As alterações climáticas como reestruturadoras do Sistema Internacional e como catalisadoras da necessidade de reestruturação da ordem mundial

Mariana Riquito Pereira

Resumo


As questões ambientais, e nomeadamente as alterações climáticas, tornaram-se um problema político e adentraram no campo das Relações Internacionais desde, pelo menos, os anos 1970. Desde então, elas têm problematizado e contribuído para redefinir as fronteiras entre o nacional e o internacional, o socioeconómico e o ambiental, o humano e o natural, os modos de resolução e de regulação de conflitos, o papel do Estado, das organizações internacionais, dos agentes económicos e das organizações da sociedade civil. Pela sua magnitude e relevância, elas têm vindo a reestruturar e a reconfigurar o Sistema Internacional (SI). Partindo desta observação, este paper pretende contribuir para o debate em torno das políticas globais do meio ambiente, especificamente das alterações climáticas, analisando de que modo estas participaram ativamente na reconstrução da ordem mundial, sendo hoje consideradas um elemento-chave nos processos de globalização. Esta problemática inter/transnacional é o maior desafio coletivo ao qual temos de dar resposta. Contudo, apesar do alargado consenso científico-político quanto à necessidade de se tomar medidas efetivas de mitigação dos impactos humanos sobre os sistemas naturais, uma série de obstáculos e de barreiras (institucionais, políticas, de caráter sistémico e conjuntural) persistem. Baseando-se na teoria das Green Politics aplicadas às Relações Internacionais, este artigo pretende contribuir para o debate sobre novas propostas, práticas e processos políticos contra-hegemónicos que busquem traçar caminhos para um mundo que se transforme quer a si quer às suas relações com a Natureza.


Palavras-chave


Meio Ambiente; Alterações Climáticas; Green Politics; Relações Internacionais

Texto completo:

PDF Remoto

Referências


Livros:

CHASEK, Pamela S. et. al. 2018. Global Environmental Politics. London: Routledge.

MIES, Maria; SHIVA, Vandana. 2014. Ecofeminism. London: Zed Books.

PARENTI, Christian. 2011. Tropic of Chaos. Climate Change and the new Geography of Violence. New York: Nation Books.

RIBEIRO, Wagner Costa. 2011. A Ordem Ambiental Internacional. São Paulo: Contexto.

SOLÓN, Pablo (ed.). 2019. Alternativas Sistêmicas: Bem Viver, decrescimento, comuns, ecofeminismo, direitos da Mãe Terra e desglobalização. São Paulo: Editora Elefante.

SOSA-NUNEZ, Gustavo; ATKINS, Ed (eds.). 2016. Environment, Climate Change and International Relations. Bristol: E-International Relations.

Capítulo em livro:

AGUITON, Christophe. 2019. “Os bens comuns”. In: SOLÓN, Pablo (ed.). Alternativas Sistêmicas: Bem Viver, decrescimento, comuns, ecofeminismo, direitos da Mãe Terra e desglobalização. São Paulo: Editora Elefante, 2019, pp. 85-110.

AZAM, Geneviève. 2019. “Decrescimento”. In: SOLÓN, Pablo (ed.). Alternativas Sistêmicas: Bem Viver, decrescimento, comuns, ecofeminismo, direitos da Mãe Terra e desglobalização. São Paulo: Editora Elefante, 2019, pp. 65-84.

ECKERSLEY, Robyn. 2007. “Green Theory”. In: DUNNE, Tim. et. al. (eds.). International Relations Theories. Oxford: Oxford University Press, 2007, pp. 247-265.

GRUPO DE TRABAJO GLOBAL MÁS ALLÁ DEL DESARROLLO. 2019. “Más allá del desarrollo: detener las máquinas de destrucción socioecológica y construir mundos alternativos”. In: LANG, Miriam; KONING, Claus-Dieter; REGELMANN, Ada-Charlotte (eds.). Alternativas en un mundo en crisis. Quito: Universidad Andina Simón Bolívar, 2019, pp. 398-465.

MACGREGOR, Sherrilyn; SEYMOUR, Nicole. 2017. “Introduction”. In: MACGREGOR, Sherilyn; SEYMOUR, Nicole (eds.). Men and Nature: Hegemonic Masculinities and Environmental Change. 2017, pp. 7-14.

PATERSON, Matthew. 2005. “Green Politics”. In: BURCHILL, et. al. (eds.). Theories of International Relations. New York: Palgrave Macmillan, 2005, pp. 235-257.

VIOLA, Eduardo; LEIS, Héctor. “O ambientalismo multissensorial no Brasil para além da Rio-92”. In: VIOLA, Eduardo, et. al. (eds.). Meio ambiente, desenvolvimento e cidadania: Desafios para as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 1995, pp. 134-160.

Artigos em periódicos:

AVELHAN, Lívia Liria. 2013. “Construção e Análise do Regime Ambiental Internacional”. Revista Académica de Relações Internacionais. vol. 1, n. 3, pp. 37-45.

ALLEGRETTI, Giovanni, et. al. 2013. “Crise ecológica e novos desafios para a democracia” Revista Crítica de Ciências Sociais. vol. 100, pp. 05-10.

BARROS-PLATIAU, Ana Flávia. 2006. “A política externa ambiental: do desenvolvimentismo ao desenvolvimento sustentável”. Relações Internacionais do Brasil, Temas e Agendas. pp. 251-282.

BEZERRA, Joana Carlos. 2013. “O papel do meio ambiente na política externa brasileira” Idéias. vol. 6, pp. 151-173.

CRUTZEN, Paul; STOERMER, Eugene. 2000. “The 'Anthropocene'”. Global Change Newsletter. vol. 41, pp. 17-18.

KRASNER, Stephen. 1982. “Structural Causes and Regime Consequences: Regimes as Intervening Variables”. International Regimes. vol. 36, n. 2, pp. 185-205.

PATTERSON, Matthew; GRUBB, Michael. 1992. “The International Politics of Climate Change”. International Affairs (Royal Institute of International Affairs 1944-), v. 68, n. 2, pp. 293-310.

Relatórios Oficiais:

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O MEIO AMBIENTE HUMANO. “Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano - 1972”. 1972. Estocolmo. Disponível em https://apambiente.pt/_zdata/Politicas/DesenvolvimentoSustentavel/1972_Declaracao_Estocolmo.pdf.

CONVENÇÃO QUADRO SOBRE A MUDANÇA DO CLIMA. “Adoção do Acordo de Paris”. 2015. Paris.

IPCC. Climate Change 2014: Synthesis Report. Summary for PolicyMakers. 2014. Geneva: IPCC.

UNHCR. Overview. Climate Change and Disaster Displacement: an Overview of UNHCR’s role. 2017. Geneva: UNHCR.

Publicações em meio eletrónico:

MIGRATION DATA PORTAL. Environmental Migration. Disponível em: https://migrationdataportal.org/themes/environmental_migration. Acesso em: 8 oct. 2019.

UNITED NATIONS (a). Climate Change. Disponível em: https://www.un.org/en/sections/issues-depth/climate-change/. Acesso em: 20 jun. 2019.

UNITED NATIONS (b). United Nations Framework Convention on Climate Change. Disponível em: https://unfccc.int/resource/ccsites/zimbab/conven/text/art01.htm. Acesso em: 10 set. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Climate Change and Health. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/climate-change-and-health. Acesso em: 8 oct. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.