esther (Orgs.). São Paulo: Expressão Popular, 2019.

SINGER, André. O lulismo em crise: um quebra-cabeça do período Dilma (2011-2016). São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SOUZA, Jessé. A radiografia do golpe: entenda como e por que você foi enganado. Rio de Janeiro: LeYa, 2016.

STOKES, Susan. Mandates and Democracy: Neoliberalism by Surprise in Latin America. Cambridge: Cambridge University Press, 2001, p. 60-101.

TV247. Wadih Damous: sistema de Justiça do Brasil tornou-se partido político. 27.out.2019.

UOL. Gaúchos formam metade da bancada da bala no Congresso. 25.abr.2011. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2011/04/25/gauchos-formam-metade-da-bancada-da-bala-no-congresso-conheca-os-parlamentares.htm. Acesso em: 29.jan.2020.

VALOR. Nova composição do Congresso é a mais conservadora desde 1964. 05.jan.2015. Disponível em: https://valor.globo.com/politica/noticia/2015/01/05/nova-composicao-do-congresso-e-a-mais-conservadora-desde-1964.ghtml. Acesso: 11.jan.2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.