“Na Calada da Noite”: Modernidade e Conservadorismo na Vida Noturna Carioca (1760-1950)

Autores

  • Marcos Paulo Ferreira de Góis Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2015.2690

Palavras-chave:

Vida Noturna, Sociabilidade, Iluminação, Espaços Públicos, Rio de Janeiro.

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender, a partir de um olhar geográfico sobre o passado, o lugar da noite na vida social do carioca no período do Rio de Janeiro capital. O que aqui denominamos de vida noturna se inscreve, assim, às práticas ocorridas nos espaços públicos durante a noite. Acreditamos que tais práticas estão relacionadas a mudanças mais gerais da sociedade carioca, o que acaba por estabelecer uma ordem espacial para a sua ocorrência. Desta forma, os modelos conservadores de modernização da capital foram relevantes elementos para a constituição de “uma cidade que dorme cedo” e que até muito recentemente tinha uma relativa aversão ao uso dos espaços públicos durante a noite. Isto talvez nos ajude a entender processos atuais, nos quais estes espaços se tornaram chaves interpretativas da vida noturna carioca.

Biografia do Autor

Marcos Paulo Ferreira de Góis, Universidade Federal Fluminense

Professor Adjunto do Departamento de Geografia e Políticas Públicas -- IEAR/UFF.

Downloads

Publicado

2015-12-01

Como Citar

de Góis, M. P. F. (2015). “Na Calada da Noite”: Modernidade e Conservadorismo na Vida Noturna Carioca (1760-1950). Espaço Aberto, 5(2), 45–60. https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2015.2690