Anti-ambientalismos nos Estados Unidos e no Brasil: uma avaliação sobre os elementos que contribuíram para sua emergência

Pedro Henrique Ramos Prado Vasques

Resumo


O trabalho apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla sobre o governo dos sujeitos e do entorno, com enfoque na emergência do ambientalismo no século XX, considerando as formas particulares que assume nos Estados Unidos e no Brasil. Nesse texto, a análise se concentra no debate sobre as condições de possibilidade de emergência do conservadorismo autoritário anti-ambiental nos referidos países, e foi feita mediante a análise de material bibliográfico e documental. O trabalho foi dividido em três partes, sendo que as duas primeiras tratam da trajetória do ambientalismo nos territórios norte-americanos e brasileiros e a terceira apresenta uma síntese sobre a formação do conservadorismo autoritário anti-ambiental em ambos os países. O cerne da análise reside na ênfase da importância de se considerar as peculiaridades dessas dinâmicas oposicionistas para melhor compreensão do fenômeno, o que demandaria se distanciar de abordagens globalizantes, típicas do discurso ambiental.


Palavras-chave


ambientalismo; conservacionismo; conservadorismo; Brasil; Estados Unidos

Texto completo:

PDF Remoto

Referências


BIELSCHOWSKY, R. 2009. Ideologia e desenvolvimento. Brasil, 1930-1964. In PÁDUA, José Augusto. (org.). Desenvolvimento, justiça e meio ambiente. Belo Horizonte: UFMG.

DAYNES, B. W.; SUSSMAN, G. 2010. White House Politics and the Environment. Texas A&M University Press.

DEAN, W. 1996. A ferro e fogo. A história e a devastação da mata atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.

DIEGUES, A. C. 2008. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec: Nupaub/USP.

FRANCO, J. L. A.; DRUMMOND, J. A. 2004. Preocupações com a proteção à natureza e com o uso dos recursos naturais na Primeira República brasileira. Revista Textos de História. vol. 12. n. 1/2. Brasília: UNB.

FRANCO, J. L. A.; DRUMMOND, J. A. 2009. Proteção à natureza e identidade nacional no Brasil, anos 1920-1940. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

HOLANDA, S. B. 2000. Visão do Paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo: Brasiliense; Publifolha.

LAGO, A. A. C. 2007. Estocolmo, Rio, Joanesburgo. O Brasil e as três conferencias ambientais das Nações Unidas. Brasília: Instituto Rio Branco.

MAHER, N. M. 2008. Nature’s New Deal. The civilian conservation corps and the roots of the American Environmental Movement. New York: Oxford University Press.

MARSH, G. P. 1965. Man and Nature. Cambridge: The Belknap Press.

NUNES, M. C. N. O sertão romântico: leitura de o sertanejo, de Alencar, e de inocência, de Taunay. Dissertação de mestrado. Universidade Federal da Paraíba, 2014.

PÁDUA, J. A. (org.). 1987. Ecologia & política no Brasil. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo: IUPERJ.

PÁDUA, J. A. 2004. Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista (1786-1888). Rio de Janeiro: Zahar.

PÁDUA, J. A. 2013. Aventura e predação. PISEAGRAMA, Belo Horizonte, número 06, p. 24-29.

SANTOS, A. M. S. P. 2017. Política urbana no contexto federativo brasileiro: aspectos institucionais e financeiros. Rio de Janeiro: EdUERJ.

SILVA, F. M. 2010. A ideia de sertão em José de Alencar: um estudo a partir de o sertanejo. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Mato Grosso.

TORRES, A. 1915. As fontes da vida no Brasil. Rio de Janeiro: Papelaria Brasil.

TRINDADE, A. A. C. 1984. As Nações Unidas e a nova ordem econômica internacional. Revista de informação legislativa, v. 21, n. 81, p. 213-232, jan./mar. Suplemento

TURNER, J. M., ISENBERG, A. C. 2018. The republican reversal. Conservatives and the Environment from Nixon to Trump. Harvard University Press. Cambridge, MA

UDALL, Stewart L. 1968. The Quiet Crisis. New York: Avon Books.

VASQUES, P. H. R. P. 2018. O governo ambiental no Brasil: uma análise a partir dos processos de avaliação de impacto ambiental. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/332346

VIOLA, E. 1987. O movimento ecológico no Brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica. In VIOLA, E.; PÁDUA, J. A. (orgs.). Ecologia e política no Brasil. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo: IUPERJ. p. 63-109.

WORSTER, D. 2016. Shrinking the Earth: the rise and decline of American abundance. New York: Oxford University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.