A prólepsis de Epicuro e seus significados

Marcos Roberto Damásio

Resumo


O presente artigo investiga a noção de prólepsis (Ï€Ïόληψις) na filosofia de Epicuro a partir dos termos empregados por Diógenes Laércio no parágrafo 33 do 10º livro de Vida e doutrinas dos filósofos ilustres. O termo prólepsis é um neologismo de Epicuro, como afirmou Cícero, e que, para explicá-lo convincentemente, Diógenes Laércio recorreu a outros termos consolidados na tradição filosófica: katálepsisdóxa orthéénnoia katholikè nóesis. Segundo Epicuro, a prólepsis é uma retenção mnêmica (μνήμη) formada empiricamente a partir do que afeta os sentidos (αἰσθήσεις) e constitui-se de diversas experiências vivenciadas no decurso do tempo, isto é, de uma pluralidade de experiências que deixaram marcas (Ï„Ïποι) na psykhé, vindo a ser acionadas pelo entendimento (διάνοια) sempre que necessárias. Muito cara à sua filosofia, a prólepsis como o segundo “critério da verdade” (κÏιτήÏια τῆς ἀληθείας) garante a passagem da sensibilidade ao entendimento, legitimando assim a capacidade de produção de conhecimento “confirmado” (μαÏÏ„ÏÏιον).

Palavras-chave


prólepsis; antecipação; apreensão real; opinião correta; ideia universal

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Metafísica. Tradução de Giovanni Reale. Tradução para o português de Marcelo Perine. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

BOLLACK J. & LAKS, A. (ed). Études sur l'Épicurisme antique. Cahiers de Philologie, Presses Universitaires de Lille, 1976.

BOYANCÉ, P. Lucréce et l'épicurisme. Paris: Presses Universitaires de France, 1963.

BREHIER, E. Histoire de la philosophie I. L'Antiquité et le Moyen âge. Paris: Librairie Félix Alcan, 1928.

BRUN, J. O Epicurismo. Tradução de Rui Pacheco. Lisboa: Edições 70, 1987.

CÍCERO. Do sumo bem e do sumo mal (De finibus bonorum et malorum). Tradução de Carlos Ancêde Nougué. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

________. Sobre o Destino. Tradução e notas de José Rodrigues Seabra Filho. São Paulo: Nova Alexandria, 1993.

COENEN, L. & BROWN, C. Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2007.

DELATTRE, D. & PIGEAUD, J. (Dir.) Les Épicuriens. Paris: Gallimard, 2010, (Bibliothèque de la Pléiade), nº. 564, 1552 p.

DIELS, H & Kranz, W. Die Fragmente der Vorsokratiker. 6th ed. Berlin: Weidmann, 1951.

DIÔGENES LAÊRTIOS. Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres. Tradução de Mário da Gama Kury. Brasília: Editora UnB, 1988.

DONÍS, M. R. “Gassendi y la teologia de Epicuro”. Fragmentos de filosofía, n. 5, 2007, pp. 179-205.

EPICURO. Opere. Introduzione, testo critico, traduzione e note di G. Arrighetti. Turin: Einaudi, 1973 [1960].

________. Opere, fragmmenti, testimonianze sulla sua vita. Tradotti con introduzione e commento da Ettore Bignone. Bari: Gius. Laterza & Figli, 1920.

________. Epistola a Erodoto. Introduzione di E. Spinelli, traduzione e commento di F. Verde. Roma: Carocci, 2010.

________. “Lettre à Hérodote”. In: BOLLACK, J; BOLLACK, M; WISMANN, H. La lettre d'Épicure. Paris: Les Éditions Minuit, 1971.

________. Máximas Principais. Texto, tradução, introdução e notas deJoão Quartim de Moraes. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

FARRINGTON, B. A doutrina de Epicuro. Tradução de Edmond Jorge. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.

FIGUEIRA, M. Epicuro: sabedoria e jardim. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

________. “Um banquete frugal: a influência socrático¬-platônica em Epicuro”. Archai, n. 9, jul-dez., 2012, pp. 117-122.

GIGANDET, A. & MOREL, P.-M. (Orgs). Ler Epicuro e os Epicuristas. Tradução de Edson Bini. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

GUAL, C. G.. Epicuro. Madrid : Alianza Editorial, 2002.

HEGEL, G. W. F. Lecciones sobre la historia de la filosofia. V.1. Tradução de Wenceslao Roces. México: Fondo de Cultura Económica, 1955.

ISIDRO, P. S. J. Dicionário Grego-Português e Português-Grego. 8 ed. Porto: Livraria Apostolado da Imprensa, 1998.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. 2 ed. Tradução de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1989.

LONG, A. A. (Org) Primórdios da filosofia grega. Tradução de Paulo Ferreira. Aparecida, SP.: Ideias e Letras, 2008.

LUCRÉCIO. “Da Natureza”. In: Epicuro, Lucrécio, Cícero, Sêneca, M. Aurélio. Tradução e notas de Agostinho da Silva. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

MARQUES, M. P. (Org). Teoria da Imagem na Antiguidade. São Paulo: Editora Paulus, 2012.

MORAES, J. Q. de. Epicuro: as luzes da ética. São Paulo: Moderna, 1998.

NIZAN, P. Os Materialistas da Antiguidade. 2ª. ed. Tradução de Maria Helena Barreiro Alves. Lisboa: Editora Estampa, 1977.

PABÓN, J. M. Diccionario Manual Griego: Griego Clásico-Espanõl. 19ª ed. Barcelona: Voz, 2002.

PESCE, D. Introduzione a Epicuro. Bari: Editori Laterza, 1981.

________. Saggio su Epicuro. Bari: Editori Laterza, 1974.

PLATÃO. Menon. Texto estabelecido por John Burnet. Tradução de Maura Iglésias. Rio de Janeiro: Ed. PUC-RIO/ Loyola, 2001.

REALE, G. História da Filosofia Antiga III: Os sistemas da era helenística. 4ª ed. Tradução de Marcelo Perine. São Paulo: Loyola, 1994.

RIST, J. M. Epicurus: an introduction. Cambridge: Cambridge University Press, 1972.

RÚA, J. L. G. El sentido de la naturaleza en Epicuro: Algunos aspectos del discurso físico epicúreo. Granada: Editora Comares, 1996.

SPINELLI, M. “Considerações acerca da prólêpsis de Epicuro”. Trans/Form/Ação, v. 35, n. 1, jan.-abr., 2012, pp. 3-22.

________. Epicuro e as bases do epicurismo. São Paulo: Editora Paulus, 2013.

________. Os Caminhos de Epicuro. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

USENER, H. Epicurea. Leipzig: Teubneri, 1887.

VINE, W. E; UNGER, Merril F; WHITE, W. Jr. Dicionário Vine: O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento. Rio de Janeiro: Editora Cpad, 2003.




DOI: https://doi.org/10.25187/codex.v6i1.16636

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Marcos Roberto Damásio da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.